São Paulo empata em Minas e volta à ponta do Brasileiro

O São Paulo não tem mais 100% de aproveitamento, mas ainda é líder do Campeonato Brasileiro. Mesmo com a expulsão de Denilson na metade do segundo tempo, sustentou 0 a 0 no reencontro com o Atlético-MG, neste domingo – após quatro duelos pela Libertadores -, e voltou à dianteira, com melhor saldo de gols entre os primeiros colocados.

Com os mesmos sete pontos de Botafogo e Vitória, porém à frente nos critérios de desempate, o time treinado por Ney Franco volta a campo na quarta-feira, quando recebe o Goiás, no Morumbi. Já os comandados de Cuca, que alcançam seu primeiro ponto em dois jogos, têm novo compromisso no mesmo dia, contra o Vasco, fora de casa.

O primeiro tempo foi muito menos interessante do que as partidas na Libertadores. Em comum, além do ritmo desacelerado, desfalques importantes. O Atlético não tinha Réver nem Bernard, ambos a serviço da Seleção Brasileira, enquanto o São Paulo sofria com baixas do igualmente convocado Jadson e dos lesionados Rafael Toloi, Paulo Henrique Ganso e Luis Fabiano.

O time tricolor perdeu outro jogador com dez minutos. O lateral Thiago Carleto machucou o joelho esquerdo e deixou o gramado chorando para dar lugar a Juan. O reserva, recém-integrado, voltou a fazer uma partida oficial depois de mais de seis meses – a última atuação havia sido em dezembro, ainda pelo Santos.

Não foi um primor de reestreia, a propósito. Juan foi quem originou uma das poucas oportunidades de gol do Atlético. Ao vacilar na proteção de bola, ele perdeu para Marcos Rocha, que disparou em velocidade e atrasou para Luan, da entrada da área, bater à esquerda do gol de Rogério Ceni, aos 41 minutos.

Antes disso, porém, o lateral esquerdo foi eficiente contra o próprio Luan. O atacante recebeu bola pelo lado esquerdo da área, deixou o goleiro são-paulino no chão e, no momento do chute, foi travado pelo substituto de Carleto. Próximo do lance, Paulo Miranda concluiu o corte ao despachar a bola para frente.

O ataque são-paulino, por sua vez, foi inoperante antes do intervalo. Coube a Lúcio, vilão no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores – e lembrado pela torcida atleticana antes da partida -, a única jogada de perigo. O zagueiro aproveitou saída errada de Victor após escanteio e cabeceou livre. Não fosse a cabeça de Marcos Rocha, em cima da linha, teria saído o gol.

Os visitantes voltaram para o segundo tempo com maior ímpeto ofensivo e quase chegaram ao gol aos 12 minutos. Aloísio, aos trancos, passou por dois marcadores na ponta direita e cruzou rasteiro para Osvaldo. De frente para o gol vazio, seu companheiro de ataque chutou para fora e desperdiçou ótima oportunidade.

Quatro minutos depois, Denilson tentou dominar longo lançamento no peito, mas ajeitou a bola com o braço e recebeu o segundo cartão amarelo. A expulsão forçou Ney Franco a tirar o estreante Lucas Evangelista, que pouco fez, para colocar o volante Wellington. Com um jogador a menos, a única chance na sequência foi arremate de Douglas defendido por Victor.

O Atlético tentou tirar proveito da desvantagem adversário. Cuca promoveu a entrada de Rosinei no lugar de Pierre, contudo não apresentou a mesma vontade de quando venceu o rival nas oitavas de final da Libertadores, após expulsão de Lúcio, no Morumbi. Talvez justamente por ainda estar focado na competição sul-americana. Ao contrário do São Paulo, que deixa Belo Horizonte satisfeito pelo empate e o retorno à primeira posição.

 

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 0 X 0 SÃO PAULO

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 2 de junho de 2013, domingo
Horário: 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (PE)
Assistentes: Alessandro Rocha de Mattos (BA) e Altemir Hausmann (RS)
Cartões amarelos: Marcos Rocha, Leandro Donizete, Diego Tardelli, Leonardo Silva, Ronaldinho Gaúcho (Atlético-MG); Denilson, Maicon (São Paulo)
Cartão vermelho: Denilson (São Paulo)

ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha (Josué), Gilberto Silva, Leonardo Silva e Richarlyson; Pierre (Rosinei), Leandro Donizete, Tardelli e Guilherme; Luan e Jô
Técnico: Cuca

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas, Paulo Miranda, Lúcio e Carleto (Juan); Rodrigo Caio, Denilson e Maicon; Lucas Evangelista (Wellington), Osvaldo e Aloísio (Rhodolfo)
Técnico: Ney Franco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.