No jogo 1.116, Ceni trabalha pouco, mas vê defesa afundar o São Paulo

Rogério Ceni vai ter pesadelos com a defesa do São Paulo na noite em que igualou o recorde de Pelé de partidas por um mesmo clube. A exibição 1.116 com a camisa tricolor, contra a Ponte Preta, pelas semifinais da Copa Sul-Americana, não teve nenhuma grande defesa do goleiro-artilheiro, mas ficou manchada pela derrota por 3 a 1, de virada, e pelos erros da zaga que deixaram o capitão sem ação.

O São Paulo começou o jogo tentando pressionar para abrir vantagem rapidamente. A Ponte colaborou. Recuada, trouxe o adversário para seu campo à espera de um contra-ataque fatal, que não aconteceu. Sem trabalho, Ceni se arriscou na frente para cobrar uma falta. Errou por muito, mandando a bola nas arquibancadas.

O goleiro só apareceu aos 27 minutos em um lance polêmico que já evidenciava o pior. Rildo, a aposta de velocidade da Macaca, partiu em disparada nas costas da zaga. Ceni foi obrigado a sair do gol quase na lateral para dividir com o rival. O árbitro marcou apenas lateral e levou o técnico Jorginho à loucura no banco de reservas.

As bobeadas da defesa aumentaram quando a Ponte Preta abandonou parcialmente a retranca para buscar o empate. E ele surgiu aos 43 minutos. Uendel passou com extrema facilidade por Denilson e cruzou rasteiro. Ceni não tentou cortar, e Antônio Carlos acabou colocando a bola para dentro.

No segundo tempo, o camisa 01 teve apenas seis minutos de paz até que os erros voltassem a aparecer. A defesa não conseguiu cortar uma cobrança de escanteio e ainda permitiu que o rebote ficasse com Fernando Bob. O volante bateu forte, Rogério Ceni fez um milagre sobre a linha, mas Leonardo apareceu para completar e virar o placar.

O capitão voltou a virar um espectador do jogo com o avanço são-paulino. Muricy tentou dar mais força ofensiva com a entrada de Luis Fabiano. O time, porém, não teve forças para superar o bloqueio campineiro. De novo, estourou em Ceni. Uendel dominou a bola na entrada da área, passou fácil por Paulo Miranda e chutou. A bola bateu em Wellington e ficou indefensável para o goleiro.

Os minutos finais foram angustiantes para o capitão, praticamente isolado em uma metade do gramado. O São Paulo criou chances, mas parou em pés alvinegros salvadores quase sobre a linha. Agora, as defesas e os gols de Ceni serão determinantes para o Tricolor inverter a vantagem no dia 27 de novembro, em Mogi Mirim.

 

Fonte: Globo Esporte

Um comentário em “No jogo 1.116, Ceni trabalha pouco, mas vê defesa afundar o São Paulo

  1. É…entra técnico, sai técnico… e o Paulo Miranda continua no time. Quem será que é o padrinho dele? Não dá mesmo…com ele na direita e Reinaldo na esquerda, o time não tem apoio pelas laterais. O meio não marca e não arma… Denilson continua sendo uma fraude de volante. Maicon não joga…desfila em campo. E o ataque…bem o ataque, não existe!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*