Ridicularizado por Carlos Miguel Aidar, Morumbi recupera status de Copa

Em entrevista ao blog do Menon, em maio de 2014, o então presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, classificou o Morumbi como “velho”, previu que só partidas do Tricolor seriam realizadas por lá e o comparou ao Canindé. Pouco mais de quatro anos após ser escanteado da Copa do Mundo, o clube conseguiu recuperar o status do estádio, que será palco da abertura da Copa América de 2019 e terá o seu primeiro jogo neste domingo, às 17h, contra o Flamengo, com a possibilidade de o torcedor chegar de metrô.

Sob a gestão de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, a partir de outubro de 2015, o São Paulo programou algumas reformas pontuais. A sala de imprensa, por exemplo, foi totalmente remodelada em 2017, assim como o auditório para as coletivas de imprensa e a zona mista. Outra mudança avaliada de maneira positiva foi a substituição do Habib’s pela Team Eventos na comercialização de alimentos durante as partidas, agilizando o serviço.

A capacidade de 66 mil pessoas, superior as das arenas do Palmeiras e do Corinthians, é um fator que pesou muito a favor para a escolha do Morumbi para a realização de shows neste período, como os de U2 e Bruno Mars, em 2017, e para a abertura da Copa América. Neste últimos dois anos, o clube também teve as suas melhores médias de público na história, com mais de 30 mil pessoas por partida.

As obras devem seguir, principalmente depois do término do Campeonato Brasileiro – para que nenhum jogo do time profissional precise ser realizado em outro lugar. O clube vai modernizar os vestiários e mudar a rampa que dá acesso ao campo, para fazer com que os jogadores das duas equipes acessem juntas o gramado. Para tanto, não será necessário gastar, pois a diretoria vai utilizar o patrocínio da Ambev para reforma.

Para receber a competição de seleções, o Tricolor paulista também trocará os refletores, instalará a sala de VAR (árbitro de vídeo), ampliar as tribunas de imprensa, melhorar a rede sem fio de internet e instalar uma sala de tradução simultânea. O clube deve utilizar também verba de patrocínios ou permutas para tais obras. O único período previsto para que o estádio não seja utilizado pela equipe é 30 dias antes da Copa América, quando ficará à disposição da Conmebol.

 

Fonte: Uol

9 comentários em “Ridicularizado por Carlos Miguel Aidar, Morumbi recupera status de Copa

  1. Espero que a modernização do estádio não leve os dirigentes à tentação de rebatizá-lo com um genérico “arena” qualquer coisa. O nome Morumbi tem algo que não é qualquer estádio que tem: história. Tradição. Respeito. Vejam por exemplo o Maracanã. Foi modernizado mas os cariocas não permitiram que fosse rebatizado como “arena Maracanã” tirando-lhe a glória que só o tempo dá.

    Em relação às copa América, gostaria que o Morumbi recebesse não o primeiro jogo mas a final. A final é o jogo mais importante de qualquer campeonato.

  2. Espero que a modernização do estádio não leve os dirigentes à tentação de rebatizá-lo com um genérico “arena” qualquer coisa. O nome Morumbi tem uma coisa que não é qualquer estádio que tem: história. Tradição. Respeito. Vejam por exemplo o Maracanã. Foi modernizado mas os cariocas não permitiram que fosse rebatizado como “arena Maracanã” tirando-lhe a glória que só o tempo dá.

    Em relação às copa América, gostaria que o Morumbi recebesse não o primeiro jogo mas a final. A final é o jogo mais importante de qualquer campeonato.

  3. A foto que ilustra o post é perfeita para evidenciar o maior problema do Morumbi. É um estádio “horizontalizado”, em contraste com as arenas. O Cícero Pompeu de Toledo foi concebido em uma época aonde a totalidade dos torcedores assistia aos jogos sentada, e muitos se utilizavam de binóculos, aos moldes das corridas de cavalo. A distância entre o campo e a torcida é colossal perto dos padrôes atuais.

    Houvesse a Olímpiada do Brasil ocorrido em São Paulo e nossa raia sido palco dos jogos, até faria sentido mantê-la. As faixas tricolores dão um ótimo efeito estético, mas afastam ainda mais o torcedor do que realmente interessa.

    O Morumbi precisa de uma reforma completa. Feita em partes e com o comprometimento total da comunidade tricolor, como bem disse o Gelson.

    São setenta anos de muita história. Mas é preciso pensar nos próximos setenta. Pessoalmente, sonho em ver o Morumbi ser transformado em uma arena coberta para 100 mil espectadores( com estacionamento.) Acho que o Old Trattford e o Camp Nou são exemplos a serem seguidos.

    • Caro,
      O Morumbi não tem nem 60 anos, essa história de binóculo nem sei de onde vc tirou e a pista de atletismo jamais poderia ter sido usada oficialmente, visto que ela tem 450 metros.

      • Errei na conta mesmo. O Morumbi tem quase 60 anos.

        O que eu quis dizer é que o renomado arquiteto moderno Villanova Artigas enfatizou muito mais o aspecto estético do que a funcionalidade propriamente. Outra coisa, se as raias não tem medidas olímpicas, isto é mais um motivo extingüi-las. O torcedor não pode ficar tão distanciado. Não à tôa os adversários acham o Morumbi quase “neutro”.

        Quanto ao Old Trattford e ao Camp Nou, eu os mencionei porque representam estádios tradicionais que ao longo dos tempos sofreram reformas, essenciais para os novos tempos.

  4. Lamento, mais nosso estádio está muito envelhecido, frequento desde 1979 e de lá para cá poucas coisas foram feitas efetivamente e com qualidade, vejamos as cadeiras que colocaram nas arquibancadas, péssima qualidade e totalmente desconfortável, a iluminação é horrível, os banheiros os piores, esse monte de puxadinho parece um curtiço (descupe a palavra) mais é bem o que parece, já fiz dois turs no estádio e cada vez pior. Acho que falta boa vontade ou alguém que entenda mesmo do ramo para modernizar a nossa casa sagrada, como disse nosso amigo Gelson, um projeto completo. Quem sabe eu ainda consiga ver!!!!!!

  5. Bom dia tricolores!!
    Como é bom saber que estão cuidando do nosso estádio mas pelo que estou vendo não há planejamento, o correto seria elaborar um projeto completo de modernização e então, dividir em etapas com prazos de execução e tabela de custos bem definidos e cada presidência deveria se comprometer com as etapas integralmente, sem vaidades, só assim, creio eu, poderemos ter um estádio, se não moderno, mas em condições de receber bem seus torcedores, visitantes e atletas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*