Empate vitorioso

Realmente não era o cenário que projetamos nessa busca pelo título, afinal, na reta decisiva teremos que vencer os jogos dentro do Morumbi, principalmente contra as equipe da parte mediana da tabela. Mas vamos fazer um balanço de tudo que aconteceu pra que não conquistássemos os três pontos?

Tudo começou na semana passada, quando perdemos Nene, Jucilei, Arboleda e Everton, este último por lesão. O primeiro sinal de alerta estava ligado, mas felizmente, Aguirre teria tempo pra treinar uma alternativa.

Chegamos pra partida diante do Flu com a opção que havia funcionado no clássico Majestoso, Edimar entre os titulares e Reinaldo fazendo a função de Everton. As outras alterações foram mais óbvias e frequentes, Shaylon na vaga de Nene, Liziero substituindo Jucilei e o bom Bruno Alves no lugar do Arboleda.

Só não contávamos com a expulsão de Diego Souza ainda no primeiro tempo, chegando assim, ao fato que mais me gerou indignação no final de semana. Concordo que o Diego não foi proteger a bola, mas também não agrediu o adversário, bastava um cartão amarelo e ponto. E pasmem, esse foi o primeiro cartão recebido por nosso atacante em toda competição. Mas o que mais me desanima é ver um cara receber um encostão mais brusco no peito e cair no gramado com a mão no rosto, como se tivesse recebido uma cotovelada criminosa. A mentira está enraizada no ser humano, o “querer levar vantagem em tudo” faz parte da nossa sociedade. Lamentável!

Voltando para o futebol, depois tivemos que superar mais um “Momento Sidão”. Sou a favor de registrar o gol contra para o dono da lambança. Anderson Martins até poderia ter mais cuidado, principalmente, porque atrás dele tinha o Sr. Sido, mas pra onde nosso goleiro achou que estava indo?

Diante de tantas adversidades pra se ganhar uma partida em casa, o gol de Tréllez na raça e os tropeços de Internacional e Flamengo, salvaram a rodada e o empate foi vitorioso. Se o termo da moda no futebol é o “saber sofrer”, acho que superamos mais um degrau.  O jeito agora é o melhor visitante recuperar os pontos fora de casa e cantar de galo amanhã no Horto.

 

***Apresentador do programa esportivo Garotinhos F.C. da Rádio Metropolitana de Mogi das Cruzes(SP), Fred Rezende iniciou na emissora mogiana em fevereiro de 2015, quando criou o projeto em homenagem ao locutor Osmar Santos, “Pai da Matéria” e padrinho do programa. Também faz parte do quadro “Resenha” do Esporte D na TV Diário, afiliada da Rede Globo no Alto Tietê, onde faz aparições falando sobre o São Paulo Futebol Clube, usando sempre uma abordagem divertida e bem humorada.

4 comentários em “Empate vitorioso

  1. A reflexão foi boa mas acho que todo time começa por um bom goleiro ou que pelo menos passe confiança. Isso o São Paulo não tem no momento entramos em uma faze onde o que menos errar vai levar o brasileirão e a palavra errar e Sidão estão andando juntas no momento.

  2. Boa reflexão Fredão!
    Mas vou deixar uma pérola:
    Meus amiguinhos do perfume rubro negro, fizeram pouco caso da saída do Everton do Flamengo para o São Paulo, possivelmente dor de cotovelo, que me parece ser crônica, mas o fato é que o “motorzinho” do time fez falta para eles.
    Será que o São Paulo tem algum jogador substituto que ao mesmo tempo que ajuda muito na marcação, faz também o apoio ao ataque como poucos!?
    Na minha opinião ele fundamental para o São Paulo. Que volte rápido!

    • Isso é próprio da torcida deles! Mas o que importa foi que o Everton decidiu o seu futuro baseado em chances reais de ser reconhecido como jogador de futebol, e veio ser feliz no soberano!!! Se fosse por dinheiro tinha ficado por lá mesmo.

  3. O Roger seria o Everton ???
    Neste jogo contra o fluminense, onde tudo se mostrava que seria um jogo passível de uma derrota com todas as adversidades que foram aparecendo durante a partida, não é que mais uma vez o nosso técnico tirou um coelho da cartola do qual as suas substituições empataram o jogo e modificaram o panorama da partida.
    Ainda bem que temos técnico e não a torcida escalando o time, até pq muitos torcedores torciam o nariz para o Trelles e queriam Lucas Fernandes, Shaylon ou “qualquer um” da base para o lugar do colombiano que além de mostrar vontade e muita raça, não se abateu com as críticas em forma de “fogo amigo” , mostrou humildade e vontade de permanecer no SPFC, diferente de muitas crias da base que querem a todo custo deixar o SPFC na mão, tal qual Militão e outros da base fizeram, fazem e vão fazer ainda.
    Seremos campeões com o Sidão no gol, esse será o goleiro do hepta , certamente nos concedendo fortes emoções.
    Vamos SPFC !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*