São Paulo tem contas desbloqueadas após entrar com pedido no TJ

O São Paulo conseguiu o desbloqueio de suas contas nesta sexta-feira após um pedido de efeito suspensivo de uma decisão da Justiça no final de outubro.

O clube teve suas contas bloqueadas no último dia 30 após o empresário Alexandre Flores Rollin, que tinha participação nos direitos econômicos do lateral-esquerdo Léo (quando a prática ainda era permitida pela Fifa) entrar com uma ação no Tribunal de Justiça de São Paulo devido a uma dívida de R$ 1 milhão que o São Paulo não pagou no prazo. A informação foi divulgada pelo Uol e confirmada pelo ge.

Na época da contratação do jogador junto ao Fluminense, no início de 2019, o São Paulo firmou um acordo com o empresário para o pagamento deste valor em cinco parcelas pela participação na negociação do atleta (R$ 200 mil cada uma – 10/02/19; 10/04/19; 10/06/10; 10/08/19 e 10/10/19). Nenhuma parcela foi paga.

O contrato foi assinado no dia 10 de janeiro de 2019 pelo presidente Leco, o diretor de futebol Raí, o diretor financeiro Elias Albarello e o gerente executivo Alexandre Pássaro.

O São Paulo alega que não realizou o pagamento pois o empresário Alexandre Flores Rollin solicitou que os valores fossem depositados em uma conta corrente particular com endereço do Uruguai. O clube afirma que não faz pagamentos em contas que não sejam jurídicas, ou seja, com CNPJ aberto.

Sem acordo entre as partes, Rollin entrou na Justiça para que as contas do São Paulo fossem bloqueadas. O pedido foi aceito.

O clube, então, enviou a solicitação de efeito suspensivo para que a decisão fosse revogada e ofereceu uma garantia bancária, através de uma carta de crédito, para liberar os valores.

Antes de entrar com a ação, os advogados do empresário propuseram um acordo ao São Paulo, mas o clube nunca respondeu positivamente aos pedidos. Alexandre Flores Rollin continua disposto a fazer o acordo com o clube, desde que os valores sejam cumpridos conforme o contrato.

O temor do São Paulo era de que as contas ficassem bloqueadas e houvesse atraso no pagamento de todos os funcionários do clube, realizados sempre no quinto dia útil do mês. Em setembro, por exemplo, a folha salarial registrou valor bruto de R$ 12.305.184,40.

+ Leia mais notícias do São Paulo

O clube passa por uma das mais graves crises financeiras de sua história. As dívidas no final do ano passado eram de mais de R$ 500 milhões. O déficit fechou em R$ 156 milhões.

O problema se agravou ainda mais com a pandemia do novo coronavírus. Com isso, o São Paulo precisou entrar em acordo com os atletas para o pagamento de luvas de 2020 apenas em 2021. Durante a paralisação do futebol no Brasil, os atletas tiveram o salário reduzido em 50%.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.