Diego Aguirre

Mais um tema para debate: Diego Aguirre. Até outro dia um gênio, que conseguiu levar o time medíocre que temos para a liderança do Brasileiro e tinha que ter seu contrato renovado com urgência. Agora um gênio, só que do mal, que vai deixar o São Paulo fora da Libertadores e deve ser demitido o quanto antes. O debate está aberto.

40 comentários em “Diego Aguirre

  1. NUNCA achei o Aguirre um gênio, SEMPRE comentei que ele
    era um técnico mediano, e continuo achando isso.
    Conseguiu alguns ÓTIMOS resultados, mas sempre com um futebol longe de ser empolgante.
    Um técnico ” arroz com feijão ” , praticando um futebol honesto,
    reativo e sem muita criatividade .
    Igual a vários : Abelão, Felipão, Dunga, Hellmann, Ventura .
    Óbvio que não vale a pena trocar 6 por meia dúzia.
    Só trocaria de técnico se fosse por alguém que realmente
    fizesse a diferença e que conseguisse fazer o time praticar um
    bom futebol , como : Renato, Mano ou principalmente o OSÓRIO !

  2. Se temos um presidente, melancólico e incompetente, que vai na mídia e diz abertamente, sem pensar aliás: “Que o técnico fica conforme o resultado final”, dá o tom da saída inevitável. Sr Leco errando mais uma vez! Cala a boca Magda!

  3. Não tem almoço grátis!
    Defendo que um bom técnico tem que fazer um bom trabalho com o elenco que lhe é dado, já que ele não pode contratar 11 craques para formar seu time.
    É assim que o Renato fez e continua fazendo no Grêmio.
    Como bem lembrou o Sergio Marques em comentário anterior, o time do Grêmio joga com Cortez, Maicon e Cícero, todos refugos do tricolor que, inclusive, teve que pagar metade (ou mais) dos salários para poder se livrar de alguns deles.
    Só que o Renato está sabendo utilizar todo o elenco do clube. Perdeu bons jogadores, por vendas e contusões, e, mesmo assim, quem entra está dando conta do recado – ele não tem medo de se utilizar da base gremista e dá confiança aos jovens que entram.
    Defendo, também, que o clube caminhe para uma das seguintes opções:
    Primeira – Que escolha qual é o treinador que melhor coadune com a motivação de seus torcedores e diretoria;
    que o contrate e torne público que ele será o responsável pela montagem de uma equipe com a qual ele deverá trabalhar por longo tempo para que, inclusive, faça as trocas de jogadores que não vingarem segundo sua expectativa, e independentemente dos resultados de sua primeira temporada; ou
    Segunda – vá trocando de treinador constantemente até que encontre aquele que venha a corresponder trabalhando com o elenco que lhe é dado.
    Devido ao custo financeiro de grandes contratações e à falta de profissionais que aceitem correr riscos (tipo formar um time com os jogadores da base mesclados por alguns “medalhões”), acredito que a segunda opção é a que deva vigorar, apesar de, particularmente, preferir a primeira!!!

  4. Aguirre eh daqueles técnicos que passa e não ganha nada, até começa a fazer um bom trabalho mas depois desmorona e o SPFC nesse momento de fila de títulos, não pode trazer apostas, já tinha dito isso antes quando o Raí demitiu o Dorival Júnior, mas o dirigente trouxe seu amiguinho sei lá por qual motivo, mas errou!!!
    O SPFC precisa de um técnico consagrado que não tenha dúvidas da sua competência, tipo Abel Braga, Mano Menezes, Cuca, Luxemburgo, esses sim chegariam com bagagem pra nos tirar da fila.
    Mas não essa diretoria erra a mais de 10 anos e vai continuar insistindo no erro.
    Não precisa só trocar de técnico, precisa trocar essa política doentia que se instalou com o Juvenal e se mantém com sua corja que ainda está no poder. Enquanto não trocar essa diretoria, vamos continuar patinando!

  5. Para aqueles que defendem o treinador baseado nas limitações de nosso elenco lembro que o Gremio está muito perto da final da Libertadores jogando com Cortez, Cicero e Maicon.

        • Sim, ele ganhou a Copa do Brasil.
          Mas ele recebeu um time bem treinado pelo Roger. Que em 2015 tinha terminado em 3o no brasileiro. Alias o Roger saiu com 65% de aproveitamento.

          O Aguirre recebeu o SP quase rebaixado no Brasileirão do ano anterior e quase rebaixado no paulista desse ano. E está em 4o lugar, tendo liderado o campeonato por algumas rosadas.

          Se vc acha que o elenco não é um problema, e não precisamos de contratações… blz…

  6. Ao longo dos anos a mudança de técnico a curto prazo se mostrou ineficiente e amadora. Penso que o Aguirre está fazendo um bom trabalho levando em conta o atual elenco, confesso que de inicio não depositei confiança nele. um eventual titulo nacional não passou de uma mera ilusão.
    Para 2019 temos que manter a comissão técnica e fortalecer o elenco, sem banco de reservas vai ser IMPOSSIVEl ganhar algum titulo. Precisamos urgentemente de um goleiro.
    #ficaAguirre

    • É exatamente o que eu penso, não dá mais ficar dispensando técnico todo ano, reforcemos o elenco e vamos dar continuidade ao trabalho que já vem sendo realizado.

  7. Acho que no SPFC tem que manter o técnico Diego Aguirre pelo bom trabalho que executou no Brasileiro, apesar dos resultados infelizes nessa reta final.
    O foco deve ser a qualidade dos reforços a serem contratados para a temporada de 2019, afinal o nosso elenco é o mais fraco em comparação aos três primeiros da tabela, sem contar Cruzeiro e Grêmio. Não acho que Abel ou outro técnico com ESSE MESMO elenco teria um resultado diferente, até mesmo pelo resultados deles anteriores em outros clubes também com elencos deficitários.
    Quanto aos comentários que vi sobre a mudança de técnico dando como exemplo as pepas acho fora da realidade. Quando tivermos um banco como as pepas possuem podemos até trazer Rogério Ceni de volta do seu aprendizado, ou mesmo André Jardine, que esse time vai render muito, ou seja, precisamos de um elenco com um banco de reservas que minimamente resolva quando precisar. Infelizmente o time está muito tempo sem ganhar títulos por incompetência de várias gestões, e não vai ser um técnico com elenco reduzido que vai fazer uma mágica para reverter essa situação.

    • Thal Caló: o mesmo elenco do parmera, nas mãos do Roger, era time de metade da tabela. Dispensaram o cara e contrataram um treinador que até me parece um pouco ultrapassado, e veja só no que deu. Então amigo, não é só elenco. É preciso saber trabalhar com o elenco que se tem à mão. O Fluminense tem um elenco muito pior que o S.Paulo; o Furacão, idem; o Bahia, nem se fala; e os três estão lutando por um ótimo título ainda neste ano.
      Abraços!

      • A comparação do parmera com o sp é a mesma.
        Com DJ estaríamos brigando pra não cair de novo.
        Com o Aguirre estamos lutando no G4.

        2 técnicos, mesmo elenco, resultados diferentes.

        Quanto a Sul-americana, poderíamos estar na disputa ainda mas eu acho que houve uma pressão interna pra priorizar o brasileiro…

        • Com o Dorival Jr, o S.Paulo fez a melhor campanha, ou uma das melhores, do segundo turno da temporada passada. Foi o que nos livrou da segundona para onde o Rogério Ceni, o tal Mito, vinha nos encaminhando!!!

    • Exatamente… sem plantel não tem como ganhar um título…
      Tem que acertar esse processo de contratação e manter todos os titulares. Contratados chegam para disputar e ganhar a posição, só assim o time vai ficar competitivo. Exceto no Gol que a situação é critica! Precisamos de um titular pra ontem!

  8. Me preocupa muito mais a ideia de repetir os mesmos erros na espera de um resultado diferente. Aguirre chegou no momento certo e arrumou as bobagens de contratações de impacto pra acalmar o momento político e a torcida que via revelações sairem pelo ralo com seus empresários que ninguém consegue explicar porque ainda mandam em Cotia e claro, o trabalho pífio do Dorival Jr.

    Ao mesmo tempo que Aguirre trabalhava para arrumar as besteiras, a própria diretoria ajudou corrigindo as próprias besteiras que fez como a contratação do Everton e Bruno Alves mas parou na limitação financeira e do mercado que não tinha grandes opções para realizar o trabalho.

    Una-se a isso tudo, as lesões, os erros do próprio Aguirre e a limitação física e técnica dos jogadores velhos e extremamente incompetentes pra função como a dos goleiros que prejudicaram toda essa ascensão e possibilidade de títulos.

    Por fim, pra definir se o Aguirre fique ou não temos que remontar a história, promessa e expectativas do time e torcida pra saber se Aguirre deve ou não ficar. Aguirre prometeu que lutaríamos pelas primeiras posições dizia que queria ficar sempre perto dos líderes pra quem sabe no final do campeonato conseguir algo muito bom, as coisas se inverteram e chegamos ao topo no 1o turno e agora caímos. Já a torcida, esperava lutar pra não cair novamente já o time e suas lideranças, esperava terminar a carreira bem, ou seja, tudo dentro do esperado.

    Cabe agora a diretoria saber se quer avançar em algo maior ou se já começará a campanha pra presidente e repetir as mesmas atitudes desde 2009, contratações bombásticas gastando muito com pouco ou nenhum critério, troca incessante de técnicos pra satisfazer a organizada e grupo político e por aí vai.

    O fato é, tem de trocar de grupo que preside o clube e inserir uma nova mentalidade, Raí e RR entre erros e acertos são honestos e trabalhadores e merecem ficar pelo menos mais dois anos) já técnico se manter as mesmas estruturas, tanto faz quem fique, sai ou entre.

    Abraço a todos e todas

  9. Considero que o primeiro turno foi facilitado, principalmente pelo fato de times mais fortes estarem envolvidos em outras competições e todos ainda sem preocupação com posicionamento na tabela.
    Já no segundo turno a coisa mudou, então as limitações do elenco se fizeram presentes, o esquema de jogo se manteve, mas as peças já não foram as mesmas, principalmente o Militão, que a meu ver fez muita falta, assim como o Everton.
    Basta um planejamento bem feito para recomposição do elenco e as coisas entrarão nos trilhos, confio na classificação para a Libertadores e um 2019 melhor que 2018 assim como 2018 foi melhor que 2017.

    • Bom dia Fernandes!
      Quero antes concordar com você que as limitações do elenco prejudicam demais a nossa equipe, mas vou discordar quando diz que que no primeiro turno os times mais fortes estavam envolvidos em outros torneios, o que tem a ver os outros se nós perdemos pontos para os times que não estão disputando nada como: Paraná, Fluminense, América MG, Botafogo, Atl. Paranaense só para esses foram 10 pontos que se não tivéssemos perdido ainda seríamos líder, derrotas para times fortes não fazem diferença o que elimina qualquer chance de título é perder pontos para times que nada disputam, na sexta teremos o Vitória pela frente, qual o resultado deste jogo se no segundo turno vitória e São Paulo não combinam.

      • Boa tarde Gelson Sena.
        Somente quis demonstrar o quão difícil se tornou o segundo turno, com os adversários lutando por classificação ou para não cair, em função do elenco que não conseguiu dar sustentação principalmente a algumas ausências, que a meu ver tiveram boa participação no primeiro turno.
        Quanto aos resultados não há dúvida que o quadro hoje seria diferente, mas para tanto, penso que o elenco também o deveria ser.
        Obrigado por suas observações.
        Abraço.

  10. Boa noite tricolores!
    Acredito que substituir o treinador a cada temporada não é bom mas existem casos que não é possível mantê-lo, na verdade não consigo fazer uma avaliação perfeita, confesso, porque pelo elenco que temos não dá para exigir muito e verdadeiramente não sei se a situação atual decorre mais pela qualidade do técnico ou do elenco vejam os resultados do Flamengo com o DJ. O que depõe contra o treinador, na minha opinião, são as escalações e substituições confusas, vou fazer uma analogia, parece um plano do coyote para pegar o papa-léguas, cheio de improvisos, não faz o simples, e, tendo semanas livres para trabalhar não apresenta nenhuma evolução, então, com sentimento de poder estar muito errado, eu peço a saída do Aguirre e quem sabe a contratação do Abelão mas atrelado à contratação de pelo menos uns 5 nomes que venham não para compor mas sim para somar.

  11. O que mais incomoda no Aguirre ter perdido a liderança e caído pra 4° lugar , ou a mentalidade dele sobre futebol?? , sempre jogando atrás da linha da bola , dando a posse de bola pro adversário , na tentativa de jogar no contra ataque e fazer 1 a 0 pra segurar o resultado.

    São Paulo mal troca passes durante uma partida , e pouquíssimo chuta em gol , Não quero esta mentalidade pra 2019.

    • Concordo com você, a mentalidade de jogo é o que devemos focar na questão do técnico. O aguirre não tem demonstrado uma mentalidade ousada que busca a vitória, isso demonstrado nas escalações, ele sistematicamente tem escalado errado ou demonstrado mais covardia do que ousadia. Essa é minha ressalva ao seu trabalho. Pontualmente poderia ter testado nas ocasiões de desfalques meninos como Helinho, ou o Proprio Igor Gomes, talvez até jogando com o Nenê.

    • A culpa do Aguirre é parcial… sem os jogadores certos não da pra montar um time que toca a bola. Se quisesse montar um time com posse de bola varios jogadores teriam que sair e serem trocados, só do time titular sairiam: Hudson, Arboleda, Jucilei, Bruno Alves, Reinaldo… não consigo ver eles jogando em um time que fica com a bola como o Grêmio.

  12. Boa noite amigos.

    O que me incomoda não é nem ter perdido a liderança , no fundo era impossível pensar em título com este elenco limitado , nem me incomoda tanto de 1° ter caído para 4° lugar , o que me incomoda é a mentalidade e a forma como Diego Aguirre vê futebol , sempre na retranca , esperando o adversário , o time mal tem posse de bola , é inaceitável dentro do Morumbi o São Paulo ter 33% de posse de bola ,e o adversário 67% como foi no último sabado , sempre jogando por 1 bola pra tentar o 1 a 0 e segurar o resultado , não quero esta mentalidade em 2019 , por tanto sou a favor da troca de técnico , São Paulo pode não ter um bom elenco , mais é inaceitável a forma como o time joga .

  13. O que estão fazendo os outros 14 ou 15 jogadores que o S.Paulo paga para ter em seu elenco? Com tantos garotos “voando” na base o trenero prefere o Edmar, vejam bem, o Edmar, com todo respeito a ele, mas que não poderia estar jogando no S.Paulo. Reinaldo e Helinho (ou Toró ou Antony) seria pior que Edmar e Reinaldo jogando pela esquerda?
    Faltou foi coragem ao Aguirre de colocar um dos meninos no lugar do Éverton. Um escolhido até poderia não ir bem num primeiro ou segundo jogo; mas a quantos jogos temos assistido aos horrores da improvisação?
    O medo do Aguirre levou o time a perder pontos preciosos em casa! Não dá para ter outro Bauza na Libertadores (se é que classifiquemos)…

    • “Voar” na base não significa muita coisa…

      O trabalho com a base está sendo feito… o Aguirre lançou o Liziero (já é uma realidade no elenco), Luan (promete), testou muito o Shaylon e Lucas Fernandes (esse não so voou como destruiu no sub21), Araruna que já estava no elenco no ano passado. Acho que se algum deles tivesse capacidade para jogar no profissional ele já tinha colocado, não ia ficar sofrendo a toa com o Edimar…

      • Concordo com você Marcelo… a malha da passagem da base para o profissional é muito final, restritiva mesmo. De uma fornada de 20 jogadores, ano a ano, o que se aproveita é um ou dois, no máximo, qual seja, 10%. O restante do plantel tem que ser formado por jogadores adquiridos já prontos para suportarem o peso da camisa.

      • Enquanto o Jardine era ouvido, o Aguirre utilizou alguns jogadores da base. Alguns deram certo e deverão evoluir muito; outros, como o Lucas Fernandes e o Shaylon, não acredito: são muito sonolentos. Mas quando o Aguirre tinha que resolver um grande problema que era a falta do Éverton, ele só deu cabeçada! Em nenhum momento sinalizou a utilização de algum menino da base para jogar em velocidade, como o Éverton, pelo lado do Campo; e ele tinha, pelo menos uns 4 bons jogadores com essa característica, um deles, inclusive, goleador. O que ele fez? Agarrado ao seu jeito retranqueiro preferiu improvisar o improvisável e, mesmo vendo o time ir se acabando, permaneceu no erro em busca de resultados diferentes!!!

        • Se ele continuasse escutando o Jardine, o Lucas Fernandes não teria sido emprestado. E talvez jogando 5 ou 6 jogos seguidos na vaga do Everton o time pudesse deslanchar. A verdade é que não é só o jogador que precisa jogar bem, os outros precisam entender como esse novo jogador pensa para jogarem bem com ele também.

          Agora os outros meninos da base, sinceramente precisam mostrar muita pra dizer se são bons. O Lucas F foi o melhor jogador do sub20 por dois anos seguidos em um time que tinha Neres e Luís Araújo.

  14. Aguirre tem que ficar.
    O SP hoje tem uma base para o elenco de 2019.
    E ele melhor do que ninguém conhece os jogadores e sabe as carências do elenco. Se ele improvisou é porque o jogador reserva não apresentou condições e isso é um sinal claro para a Diretoria de quais os reforços que precisamos.

    Manter a base é o principal. Mas faria as seguinte contratacoes em ordem de prioridade.
    1. Diego Alves
    2. Hernanes

    Mais dois pontas um esquerdo e um direito.

    Dessa forma teríamos um time competitivo para o ano que vem.

    Se possível… Calleri… seria o diferencial para disputar os mata matas.

  15. Creio que devemos terminar o ano, torcendo para ao menos ficar entre os quatro, e a diretoria sem alarde, definir o perfil para o próximo ano de técnico e de estilo de jogo do time, e eu creio realmente que talvez o Abel Braga seja um bom nome pra finalmente vir ao São Paulo. E focar em trazer novos titulares para que os atuais façam parte de um elenco mais forte pra temporada. Reforçando Gol, Zaga, Armação, laterais e ataque.

    • … ou seja, meu caro Paulo, temos que reforçar todas as posições… o que prova minha tese. Sem ovos não se faz omelete e nem mesmo uma gemadinha fraca.

  16. Em minha opinião Aguirre dirige o time até o jogo contra a Chapecoense, dia 02/12, pela última rodada do Brasileiro. Independentemente do resultado, no dia 03/12 Raí deveria apresentar Abel Braga como o novo treinador do SPFC, com início imediato para trabalhar no planejamento detalhado de 2019.

    Aguirre cai não pelos equívocos na escolha dos (limitados) nomes disponíveis para escalação, mas pela covardia apresentada em todos os jogos do segundo turno, quando passou a posicionar a equipe de forma muito recuada e dar tranquilidade para nossos adversários jogarem sem pressão.

    O que aconteceu que gerou a diferença de atitude entre o time do segundo e do primeiro turno? Só quem está lá dentro sabe. Provavelmente nunca contarão.

    Obrigado ao Aguirre por sua contribuição ao SPFC.

  17. Foi o técnico certo, para o momento certo!
    O time vinha sem confiança há muito tempo, alternando bons com péssimos momentos. Bons, por exemplo, no segundo turno do campeonato passado. Péssimos, antes e depois, no início desta temporada.
    O Aguirre chegou e, humildemente, aceitou sugestões de profissionais que já trabalhavam no clube, tipo o Jardine, e usou sua especialidade (times bem armados defensivamente) para surpreender os adversários e a nós, torcedores. E deu certo. O time voltou a ganhar e, principalmente, a ter confiança. E foi aquela alegria total ( quem nunca comeu melado – ou há muito tempo sem provar dele, quando come se lambuza). E nós torcedores nos lambuzamos! Nós podíamos; treinador e jogadores não!
    Infelizmente, mais que os torcedores, os jogadores e treinador “se lambuzaram”: juras de amor eterno; promessas de aposentadoria no clube – claro que com melhora salarial e aumento no tempo de contrato; desprezo por renovação contratual, no caso o treinador, muito ciente de sua importância quanto, à época, possível conquista do título que viria.
    Depois de tanta “lambuzadas no melado” começaram as lambanças desse senhor: escanteamento do Jardine; proteção a jogadores que, visivelmente em queda de produção, não perdiam seus lugares de titulares; deslocamento de titulares para outras funções, em detrimento de eventuais reservas, com perdas dos profissionais deslocados, de suas funções, que eram feitas por jogador menos producente (perdendo em ambas as funções e perdendo o time todo); nenhum treinamento específico visando jogadas ensaiadas de ataque, como faltas, escanteios e saídas de bolas do goleiro.
    Hoje estamos como estávamos nos últimos dias com o Dorival Jr: sem confiança; perdendo em casa; jogando covardemente retrancados (pelo menos o DJ tentava por o time no ataque) com medo de tomar gols; e, principalmente, sem esperança de que isto possa mudar com o mesmo treinador.
    Este segundo turno escancarou que a capacidade de trabalho do Aguirre é muito limitada. Seu discurso serve bem para time de menor expressão ou que se encontra num momento ruim com um treinador com características diferentes das dele. Seu discurso de: sim, nós podemos!, associado a um “ferrolho” defensivo, pra quem 1 a 0 é goleada, serviu bem para tirar a equipe da mesmice mas é muito pouco para ser revigorado. Não tem solução para um time jogar no ataque e fazer muitos gols. Eu mesmo, aqui no Site, várias vezes cobrava mais gols, já que, nalguns momentos, a classificação dependia deles e, mesmo jogando contra times fracos, era sempre igual: marcava um gol e se encolhia para defender o resultado. Várias vezes deu certo e isto nos levou até a liderar o campeonato. Só que os outros treinadores se prepararam pra enfrentar esse time covarde e os resultados foram, pouco a pouco, sumindo e, agora, sumiu de vez!
    Por tudo isso, na minha modesta opinião, o S.Paulo demitiria imediatamente seu treinador; deixaria o Jardine “tocar” esse restante de campeonato; avaliaria a possibilidade de tê-lo à frente da equipe já no ano que vem e, mais uma vez, reiniciaria o processo, que infelizmente nos últimos anos é recorrente: montagem de um novo time. Desta vez, pelo menos, deveriam aproveitar as experiências anteriores e tentar montar um time menos imediatista, que pudesse continuar muito além de uma única temporada.
    FORA AGUIRRE!!!

  18. Vou nadar contra essa maré de críticas. Troca/troca de treineiro não leva à nada. Nunca levou…só serve mesmo para mascarar a falta de planejamento e de jogadores mais capacitados. Não se faz omelete sem ovos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*