Reservas preparados e treinos leves: São Paulo se prepara para maratonas

Nesta quarta-feira, contra o Atlético-MG, o São Paulo iniciará uma sequência de quatro jogos em 12 dias. Em novembro, entre a 32ª e a 36ª rodadas do Campeonato Brasileiro, terá sempre dois jogos por semana. Uma quebra na rotina da comissão técnica, que passou os dois últimos meses com semanas livres para treinar. Mas já foi traçada uma forma de aliviar esse calendário: preparar reservas e reduzir a carga dos trabalhos recentemente.

Entre a vitória sobre o Sport, última partida disputada pelo time, e o duelo diante do Atlético-MG, serão dez dias sem jogo para o Tricolor. A comissão técnica resolveu aproveitar o período para dar dois dias de folga ao elenco e, na sequência, comandar trabalhos menos intensos. Tudo para evitar qualquer problema físico nas maratonas que estão por vir.

– Estamos usando esses dez dias de agora com muita calma. É até perigoso dar uma carga muito grande e, na sequência, algum jogador estourar. Nas semanas anteriores, a gente teve que jogar muito conteúdo em pouco tempo. Agora, até diminuímos um pouco a carga do dia para que, nesta sequência de jogos, a gente não perca nenhum jogador por lesão ou algo do tipo – explicou o auxiliar Lucas Silvestre ao LANCE!

O São Paulo sente ter se encontrado dentro de um posicionamento tático e, como é praticamente certo que ocorrerão desfalques por acúmulo de cartões ou algum problema físico e meio a essas maratonas com pouco espaço para treino, a alternativa encontrada foi preparar os reservas. Nas atividades, Dorival Júnior faz frequentes mudanças entre os titulares, sacando até Pratto, com a intenção de minimizar qualquer desentrosamento nas substituições.

– As duas equipes são sempre preparadas da mesma maneira. Quando a gente separa a última linha do titular para trabalhar, separamos automaticamente a última linha do time de baixo. E fazemos muitas trocas nas equipes durante os treinos, para todos sempre trabalharem com titulares e reservas. Estão todos muito bem preparados para, quando for selecionado pelo Dorival, dar conta do recado, mantendo o mesmo nível de atuação do titular – disse Lucas Silvestre, que é filho de Dorival e também vê o time em sintonia com a comissão técnica.

– Essas semanas foram muito importantes porque conseguimos trabalhar, colocar alguns conceitos que necessitávamos na equipe. E foram já uma preparação para que a gente consiga manter o ritmo das partidas. O mais importante é manter sempre o alto nível, buscando um menor número de mudanças de peças de um jogo para o outro. Deu um lastro, criou uma base boa para termos sequência.

A expectativa do auxiliar é que o trabalho traga resultados dentro de campo. O foco está em deixar a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro cada vez mais para trás – o time saiu da faixa de descenso ao vencer o Sport por 1 a 0, na última rodada, mas ainda está a somente um ponto das quatro últimas posições da tabela.

– Nossa meta é sair dessa condição de rebaixamento o mais rápido possível. O importante, agora, é focar nesses pontos que necessitamos para estar longe dessa situação e, depois, pensar em qualquer outra situação. Não temos como planejar pontos. Temos de nos preparar para buscar os três pontos contra o Atlético-MG, e, depois, a mesma coisa também contra o Atlético-PR. A nossa obrigação e nosso momento são sair da situação em que estamos.

 

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*