De Diniz a Daniel, São Paulo se mobiliza para fazer Antony crescer

Antony foi um dos maiores personagens da vitória do São Paulo sobre o Fortaleza, por 2 a 1, neste sábado. O jovem de 19 anos perdeu duas oportunidades claras de gol quando a partida estava empatada em 1 a 1 e irritou parte da torcida, mas redimiu-se ao dar a assistência para Igor Gomes garantir o triunfo no Pacaembu e recebeu diversos elogios nos vestiários. Há uma mobilização no clube para que ele não perca a confiança neste momento de instabilidade individual.

– O Antony é um diamante que temos hoje no São Paulo, e temos de polir bem. Deixa o menino jogar que ele vai aportar muita coisa para o São Paulo. Às vezes tem de ter paciência, porque é um jogador jovem, mas ele tem muita personalidade. Nós vamos tratar de guiá-lo pelo melhor caminho. Acredito que o São Paulo pode agradecer e levantar as mãos pro céu porque hoje tem um dos grandes destaques do futebol brasileiro – disse Daniel Alves, que tem tentado se aproximar do garoto no dia a dia para aconselhá-lo.

– Só perde o gol quem está lá. Ele continuou insistindo, estava cansado e não saiu… É o jogador que tem mais individualidade no nosso time. Foi muito importante para essa vitória, já havia sido importante no Maracanã (empate sem gols com o Flamengo). Às vezes ele é mais cobrado, se espera muito dele, e tem que esperar mesmo, porque ele tem um potencial gigante – emendou Fernando Diniz.

Antony virou reserva nos últimos dois jogos do São Paulo sob o comando de Cuca, contra Botafogo e Goiás. Após um início de ano arrasador, com título da Copa São Paulo Júnior, promoção quase imediata à equipe titular no profissional, recusa a uma proposta do Manchester City e renovação, o garoto perdeu rendimento e passou a ser muito cobrado por aquela que ainda é sua maior deficiência: a finalização. Ele tem três gols pelo Tricolor, o último contra a Chapecoense, há dez jogos. Não foi contra o Fortaleza que o gol saiu, mas a vibração após a assistência a Igor Gomes foi quase igual à de uma bola na rede.

– Eu não vejo como desabafo, mas como mostra da força de vontade. Eu sou um jogador que, quando erro, não me importo. Tento ir para cima de novo, dar o meu melhor. Mas tenho que agradecer muito ao grupo, ao Diniz, a todos os jogadores. Mesmo eu errando ali nas oportunidades de gol eles têm me apoiado muito, têm mandado eu ir para cima, me incentivado muito. Eu devo muito ao grupo – disse Antony, que agradeceu especialmente a Daniel e Diniz.

– A gente sabe o ídolo que o Daniel é, a pessoa que ele é, não só por ter falado bem de mim, mas pelo dia a dia dele, o profissional que ele é, as conversas que vem tendo comigo. Eu sempre dou ouvidos, aprendo com ele. É um ídolo e eu tento sempre estar próximo. O Diniz também tem conversado muito comigo, me deixado muito à vontade, muito confiante. Eu vou dar a vida por eles jogando bola, eles merecem.

Antony desfalcará o São Paulo nas partidas contra Bahia e Corinthians para defender a Seleção Brasileira olímpica em amistosos.

 

Fonte: Lance

2 comentários em “De Diniz a Daniel, São Paulo se mobiliza para fazer Antony crescer

  1. Precisam dar treino de finalização pra ele. Ele não sabe bater na bola com o peito do pé. Só finaliza com o lado do pé, o que resulta em chutes fracos. Precisa treinar muito este fundamento.

    • Comentário procedente… Ele é jovem e precisa aprender a chutar e também desenvolver a musculatura da sua perna. O restante ele tem: muita habilidade e personalidade. É craque… por favor, não vamos queima-lo como fizemos com o Rodrigo Caio e tantos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.