Volpi vai se tornar o goleiro que mais atuou pós-Ceni e tem a melhor média

Quando os campeonatos forem retomados, Tiago Volpi certamente vai se tornar o goleiro que mais jogou pelo São Paulo depois da aposentadoria de Rogério Ceni, em 2015. Hoje, ele já pode se gabar por ser o que tem a menor média de gols sofridos em partidas oficiais após o adeus do ídolo.

Volpi já atuou em 69 jogos oficiais do São Paulo, o que o aproxima de Sidão (71 jogos) e Denis (75 jogos após a aposentadoria do Mito). Os outros atletas que defenderam a meta são-paulina de 2016 para cá foram Renan Ribeiro (32 jogos), Jean (19 jogos) e Lucas Perri (3 jogos).

Tiago Volpi sofreu 54 gols ao longo dessas 69 partidas, uma média de 0,78 gol/jogo. É a mesma média de Jean, que jogou menos:

Média de gols sofridos pelos goleiros pós-Ceni em competições oficiais (desde janeiro/2016):

Volpi: 0,78 – 69 jogos/54 gols
Jean: 0,78 – 19 jogos/15 gols
Denis: 1,00 – 75 jogos/75 gols
Sidão: 1,01 – 71 jogos/72 gols
Renan: 1,2 – 32 jogos/39 gols

Volpi ainda disputou duas partidas não oficiais, pela Florida Cup de 2019, quando revezou-se com Jean e jogou os primeiros 45 minutos do jogo contra o Eintracht Frankfurt (ALE) e os últimos 45 contra o Ajax (HOL).

Se a conta incluir partidas não oficiais, a melhor média passa a ser de Jean. Entram no levantamento um amistoso contra o Cerro Porteño, em 2016 (Denis jogou), e as participações do clube na Florida Cup (Denis, Sidão, Jean e Volpi foram escalados neste torneio).

Média de gols sofridos pelos goleiros pós-Ceni considerando amistoso e competições não-oficiais (desde janeiro/2016):

Jean: 0,76 – 21 jogos/16 gols
Volpi – 0,83 – 71 jogos/59 gols
Denis – 0,96 – 78 jogos/75 gols
Sidão – 0,98 – 73 jogos/72 gols
Renan – 1,2 – 32 jogos/39 gols

Volpi ficou fora de apenas três jogos desde que chegou ao São Paulo: contra São Bento (vitória por 1 a 0 pelo Paulistão de 2019, quando Jean jogou), contra o CSA (vitória por 2 a 1 pelo Brasileirão de 2019, quando Perri jogou) e contra o Santos (vitória por 2 a 1 pelo Paulistão de 2020, quando Perri jogou). Neste último, o camisa 1 já se recuperava da fratura na mão direita que o fez ser substituído por Perri durante a vitória por 3 a 0 sobre a LDU, pela Libertadores.

A pausa das competições devido ao coronavírus, aliás, impediu que ele desfalcasse o time por um período considerável. A previsão é de que ainda demore cerca de uma semana para que a fratura esteja consolidada.

 

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.