Só na imaginação…

Vivemos a época mágica de Copa do Mundo. Embora muitos aqui, assim como eu, não sejam os mais fanáticos torcedores de vestir a camisa da CBF, trata-se de um grande evento para os apaixonados por futebol. Não é só Brasil. É ver um grande jogo como o clássico da Iberia. Um Alemanha e México eletrizante, a agonia Argentina e por aí seguimos como a cada quatro anos.

Falei sobre o “não tão grande amor” pela seleção do canarinho pistola. Amor esse que já tive em tempos que o Tricolor Paulista oferecia Waldyr Peres, Oscar, Getúlio, Renato, Serginho e Zé Sérgio. Ah, e como eu torcia pelo Zé driblando todo tipo de gringos pela camisa amarela. E emocionado que fiquei com o saudoso Waldir pegando dois pênaltis do alemão Breitner. São Waldir garantia sua presença na Copa de 82, e eu torcia pelo Brasil, mas porque o São Paulo defendia a nação através de seus talentos convocados. E quatro anos depois, assim também seria com Careca e Muller. Saudade de ter os jogadores do nosso São Paulo vestindo a amarelinha.

Mas o contexto nos auxiliava ter tal admiração pela seleção. Os convocados jogavam por aqui, eram os ídolos cujos gritávamos os nomes na arquibancada. Raros eram os atletas que atravessavam o Atlântico para ganhar a vida com a bola. Já imaginaram se os grandes nomes do mundo estivessem por aqui? Se liga nessa escalação imaginária do Tricolor, trazendo os astros atuais que fizeram seu nome no Morumbi: Sidão, Militão, Arboleda, Miranda e Reinaldo, Casemiro, Hernanes, Lucas e Nenê, David Neris e Diego Souza.

Daria um time melhor, né? Será que esqueci de algum que poderia incrementar essa equipe imaginária? Triste saber que essa possibilidade não existirá jamais…

 

****Radialista desde 1987, Sombra passou por várias emissoras de São Paulo nas mais diferentes funções. Em sua primeira emissora, Jovem Pan 2 (89 a 90), iniciou como assistente de promoção e produtor do programa Radio Flight, então capitaneado por Julinho Mazzei, ícone do FM. Na sequência, ocupou o cargo de programador e coordenador de promoção das rádios Manchete (90 a 91) e Nova FM (92 a 94), transferindo-se para a então 97FM, nas mesmas funções. Em 1999, idealizou o programa Estádio 97 e no mesmo ano se tornou coordenador artístico da emissora, onde está até os dias atuais.

 

11 comentários em “Só na imaginação…

  1. Sim Sombra, com os jogadores atuando na Europa, China ou mundo árabe perdemos qualquer identificação com essa seleção.
    Além disso, nosso povo está amadurecendo. Hoje nos preocupa mais o embate no STF dia 26 do que mais um jogo de Copa, estamos mais preocupados com a volta da recessão do que com a recuperação do Neymar.

  2. No mundialito disputado no Uruguai entre o fim de 1980 e início de 1981 , realmente , o Brasil derrotou a Alemanha por 4×1 , porém , perdeu na final para o Uruguai . Alguns meses depois realizou um fantástica excursão à Europa , derrotando : França , Inglaterra e Alemanha . Em 1986 tivemos na seleção : Oscar , Falcão , Careca , Muller e Silas , além de Gilmar Rinaldi e Sidnei que participaram dos treinamentos iniciais . Entre 1991 até 1994 passaram pela seleção : Zeti , Cafu , Antônio Carlos , Ronaldão , Ricardo Rocha , Muller , Leonardo , Rai . Palhinha . Em 2002 : Rogério Ceni , Beleti e Kaká , além dos ex atletas : Juninho Paulista e Edmilson. Os únicos clubes que tiveram atletas em todos os 5 mundiais conquistados , foram o São Paulo e o Palmeiras

  3. Com certeza torcia muito mais pela seleção quando os jogadores tinham alguma história no país, pois eles atuavam por mais tempo no futebol brasileiro. Tinham sido protagonistas de campeonatos, clássicos, polêmicas, participado em programas esportivos…
    Me incomoda também o óbvio clubismo do Tite, sob proteção da Mídia…
    Espero que a seleção chegue até as quartas, mais que isso é premiar essa gestão da CBF que só pensa no dinheiro.

  4. No meu tempo de amor.
    a selecao era a CANARINHO,
    hoje kkkkkk
    7 a 1 em casa, uma selemerda,
    igual seus dirigentes,
    todos corruptos e ladroes que acabaram
    com nosso rico futebol.

  5. Antes da copa do mundo de 1982, o Brasil tinha ganhado o mundialito um ano antes, contra a Alemanha por 4×1, com o Zé Sérgio comendo a bola e levando o prêmio de melhor jogador do torneio, mas infelizmente se contundiu e não pode disputar a Copa do mundo da Espanha em 1982.
    Era o terror dos laterais e zagueiros adversários.

      • Com o Zé Sérgio em campo certamente o Serginho iria se beneficiar e jogar melhor, apesar de meio apagado naquela seleção, achei tbm que foi meio sabotado por um grupo carioca que mandava no time com o aval de um Paulista que jogava nas travecas.
        A Seleção de 1982 ainda me trás melhores recordações futebolistas do que as campeãs de 1994 e 2002.

  6. A seleção da CBF conseguiu roubar até esse sentimento da gente.
    Seleção balcão de negócios, convocações esdrúxulas de alguns jogadores que posteriormente são vendidos por altas cifras , a falta de identidade dos jogadores com os brasileiros e principalmente com os clubes brasileiros.
    Ainda não entendi o Cássio, Fagner e Renato Augusto na seleção…
    – Ah lembrei , são amigos do técnico, um verdadeiro encantador de serpentes.

  7. Análise perfeita Sombra, pois o torcedor brasileiro deixou de ter apego a seleção há muito tempo, pois os jogadores jogam fora do país e salvo raríssimas exceções priorizam seus clubes em detrimento da seleção nacional.
    Bons tempos em que víamos Gerson (70), Mirandinha (74), Chicão (78), Waldir Peres (82), Careca (86), Müller (90), Raí (94), etc.
    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*