Limite do elenco

Nosso tema desta semana é o seguinte: qual o limite para esse elenco do São Paulo? No início do ano imaginávamos que iríamos brigar para não cair; depois, no início do Brasileiro, pensávamos em Sul-Americana; com o passar de algumas rodadas, sonhamos com a Libertadores; então veio a liderança e passamos a sentir o gostinho do título; de novo a queda e hoje estamos garantidos na Libertadores, mas na fase classificatória. Brigamos pelo G$, ou seja, pela fase de grupos. Isso é um prêmio, é menos do que se podia esperar ou chegamos além do limite com esse elenco?

 

Paulo Pontes

35 comentários em “Limite do elenco

  1. Está na hora da diretoria começar a planejar, aliás, já deveria estar o próximo treinador acertado.

    E também sobre reforços….

    Antes do jogo contra o Vasco estava fazendo uma relação de possíveis reforços, acabei apagando… mas vamos lá.

    Goleiros:
    Na minha concepção sobre o futebol atual, Goleiro não pode ter menos que 1,90… claro, além da estatura, tem de ser bom. Neste caso, abro uma exceção, Franco Armani é excelente goleiro, tem 1,89 de altura, e seria o cara pra chegar e tomar conta da posição. Não é uma contratação fora dos padrões. Pra quem gastou 10 milhões de Reais com Diego Souza, e 2,5 milhões de Euros com Jean, não deve ser difícil tirar o goleiro do River.

    Zagueiros:
    Bruno Alves, Anderson Martins e Arboleda são zagueiros medianos, acho que a contratação de um zagueiro estilo libertadores é fundamental.
    Alan Franco e Jorge Figal do Independiente são bons zagueiros. O Kannemann tem contrato até 2022, no entanto, o valor de mercado é de 2,5 milhões de euros. a Minha opção seria o Donatti do Racing, não teve sequencia no Flamengo, no entanto é zagueiro que joga firme, e iria dar certo no SP.

    Volantes/meias:

    É irritante ver o Hudson tentando ser o volante que sai para o jogo, ele não tem habilidade, e não tem bom passe. Wilmar Barrios e Nández são excelentes, Ariel Cabral e Lucas Romero também.

    Precisa de um meia que saiba jogar, e o principal não faça biquinho. Maximiliano Meza do Independiente é excelente jogador, tem 26 anos, e agregaria demais.

    Atacantes:
    Diego Souza tem sono profundo, não é matador… é irritante. Até o Alan Kardec é melhor… Gustavo Bou e Ábila são boas opções de atacantes centralizados, e um atacante de velocidade, que poderia ser Lautaro Acosta.

    São boas opções, estrangeiros que formariam um time competitivo para não ser mero participante da Libertadores.

    • João gostei da análise e também das suas sugestões. O fato é que se a diretoria apelar para reforçar o time com jogadores da base, a perspectiva será sombria. A sinalização foi dada com a efetivação do Jardine. Se o plano é realmente esse, o Jardine não emplacará o mês de abril. Ou reforça o time com jogadores de qualidade com idade abaixo dos 30, ou vamos ter mais uma temporada similar as últimas,

  2. Chegamos no limite, a equipe deu o que tinha que dar e dentro as expectativas da diretoria, inclusive com o resultado do trabalho feito pelo Aguirre. Torço para que essa mesma diretoria, agora sem tanta pressão financeira, almeje um ano bem melhor em termos de plantel. Tenho pensado bastante sobre o assunto e concluo que o Jardine não vai dar certo, essa equipe já triturou gente muito mais experiente, não por conhecimento técnico, mas por bagagem mesmo.

  3. Sao paulo precisa melhorar e muito se quiser voltar a conquistar titulos e a torcida voltar a acreditar, ontem mostrou mais uma vez que muito desses atuais titulares sao no maximo reservas, e os reservas que temos nao servem pra quase nada, os garotos da base quando sobem se acham a bolacha mais recheada do pacote.
    Sao Paulo precisa urgente de um bom treinador cascudo e corajoso para fazer o que for preciso para fazer esse time jogar, 2019 precisamos de bons jogadores para serem titulares de verdade e nao contratar um monte de come e dorme.
    O elenco é limitado e o time tb é limitado, logico que temos no brasileirao times mais fracos que o nosso mas que tem mostrado algo a mais, e o pior que todos acreditaram que poderiamos pelo menos ficar entre os 4 primeiro, campeao seria dificil, mas hj vejo que chegamos onde mereciamos ficar entre os 6 primeiros, e como ja disse se tivesse mais umas 5 rodadas nao sei nao se ficariamos ate de fora da pre libertadores.

  4. Com volantes de categoria , um time com o restante composto de jogadores medianos ganha um UPGRADE imediato.
    Veja o caso dos times campeões dos galinhas desta década :
    ótimos volantes levando nas costas o restante de jogadores regulares .
    O plantel do SPFC está repleto de jogadores nota 5, contratando 2 volantes capacitados, box to box, a mudança para cima seria total .

  5. Os volantes são FRACOS .
    Jucilei e Hudson estão aquém do que o time precisa e necessita .
    Aguirre chegou ao limite com esses volantes, tentou mudar para
    conseguir alguma subida mas os reservas, Luan e Liziero, ainda precisam de rodagem.
    Com essa volância, 2019 vai continuar sendo um ano de seca .

  6. Levando-se em conta o pensamento prevalecente na atual diretoria, deverão chegar como reforços, jogadores já na faixa dos 30/35 anos, e ainda, desde que estejam livres no mercado (livre no mercado só sucata mesmo!). Dão a essa estratégia, o nome de contratação de ocasião (sic). Ano que vem, certamente, será mais um ano igual aos recentes. Quanto ao Jardine, ouso afirmar que ele não emplacará o mês abril. A partir daí o foco passa a ser um novo treinador, essa uma ótima desculpa para esconder a incapacidade gerencial dessa diretoria e seu bando de baba-ovos.

  7. Não faltaram reservas à altura dos titulares: o que faltou foi o Aguirre saber usá-los, já que, na ausência de um ponta atacante, ele usou um lateral chamado Edimar para deixar outro lateral fazer o papel de atacante.
    Tem mais: quando ele perdeu a outra ponta, o Rojas, “a vaca já tinha ido pro brejo” e não fez diferença alguma no andamento da tabela!
    Parece que tem gente que não quer enxergar como foram as coisas…

    • Goleiro Sidão e Jean (esse dou um desconto mas se fosse incontestável seria titular absoluto) e não me venha falar do Perri que nunca jogou.
      Tinhamos o Militão improvisado na lateral direita que deu certo ( Bruno Peres não mostrou à que veio)
      De zagueiros estamos bem.
      Volantes Jucilei e Hudson (este claramente não é 2°volante pois não conduz bem a bola além de chutar mal) sobraram Liziero que começou bem mas caiu vertiginosamente e agora o Luan que se machucou, restando o Araruna.
      Nenê não tem reserva à altura e o Liziero que talvez poderia fazer a função não mostrou essa qualidade ,tal qual o Everton Felipe que veio do sport.
      Temos lateral esquerdo e o Edmar não pode ser do mesmo nível.
      Everton não tem um no elenco que possa fazer sua função com mesma qualidade, ai sobram Diego Souza e Rojas que temos Trelles, Carneiro e agora o Helinho que estava machucado na base e subiu recentemente como substitutos.
      O Aguirre teve seus erros mas teve muito mais méritos pela posição que estamos na tabela, pois provavelmente com o Dorival brigariamos no meio da tabela.
      O SPFC hoje é um time mediano que fez um bom papel, que quando precisou de reservas não conseguiu manter a mesma qualidade.
      Mas vc pode achar que temos um bom time titular e um bom elenco, mas a grande maioria dos torcedores não enxerga assim.

      • Meu argumento principal, Jairo, é que o nosso elenco não difere muito ao dos grandes times do futebol brasileiro. VC tem, no Grêmio, por ex. 3 “refugos” nossos que lá estão jogando e sendo elogiados por muitos de nós que comentamos neste Site. O Flamengo, com todo o investimento; glamour; maior torcida brasileira; time de maior arrecadação; não faz nada melhor do que nosso time fez nos melhores momentos.
        Falta, no Brasil, craques – até mesmo bons jogadores – para se formar um grande time. O Palmeiras, até a chegada do Felipão, com o mesmo elenco, era, como vc diz, time de meio de tabela. O treinador “resgatou” os jogadores, na verdade todo o elenco, já que usou 2 times diferentes nas diferentes competições.
        Lógico, como afirmei em meu primeiro comentário neste tópico de discussão, que o Aguirre foi muito importante na primeira parte do campeonato. Não seu método de trabalho ou capacidade de fazer coisas especiais para o time jogar. A importância dele foi o seu discurso de humildade – e ele estava certíssimo, porque o time vinha muito mal – do tal “jogo a jogo e vamos ver no final…”, mas que não serviu mais quando o time cresceu o suficiente para “ganhar” o primeiro turno, esgotando-se, aí, o trabalho do treinador/motivador que, quando precisou mostrar conhecimentos técnicos de treinador, mostrou sua total incapacidade.
        Continuo achando que o grande técnico é aquele que, como gostam alguns por aqui, seja capaz de “fazer uma omelete” com os ovos que tem à disposição…
        Abraços!

        • Fala PauloRp , bom dia amigo tricolor.
          Entendi seu ponto de vista, mas vc há de concordar que existe ao menos 4 elencos melhores e mais entrosados, e só 1 leva o campeonato.
          Por isso acho que com o time e elenco que temos estamos bem e à frente de todos os outros times que se igualam ao SPFC.
          No começo do ano as travecas eram o atual campeão Brasileiro e tornou-se campeão Paulista, naquele momento eles eram um time melhor entrosado do que o SPFC que era recém formado.
          Na copa do Brasil o Cruzeiro , um dos times que eu acho mais encorpado e entrosado do que o SPFC foi bicampeão.
          Na libertadores tanto o Palmeiras que tinha uma grande campanha até a eliminação na semi final , quanto o Grêmio que é ainda o atual campeão foram bem e não foram para a final por pouco.
          E temos agora no Brasileiro o Palmeiras que vai ser campeão atuando quase todo o campeonato com o time B deles.
          A Sul Americana realmente fomos mal sendo eliminados pelo atlético/ pr.
          Só sobrou o Flamengo que não venceu nada mas eu acho que tem mais time e elenco melhores.
          Neste brasileiro faltou uma vitória contra cada um dos times de cima da tabela , do qual só vencemos o Flamengo.
          Não vencemos nenhuma vez o Palmeiras, Grêmio, Internacional e o Galo.
          No confronto direto com os 6 primeiros, só vencemos o Flamengo uma vez.

    • Aí eu discordo, caro Paulo. Quem é o substituto à altura do Everton? Brenner? Shaylon? Lucas Fernandes (quando ainda estava aqui)? Caíque? Helinho (o menino fez 1 gol em uma sorte danada e nada além, muita gente vai queimar ele pq estão achando que é o novo Neymar)? O gigante uruguaio? Trellez?

      E pro Rojas, quem iria substituir? E pro Nenê que vive péssima fase (Shaylon?)?

      Tudo que esse time não tem é reservas à altura. Os supostos reservas à altura são um bando de guri que tem muita grife e não provaram nenhum futebol até agora. Nunca vi Brenner jogar bola, nunca vi Shaylon jogar bola, vamos ver o Helinho e o Anthony se seguem caminhos diferentes, até agora essa nova geração de cotia tem se mostrado fraquinha. Não dá para ter essa meninada como soluções.

      Faltou peças para esse time, não foi a toa que o Everton saiu e o time morreu, não tinha ninguém para manter o ritmo.

      • Boa CARLOS, seu comentário se encaixa perfeitamente no meu ponto de vista. Os garotos, nas vezes em que foram utilizados, não mostraram qualidade suficiente para sustenta-los como titulares. Nosso elenco é fraco… e se chegamos onde estamos, foi porque o “medroso” Aguirre sob avaliar as limitações do elenco e definiu um padrão de jogo com base na qualidade existente, ou falta dela. Não era e não é possível jogar “no mano a mano” com Palmeiras, Flamengo, Grêmio e Internacional, time reconhecidamente melhores que os nossos, a começar pelo gol – todos eles tem dois bons goleiros e nós, nenhum.

        • É isso, caro Waldir. Não fico chorando a saída de ngm, mas o Aguirre foi injustiçado, tirou leite de pedra, tenho a convicção que se fosse o Dorival Jr. estaríamos do meio da tabela para baixo.

    • A perda do Militão, Régis, Everton e Rojas dificultaram muito o trabalho do Aguirre. São jogadores acima da media no nosso futebol e qualquer técnico sofreria com tais perdas. Realmente precisamos de uma basa técnica, com esquemas definidos, para, ao trocarmos de técnicos, esse esquema perpetuasse. Precisamos começar do zero, em um projeto, para daqui a 2 ou 3 anos termos um time competitivo. Saudades de Antonio Leme N. Galvão, Jaime Franco( ambos em 1980), Cilinho e Telê Santana, pois esses tinham projeto, sem esquecer de Marcelo Portugal Gouveia que projetou 2005 a 2008. O resto tem se tornado resto.

  8. O SPFC tinha um time mas não tinha elenco.
    O trabalho do Aguirre foi bom até quando precisou de reservas, que não mantiveram o mesmo nível dos titulares que já não era lá essas coisas.
    Nitidamente tinham 4 times mais encorpados que o SPFC , Palmeiras, Flamengo, Grêmio e Cruzeiro, e outros mais entrosados como o Internacional que tinha o time base e o treinador do ano passado, assim como o Galo e a escória que fracassaram ao longo do campeonato.
    Estamos aonde tínhamos condições de estar.

  9. Limite, fomos longe demais, a Libertadores e mesmo um premio mesmo que nao seja direta. Um premio sim, vendemos atletas durante o transcurso do campeonato e a reposicao foi de baixo nivel sem contar que o treinador nao tinha substitutos a altura pois o banco era na sua maioria de garotos e refugos. Entao tinhamos um plantel montado apenas para ser coadjuvante, nunca protagonista, a meta era nao cair. Nao e mesmo sr fan do assassino che da vara. Vai cuidar da sua ong, deixe nos em paz.

  10. Eu vejo muita gente aqui reclamando a contratação de vários jogadores isso ou aquilo como determinante para uma melhor temporada 2019.
    Eu, particularmente, não encontro, no mercado, esses jogadores diferenciados capazes de, com certo grau de certeza, fazer a tal temporada perfeita.
    Vejam o Flamengo, que contratou todos os jogadores que muitos, aqui, queriam ver no nosso time e que corre o risco de acabar até em pior classificação que o Inter, recém subido da segundona; longe do campeão e decepcionando a torcida.
    Quando o S.Paulo, a preço ridículo (ao menos cinco vezes o do mercado que estava sendo discutido entre o Sport e o Flu) contratou o Diego Souza, foram só foguetes de comemoração nas redes são-paulinas. O tal Éverton Felipe, minha nossa! – mas “era disputado por Flamengo e Cruzeiro, na pura lorota de vendedor”-
    também festejado como o “par” perfeito para jogar com o Diego; e vimos no que deu.
    Então, o que me parece difícil para quem reclama entender, é que não existe possibilidade de compras certeiras: pode-se comprar um nome com um bom passado que, infelizmente, não é garantia de um bom futuro.
    Quem teria os cinco bons jogadores para nossas posições com maiores deficiências que estariam interessados em jogar no S.Paulo, ganhar o que o S.Paulo pode pagar e que o clube tivesse condições financeiras de tirá-los de seus clubes?
    Assim, continuo defendendo a utilização da base e, lógico que, se possível, alguma contratação para titularidade no time, mas com o técnico certo: um técnico que seja capaz de montar um time com um plantel existente e disputar, honestamente, os títulos dos campeonatos que disputar.
    O técnico pode ser o Jardine? Pode! Desde que lhe sejam dadas segurança, autoridade e paz para trabalhar um bom tempo antes que lhe sejam cobrados resultados.
    Agora … contratar 4 ou 5 jogadores para entrar jogando e resolver os títulos que queremos … não acredito. Se contratarem um bom goleiro já vai estar de bom tamanho!!!

  11. Concordo integralmente com os bons comentários de João e Carlos.
    1) Aguirre levou o time ao limite. É um bom técnico. Quando perdeu Everton e Militão, e depois Rojas, ficou com um elenco capenga, incapaz de agredir;
    2) Precisamos de cinco reforços de peso, nas posições apontadas pelo Carlos. Ou se contrata jogador bom, ou ficamos pra trás. Futebol tem lógica.
    3) Não acho Jardine pronto e não vejo na base nenhum fenômeno despontando. Sou cada vez mais cético sobre Cotia. A base, hoje, é mais uma unidade de negócios independente do que uma fonte de recursos para o time. Subiu, vendeu.

  12. Estamos próximos do limite: mas ainda há tempo para a classificação entre os 4 classificados para os grupos da Libertadores.
    O “rodada da vida” da temporada, por incrível que pareça, vai ser a próxima, quando enfrentaremos o Vasco da Gama, no São Januário; o Flamengo e o Grêmio se enfrentarão no Maracanã e o Inter, no Beira Rio, o Atlético Mineiro, brigando pela sexta posição.
    Se o Jardine for feliz nas suas escolhas para colocar em campo, o melhor jogo para haver um ganhador com certo favoritismo é o do S.Paulo. Não que vai ser fácil: não! O Vascão luta, desesperadamente, para fugir do rebaixamento e nisto reside grande parte de nosso favoritismo: é controlar o jogo por 20 ou 30 minutos e esperar os erros por desespero dos jogadores e torcida.
    Considerando o equilíbrio das demais partidas de interesse, caso terminem todas em empate, assumiríamos o quarto lugar com dois pontos de vantagem e colaríamos nos terceiro e segundo lugares, aumentando as chances de permanência no Z4 na última rodada.
    Será preciso um grande trabalho de treinador e diretoria de futebol junto aos jogadores para convencê-los sobre tudo isso: para que entrem concentrados ao máximo para evitar erros individuais infantís, já que, na Libertadores, mesmo que indireto, já estamos, enquanto no Vasco o grau da luta é muito pesado e emocionalmente precária. Depois é chegar na última partida contra o Chapecoence, que tem sido “pedra na chuteira” do tricolor, e decidir em campo com alguma vantagem, quem sabe.
    Com todos os acertos e os erros cometidos, acho que, se terminarmos assim, estará de bom tamanho o desempenho desta temporada…

  13. O elenco é acima da média (pro brasileirão) na zaga e na volancia, nada espetacular, mas acima da média do brasileirão. Na lateral está ok, na média.

    O problema começa agora, o ataque, esse time é fraquíssimo no ataque. Quem carregou o São Paulo não foi Aguirre, Raí, ou qualquer outro fator, foi o Everton. Me lembro que de 13 gols o cara tinha participado de 11, quando ele saiu do time não coincidentemente fomos ladeira abaixo. E tem um grande problema, o São Paulo não pagou pelo Everton, à época muita gente especulou que o empresário dele estava usando o tricolor como ponte para uma negociação para a Europa, visto que a multa para times do exterior é muito mais alta que os 17 milhões que o empresário bancou, como o contrato nunca fui divulgado, fica a dúvida se tem uma cláusula que anule o contrato em caso de oferta do exterior. Que o Everton não saia, se sair estamos num mato sem cachorro.

    Não precisa reforçar zaga ou volância, só o ataque, e um lateral direito tbm. Se vier um meia para disputar a vaga com o Nenê é muito bem vindo também.

    5 contratações do nível do São Paulo é o que precisamos. 2 pontas, 1 centroavante, 1 meia e 1 lateral direito. Goleiro pode manter o Jean mesmo. Claro que não vai dar para contratar 5 ou pelo menos 4 reforços de peso, então vamos ver o que chegará para 2019, eu não estou muito animado, esse nosso elenco não creio que passe das oitavas da libertadores, com muita sorte e empenho talvez as quartas.

  14. Boa noite tricolores!!
    Quando o Aguirre foi contratado muitos aqui disseram, acertadamente, que era técnico com prazo de validade, o que infelizmente se comprovou, creio que disputamos com 3 ou 4 clubes com elencos melhores, com mais qualidade e com reposição à altura dos titulares, e com melhores goleiros não posso esquecer, os outros 15 não têm elencos mais qualificados então, seguindo esse raciocínio, estamos onde devemos estar, é aí que entra o treinador enquanto conseguiu extrair o máximo do elenco obteve êxito e foi além da expectativa mas, perdeu alguns atletas, o que também é esperado, e não conseguiu encontrar alternativas e com isso, parece-me, desestimulou os comandados, gerou descontentamentos e perdeu o comando, então, apesar do elenco ser limitado, poderíamos sim ir além de onde estamos, porém lembro que só estávamos disputando um campeonato, concluo dizendo que precisamos qualificar o elenco para o ano vindouro se quisermos disputar mais do que 1 campeonato ou iremos mais uma vez ser coadjuvantes.

  15. De onde viemos…estou super feliz aonde chegamos… Foi o que deu, não adianta chorarmos e prevermos como teria sido de um jeito ou de outro. Tivemos uma ilusão de campeão? Sim, mas a realidade veio a tona… Tomara que a diretoria pense bem para 2019 e veja que mesmo sendo limitados, fomos bem longe e que com algumas peças ajustadas, chegaremos lá. Lá aonde? Onde sempre estivemos.

  16. Pra mim já foi muito além do possível. Dou créditos ao Aguirre por ter achado uma forma de ganhar tantos pontos, mas ficou evidente sua limitação (como era esperado) quando os demais clubes foram encontrando formas de parar o São Paulo. Faltou repertório exatamente da mesma forma como foi no Inter e no Atlético, isso mostra que o uruguaio não evoluiu na carreira, mostra que quem contrata treinador no São Paulo não leva em conta esse “detalhe”, e pra variar o clube foi refém da incapacidade de seus diretores.

    Quanto a vaga na Libertadores, tanto faz. A menos que o Jardine consiga uma produção acima do esperado desse elenco zuado, igual foi com o Aguirre, pelo nosso histórico recente contra times sulamericanos bizarros em mata-mata, não dá pra esperar nada.

    Minha esperança está para depois que o Leco sair da presidência.

  17. Desde o início lutamos para ficar no máximo em terceiro porque temos elenco inferior a Flamengo e Palmeiras . Grêmio só está melhor porque tem mais conjunto , nosso elenco está no mesmo nível, só que formado há menos tempo . Enquanto suamos pra contratar um Everton o Palmeiras vai e trás Ricardo Goulart , Zé Rafael , o centroavante do Ceará e muitos outros .

  18. Se não fossem os acertos do Aguirre, esse time nas mãos do Dorival, DUVIDO que hoje estaria em quinto lugar.

    Aguirre não é o técnico dos meus sonhos, mas acertou e chegou no limite do elenco. O time estava bem ajustado com Militão e Everton voando, Nenê e Reinaldo jogando bem, e Diego Souza no sono de sempre.

    Quando saiu Militão, o Everton Machucou, a coisa desandou, reinaldo caiu de produção, Nenê a mesma coisa.

    Aguirre errou em vários jogos, mas no geral o saldo é superavitário.

    Palmeiras, Grêmio, Flamengo e Cruzeiro estavam jogando três competições, e levando o brasileiro nas coxas, o que contribuiu para esta quinta colocação.

    No geral, a junção elenco/técnico, chegou mais longe do que podia.

    2019 não há espaço para apostas, se quiser ganhar a libertadores o elenco precisa ser muuuito bem reforçado, em quantidade e qualidade, do contrário, veremos os rivais comemorando mais títulos, e o São Paulo na fila.

    • João, por incrível que pareça, concordo muito com seu comentário.
      Também acho que o Aguirre foi muito bem, e foi responsável direto por ter encontrado um time para a primeira parte do campeonato. Não que discorde com o fato de que as saídas do Militão e do Éverton tiveram seu peso na derrocada do segundo turno. Entretanto, acho que o comportamento do Aguirre após tanto sucesso, contribuiu para a perda de confiança junto ao elenco. O Bruno Peres, muito valorizado na contratação, se mostrou muito menor que o Militão, mas não teria pesado tanto, caso os outros setores do time continuasse bem. No caso do Everton, o que ocorreu, sempre a meu ver, foi os seguidos erros do treinador em ficar improvisando jogadores e, com isto, fragilizando dois setores, porque o jogador improvisado não contribuía a contento e seu setor se fragilizava devido à diferença técnica do substituto. Desde a primeira ausência do ponta, o Aguirre deveria ter escolhido um reserva do setor com características semelhantes ao Éverton e apostado nele: tenho certeza de que os resultados teriam sido bem melhores.
      Outra coisa que pesou contra o Aguirre foi o fato dele ter demorado para tirar o Nenê, até como forma de poupá-lo, e insistir em demasia com o Diego Souza, que também o Jardine parece ir na mesma direção.
      Abraços!

    • João… 100% de razão para você. Quando analisamos o time, deixamos sempre para o segundo plano, aquilo que dispomos no banco de reservas, e é aí que mora o problema. Assim como você, penso que o Aguirre extraiu o máximo do “time”. Enquanto contou com 12 ou 13 jogadores de nível, logrou obter bons resultados. Os números estão disponíveis para serem conferidos. Quando Aguirre perdeu o Militão, um ótimo defensor, perdeu o Everton e o João Rojas, quando o Nenê virou o “fio”, afinal, manter intensidade aos 37 anos é quase impossível, faltaram alternativas que pudessem sustentar o nível. Um campeonato longo, exige, pelo menos, 2 bons jogadores por posição. Não precisa serem craques, mas tem que ser bons jogadores e não “promessas”, “jóias” da base, que ainda precisarão de muita maturação para se candidatarem a “bons” jogadores. Continuamos carentes nas beiradas, posto que o Everton é uma ótima alternativa, mas tem um histórico de muitas contusões. João Rojas operou o joelho. Só Deus Sabe como vai retornar. Além deles o Reinaldo continuo sendo um jogador apenas razoável e na direita… bem Bruno Perez é um engôdo, mais um, como foram Everton Felipe, Marcinho, Neilton, Ítalo , Morato, etc…

    • Verdade! Dorival Jr foi vice-campeão brasileiro e não estaria em quinto mas perto do primeiro lugar. Adeus Aguirre, não volte nunca mais!

  19. Esse elenco já foi montado em seu limite, seja pela idade avançada dos principais jogadores, seja pela limitação técnica, por exemplo quando se faz necessário que algum jogador faça algo diferente de sua função original ou não consegue cumprir ou não aceita cumprir, excessão feita ao Everton.

    A turminha da diretoria comandada pelo Nenê, especificamente Raí e Ricardo Rocha, não planejaram o elenco foram contratando pra dar resposta pra torcida pelas perdas de Hernanes e Pratto, ou seja, optaram por um elenco caro e envelhecido o que não permitiu grandes estratégias de variação e crescimento técnico e tático por isso acredito que se não mudar a estrutura, dispensando uns 5 ou 6 do elenco atual e contratando uns 3 jogadores chamados polivalentes e subir mais uns 3 da base realmente promissores não esses moleques ruins que só estão no profissional pra ser colocados na vitrine, nada vai mudar, iniciaremos 2019 já com um elenco em seu limite.

    O SPFC precisa mudar sua rotina de fracassos caracterizado na figura de Alexandre Pássaro, nesse caso específico alterando a escolha por atletas que é feito por ele e pelos empresários amigos, ou seja, incluindo uma comissão técnica preparada para escolha de jogadores junto de dirigente capazes, mas já sabemos que não acontecerá seja pela incompetência do Raí e seu amigo que desapareceu e pela atual comissão técnica que só está lá pra promover os meninos pra vender porque duvido que fique em 2019.

    SPFC só terá chance o dia que Leco desaparecer do SPFC, até lá enxugaremos gelo nos iludindo

  20. A meu ver, se não fossem os erros do Aguirre, poderíamos estar brigando pelo título. Ainda bem que diretoria teve a coragem de demiti-lo antes do final do campeonato, pra podermos ter alguma chance na briga pelo G4. Espero que não tenha sido tarde demais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*