Vitória magra, mas valem os três pontos

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, claro que todos nós esperávamos uma boa vitória contra o Paraná, recém-chegado da Série B do Brasileiro. Mas o placar foi de apenas 1 a 0, muito magro comparadas as duas equipes.

No Morumbi, observando atentamente a movimentação de Diego Aguirre e do time, conversando com amigos, conclui que esse ano vai ser assim: 1 a 0 aqui, 0 a 0 ali, eventualmente 0 a 1 acolá, ou 1 a 0 aqui ou acolá. E sigamos em frente. Lá atrás, segurança total. Não pelo goleiro que temos, mas pelo sistema defensivo que ele arma e que, convenhamos, é digno. Em oito jogos que ele comandou o São Paulo, sofremos quatro gols.

Sendo assim, ao contrário de muitos que acham que vai ser um ano de muito sofrimento, eu entendo que será um ano em que estaremos longe da briga contra o rebaixamento. Não gosto, já disse várias vezes, deste tipo de futebol. Prefiro milhões de vezes o de Juan Carlos Osório, que vê o time ganhando e faz substituições para torná-lo mais ofensivo ainda, enquanto esse tipo de treinador, mesmo quando está perdendo, faz substituições para perder de menos. Mas temos que reconhecer que o Corinthians foi campeão brasileiro de 2017 jogando exatamente assim: era 1 a 0 aqui, 0 a 0 acolá, muitas vezes 1 a 0 lá também. E chegou quase invicto. Logo, não vou crucificar Aguirre.

Aliás, longe de mim estar criticando o nosso técnico. Se foi contratado, é porque os dirigentes entendiam que, com este elenco, o remédio era jogar fechadinho para não correr riscos. Que assim seja.

Uma virtude que vejo no uruguaio: além de ser grande montador de sistema defensivo, vê bem o jogo, substitui muito bem. Já na Argentina, quando Reinaldo se machucou, fez as trocas certas. Assim como as demais substituições. Nesta segunda-feira, estava patente que Lucas Fernandes não vinha bem, seu primeiro tempo foi sofrível. Aguirre já voltou com Valdívia em seu lugar e deu outra cara ao time.

Verdade que depois houve uma queda inexplicável. O Paraná cresceu, o São Paulo se fechou e perdeu o domínio da bola. Mesmo os contra-ataques foram ruíns. Os poucos que saíram, foram desperdiçados no último lance, principalmente com Marcos Guilherme.

Aguirre colocou Junior Tavares no lugar de Brenner, que fez uma partida horrível, o que talvez tenha sido responsável pelo choro dele no banco após ser substituído. O garoto é bastante inteligente para ter auto-crítica. Só espero que ele não seja queimado no clube, porque tem um futuro brilhante pela frente e ainda nos dará muitas alegrias, tenho certeza. Mas a substituição, por mais que tenha sido com boa intenção, não deu certo, pois Aguirre mudou o composição para o 3-5-2, deixando Marcos Guilherme como centro-avante. O problema maior nem foi esse. Foi Junior Tavares. Ele já entrou cansado, não foi ala, não foi lateral e atrapalhou o jogo do São Paulo.

Mas repito: o sistema defensivo que ele monta é muito bom. Por mais que o Paraná tenha dominado boa parte do segundo tempo, o São Paulo não correu risco algum. Não houve um chute no gol. Se corremos algum risco, foi proporcionado por erros nossos, como duas saídas ridículas de Sidão.

Enfim, acho que teremos um bom ano. De vitórias magras ou empates sem graça, mas não passaremos o sufoco que passamos ano passado. Se quero ganhar um título? Mais do que tudo. Mas estou muito escaldado e já me darei por satisfeito se não sofrer os riscos que nos causaram traumas em 2017. Por isso, a vitória foi magra, mas valeram os três pontos.

11 comentários em “Vitória magra, mas valem os três pontos

  1. espero que o aguirrer veja o jogo de segunda feira e na quinta feira fazer tudo diferente .

    é inadmissível que o soberano faça um jogo bom e dois ruins tem que ter padrão tático em todos .ou seja cafa jogo tem que evoluir e nao regredir

    quinta feira não tem desculpas tem que se classifica de todo jeito ou eu vou pedir a sua saida aqui

  2. Paulo Pontes, analisando as estatísticas do Campeonato Brasileiro desde 2016 podemos ver que nos casos de equipes que sofreram 38 gols ou menos no campeonato 82% delas terminaram classificadas no G6, e a totalidade dessas equipes classificaram-se até o nono lugar. Portanto, garantir uma média inferior a 1 gol sofrido por jogo é um grande passo para voltarmos à Libertadores. Se adicionarmos a isso um ataque que faça pelo menos 50 gols (média de 4 gols a cada 3 jogos) estaremos lutando pelo título.

  3. Ganhar um título a curto prazo é vital. Se antes parecia impossível, nossa sorte parece estar mudando. O jogo de ontem foi bom para constatar que, mesmo sem alguns titulares, a organização não se alterou. Claro, o paraná é muito fraco e deve cair, mas o tricolor se impôs em campo.

    O São Paulo contratou vários jogadores experientes, rodados que tem em comum o fato de não atraírem mais o interesse do mercado exterior. Pode dar certo porque jogarão juntos tempo suficiente para se conhecerem. Lembrando que o curintia ganhou o mundial com um time assim.

    Não sei se Aguirre já conseguiu colocar suas ideias em campo. Caindo de paraquedas no meio de uma série de mata-matas fechou a casinha, como qualquer um teria feito. Agora, ele não pode chorar, pois tem um elenco decente nas mãos, com muitas opções para armar o time.

    Se a torcida não atrapalhar, projetando suas frustrações em cima de alguns jogadores, essa equipe pode dar liga. Uma benção, depois de tanto sofrimento.

  4. Olá PP. Bom dia.

    Espero que com algumas vitórias no início do campeonato o time consiga adquirir confiança e, com o tempo, comece a se arriscar no ataque. É normal que começamos a nos preocupar com a defesa.
    Que 2018 seja um ano mais tranquilo.

  5. O que importa é que estamos invictos no Campeonato Brasileiro com 100% de aproveitamento!

    Ganhou de 10 x 0 ou de 1×0 são 3 pontos… e é disso que precisamos… a cada jogo somar mais 3!

    Vamos Tricolor!!!

  6. O ataque vai ser acertado com as novas contratações: o uruguaio e o Everton. Os atacantes atuais, só enganam, não sabem fazer gols.

  7. Ganhou 3 pontos, mesmo com o time quase inteiro reserva, nao fez mais que a obrigacao, nao jogou bem em casa, e se jogar assim com o time titular contra o Atletico PR nao passa para a outra fase ja que temos que ganhar.

  8. Meu Deus esse Sidão, goleiro de time pequeno, o SPFC ainda está sem.goleiro desde a aposentadoria do Ceni.
    Esse Sidao foi contratado porque segundo diziam,sabia sair jogando com os pés, mas o que se vê eh que nem com pés e nem com as mãos esse goleirinho vai bem.

  9. É um jogo que incomoda muito, mas é o que esse treinador sabe fazer montar esquemas defensivos fortes!!!

    Não consigo ver esse treinador acertar o ataque!!!!

    Mesmo contra um time fraco e jogando em casa ele jogou com 3 zagueiros e 2 volantes, completamente desnecessário uma formação assim!!!

    Mas é o que temos o importante é o resultado!!!!

    Uma virtude esse treinador tem que é se planejar para as competições que disputa!!!

    Planejamento é a base de qualquer projeto campeão!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*