Em baixa e sem empresário, Rodrigo Caio espera oferta para sair

A situação de Rodrigo Caio no São Paulo mudou nesta temporada. Antes considerado peça importante no time e principal ativo do clube no mercado da bola, o zagueiro perdeu o status de titular. De quebra, não renovou o acordo que tinha com o empresário Carlos Leite e, ao menos por enquanto, gerencia a própria a carreira ao lado de familiares.

Para pessoas próximas, o jogador, de 25 anos, já confessou o desejo de acertar a sua transferência para o exterior. O clube também entende que seja oportuno trabalhar a imagem do zagueiro para negociá-lo quando for aberta a janela para os principais países da Europa, no fim deste ano. Uma negociação seria importante para o Tricolor conseguir reforçar o caixa.

Na última semana, o zagueiro teve o seu nome especulado no Milan, da Itália. O clube italiano não entrou em contato com jogador ou com o São Paulo neste momento. Porém, em agosto, o executivo de futebol do São Paulo, Raí, conversou com o amigo e dirigente do Milan, Leonardo. Apesar de o ex-lateral esquerdo do Tricolor elogiar o zagueiro, naquela ocasião ele não se mostrou disposto a investir no brasileiro.

Também neste ano, o Lyon, da França, chegou a entrar em contato com representantes do jogador para fazer uma sondagem, mas uma proposta não foi formalizada ao São Paulo. Tal situação contrasta com o que Rodrigo Caio viveu nas últimas janelas de transferência. Valorizado e com status de jogador de seleção brasileira, o defensor recebeu diversas ofertas do exterior em outros anos.

Em 2015, ele chegou até a se despedir dos colegas de Tricolor, a viajar para a Espanha e a fazer exames médicos para fechar com o Valencia ou com o Atlético de Madrid. Já no ano passado, o Zenit acenou com uma proposta milionária, e o zagueiro chegou a ser liberado da concentração para o clássico com o Santos, mas os russos não depositaram o valor combinado, e ele acabou retornando ao time e jogando na Vila Belmiro. Já no início desta temporada, recebeu proposta do Real Sociedad, mas, com a esperança de disputar a Copa do Mundo, preferiu ficar no Morumbi.

Reserva e barganha

Como era de se esperar, o zagueiro não está feliz por ficar no banco de reservas. Na disputa interna por uma vaga como titular do São Paulo, Bruno Alves, Anderson Martins e Arboleda hoje estão à frente de Rodrigo Caio. O defensor, porém, mantém uma conduta exemplar nos treinamento e tem se esforçado no dia a dia.

O jogador perdeu espaço no time por causa de lesão. Fora da lista de convocados de Tite, ele passou por cirurgia no pé esquerdo em maio após lesão no empate com o Ceará, ainda no primeiro turno do Campeonato Brasileiro, no dia 22 de abril. Quando se preparava para voltar à equipe, levou uma pancada no joelho direito durante um jogo-treino com o Nacional, no dia 27 de agosto. Desta maneira, só voltou a atuar no dia 22 de setembro, no empate com o América-MG.

Por causa destas lesões e da disputa interna, ele só entrou em campo em 22 partidas neste ano. Até mesmo pela situação atual do defensor, o Tricolor deve aceitar fechar o negócio por um valor abaixo da multa estipulada em contrato. No ano passado, o clube bateu o pé para receber 18 milhões de euros do Zenit.

 

Fonte: Uol

8 comentários em “Em baixa e sem empresário, Rodrigo Caio espera oferta para sair

  1. Gosto muito do Rodrigo Caio! Entretanto acho que ele e seu empresário, não souberam ler bem o que vinha acontecendo com o Rodrigo Caio. Era uma realidade quando voltou para a zaga e tomou seu lugar definitivamente no time. Teve oportunidade de sair mas o destino conspirou contra. Voltou continuou bem, foi campeão olímpico formando uma ótima zaga com o Marquinhos, foi convocado pelo Tite algumas vezes para jogos sem importância da seleção e, mais uma vez, apareceram chances de se “europeizar”.
    A ilusão de que poderia ser convocado para a Copa do Mundo enganaram o jogador e o clube; não a mim.
    Mesmo gostando dele, afirmei que jamais seria escolhido pelo Tite: tinha muitos à sua frente, e, mesmo que não tivesse sido operado, não seria convocado; como também o Diego Souza, outro que afirmei a não convocação.
    Tivessem ouvido o “ronco das ruas”, clube e jogador teriam aceitado a última oferta (de um time do leste europeu – não me lembro qual e não vou pesquisar)e ambos estariam contentes (muitos torcedores também, infelizmente).
    Agora as coisas ficaram mais difíceis. Agora é recomeçar e esperar sua oportunidade com um novo treinador que não tema o “ronco das ruas” pelas redes sociais e lhe dê a oportunidade que necessita para dar a volta por cima. Eu, particularmente, tentaria a posição original de volante, onde ele deverá ser muito melhor que o Hudson vem sendo e poderá, com o tempo, voltar a pensar em ser vendido para um time médio da Europa, mas não pelo preço que o S.Paulo acha que ele vale.
    Que tenhas boa sorte Rodrigo!!!

  2. Um dos meus diletos amigos, que também costuma frequentar as páginas deste site, que gosta de comparar o Rodrigo Caio ao Roberto Dias, craque inesquecível do final da década de 60 e início dos anos 70. Talvez o futebol de ambos, realmente se pareça. Assim como ocorreu com Roberto Dias, o Rodrigo também iniciou a carreira na base como volante e acabou sendo recuado para a zaga. Até fisicamente, talvez eles tenham algo em comum: ambos não possuem uma estatura elevada. Na minha opinião, o Rodrigo lembra muito o Mauro Galvão, que fez sucesso no Inter e no Vasco. Contudo, aqueles eram outros tempos, nos quais não se exigia de defensores tanta força e estatura, como se faz indispensável atualmente. O Mauro Galvão foi considerado craque porque atuava na sobra e conhecia bem os atalhos percorridos pelos atacantes. Penso que é por essa razão que o seu mercado na Europa seja bem reduzido. Hoje, exceto o Marquinhos, do PSG, não existe zagueiro de time de primeira linha na Europa, que tenha menos de 1,85 m de altura e seja dotado de muita força para aguentar trancos de atacantes fisicamente dotados, do tipo Lukaku, Pogba, Mitrovic, Tomaz Muller, Harry Kane, etc. todos com 1,90m e muita força. Sendo assim, me parece, que o caminho mais correto para a sequencia da sua carreira, é atuar no meio, como primeiro volante.

  3. Era pra ter sido vendido em 2016 mas o ladrão do Aidar e a pilantra da Cinira Maturana queriam levar um dinheiro de comissão e o negócio melou.
    Nada contra a pessoa do R.Caio mas seu tempo no SPFC já se encerrou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*