Muricy enaltece jogo coletivo e prevê dificuldade para alcançar o Cruzeiro

Há sete jogos sem perder no Campeonato Brasileiro, sete pontos atrás do líder Cruzeiro e terceiro colocado ao final do primeiro turno. Muricy Ramalho está satisfeito com o São Paulo que, após um início irregular, cresceu de rendimento e, neste domingo, venceu o Sport por 2 a 0, com gols de Ritchelly (contra) e Alexandre Pato. O treinador enalteceu o jogo coletivo de sua equipe.

– Todo mundo fala dos homens de frente, mas é preciso ressaltar aqueles que carregam o piano. O que Souza e Denilson estão jogando é algo impressionante. O pessoal atrás consertou a defesa. E esses quatro, que têm muita qualidade, entenderam e estão se comprometendo. O time está muito bem. Isso é importante, principalmente porque no ano passado a nossa realidade era lutar contra o rebaixamento – afirmou o treinador.

Na longa coletiva, Muricy falou sobre vários assuntos. Veja abaixo

JOGO COLETIVO

Quando se fala em quarteto, eu não tenho boas recordações. Todo mundo lembra o que aconteceu na seleção. Eles (Ganso, Pato, Kaká e Kardec) entenderam que precisam ajudar no combate. Acho que isso faz a diferença, todos estão se doando. Nosso ambiente é ótimo e tudo isso se reflete em campo. Sou técnico e torcedor e estou mais com eles do que com a minha família. Os jogadores compraram a ideia que nós apresentamos e o time, com isso, cresceu.

AMBIENTE

É a coisa mais importante num time do futebol. Quantos times a gente viu um monte de fera e que não se davam bem? Ninguém é dono de nada. Eles têm gosto de ficar juntos. Ficaram cinco dias preso essa semana. Se não tiver bom ambiente, não consegue ir para frente.

ALEXANDRE PATO

Ele mudou a maneira de pensar futebol. Explicamos que ele precisava ser mais competitivo. Os caras gostam muito dele. O que falta era uma participação maior. Tem arranque, bate duro, é inteligente. Está gostando de fazer o que está fazendo e isso é importante.

Muricy Ramalho, São Paulo X Sport (Foto: Marcos Ribolli)Muricy Ramalho, São Paulo X Sport (Foto: Marcos Ribolli)

CRUZEIRO E DIFERENÇA DE SETE PONTOS

É o melhor time do país porque se preparou para isso. No futebol, os times não se preparam. Muita gente no futebol é orgulhoso e isso atrapalha demais. A gente tem por a cabeça no lugar. Quanto à diferença, não podemos errar mais. Observando o Cruzeiro, eles erram muito pouco. Se a gente quiser ter alguma chance de se aproximar, não pode errar mais em casa e fazer a diferença fora, Mas volto a dizer, o Cruzeiro é o melhor time porque já encontrou seu caminho.

SEGUNDO TURNO

A verdade é que a Sul-Americana atrapalha. Nós não temos um plantel como o do Cruzeiro que permita jogar bem os dois torneios. Hoje já perdemos o Paulo Miranda e outros estão no limite. É impossível jogar na quinta à noite e manter o alto nível no domingo à tarde. A recuperação não é correta. Vamos lutar, mas não será fácil, não adianta pensar ao contrário.

LUIS FABIANO VOLTARÁ NA RESERVA?

Ele está voltando agora e estamos pouco a pouco fazendo treinamentos só para ele. Primeiro foi campo reduzido, depois fizemos um coletivo com o pessoal da base. Começam os confrontos. Ele não se protege mais, mas ainda não está pronto para jogar. Eu não tenho preferência por ninguém, joga quem estiver melhor. Eu fico com esses caras mais do que com a minha família e se não for justo, estou morto. Quem está bem fica. Do jeito que Pato e Kardec estão jogando, ele vai ter de ralar muito, embora todos aqui reconheçam a qualidade do Luis Fabiano.

CRESCIMENTO DO GANSO

Eu não provoco ninguém. Faço o que é melhor para o time. Naquele jogos que saiu, merecia sair. E depois voltou e voltou bem, permanece. Se continuar bem: Vai para seleção. É o jogador que escolhe o caminho. E até quem não é são-paulino está torcendo para ele voltar para a seleção. Por isso que eu insisto tanto.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.