Soberania precoce

Há algumas rodadas, quando a pontuação mostrava um embate feroz pelas primeiras posições do Brasileirão, um empate em casa contra o Fluminense podia ser comemorado porque com um a menos e desfalcados arrancamos um pontinho precioso. Passadas algumas semanas, e dois pontinhos preciosos nos são tirados em pleno Morumbi contra o respeitoso, porém, pequeno América mineiro.

Algo mais mudou de lá para cá além do adversário: a vontade de vencer!

Esse São Paulo de Aguirre, de elenco curto, com boas reposições somente para zaga e, quiçá , volantes, é sabido que se trata de um time competitivo quando completo e imbuído de espírito guerreiro. Espírito esse que não se apresentou na última partida. Já não havia comparecido contra o alvinegro da Vila. No 1º tempo do jogo de sábado, o América ousou equilibrar a posse de bola, o Tricolor não marcou pressão, assistiu aos toques de bola do time mineiro, viria a definir pela primeira vez perto de 30 minutos de jogo. Era nítido que se não fosse em lance de bola parada,ou alçada na área, dificilmente a bola beijaria a rede adversária. E foi desse jeito que Diego Souza abriu o placar, porque a construção de jogadas era pífia. Ok, compreendo e concordo que os desfalques de Rojas e Everton nos tiraram qualidade e entrosamento, mas assistir ao América jogar foi injustificável.

Veio o 2º tempo e o São Paulo encontrou campo para vencer o jogo, havia espaços, mas a displicência são paulina foi castigada com o empate próximo ao final de jogo.

Repito: nosso time só é competitivo se completo e com gana de vencer. Time por time está abaixo de Palmeiras e Gremio. Quem sabe também atrás de Flamengo e Cruzeiro. Com ausências importantes, o mínimo que se esperava era concentração, encarar o jogo com umas das 38 finais que compõem um torneio de pontos corridos.

Ainda há tempo de se manter no topo, mas é preciso reverter urgentemente o comportamento do time em campo, que parece ter sido picado pelo mosquito do “soberano”.

 

*****Radialista desde 1987, Sombra passou por várias emissoras de São Paulo nas mais diferentes funções. Em sua primeira emissora, Jovem Pan 2 (89 a 90), iniciou como assistente de promoção e produtor do programa Radio Flight, então capitaneado por Julinho Mazzei, ícone do FM. Na sequência, ocupou o cargo de programador e coordenador de promoção das rádios Manchete (90 a 91) e Nova FM (92 a 94), transferindo-se para a então 97FM, nas mesmas funções. Em 1999, idealizou o programa Estádio 97 e no mesmo ano se tornou coordenador artístico da emissora, onde está até os dias atuais.

7 comentários em “Soberania precoce

  1. O problema é o elenco curto…
    Rojas e Everton são importantes não só na criação mas também na intensidade da marcação pressão. A diferença entre Liziero que marca andando pra trás e Éverton Felipe que só faz sombra no marcador é gritante. Assim tanto Nene quanto Hudson ficavam na roda quando apertavam a marcação.

    Outro que faz falta na marcação é o Militao, que marcava muito forte e tinha velocidade pra recompor após a pressão… RCaio marcou como sempre, de longe…

  2. É isso Sombra. Esse infeliz “Soberano”, herança dos tempos de Juvenal, é outro vocábulo que tem que ser eliminado do nosso repertório.
    Concordo que entramos de salto alto contra o America no primeiro tempo. O time precisa acordar. Ainda dá tempo.

  3. Excelente analise Sombra. O SP tem um elenco limitado tecnicamente e abaixo do Palmeiras, Flamengo e Grêmio. Estava compensando a diferença com muita garra. O desafio dos dirigentes e do técnico é justamente fazer com os jogadores compreendam isso. Se compreenderem ainda há tempo.

  4. Na verdade a liderança foi conquistada a duras penas e com o SPFC jogando no contra ataque e no errro do adversário.
    Só temos reservas para a zaga, atacantes, meio campistas ,laterais e volantes não existe um no elenco capaz de suprir a ausência do titular .
    Porém mesmo assim ainda acredito que conseguiremos o título.
    Ao menos a sorte está conosco neste brasileirão.

  5. Sombra concordo temos que manter o foco e jogar como nunca em todos jogos se jogarmos com a garra que ganhamos de Flamengo Cruzeiro e Corinthins ninguém ganha de nós, sei que ficou claro que o Everton é peça fundamental nesse time e fez muita falta acredito que se conseguir ter o time completo pelo menos nos jogos mais dificeis até o final temos grande chances de ser campeão torço pra isso e vai tricolor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*