Diniz, sobre saída de Pato: ‘Temos que trabalhar com quem quer ficar’

Fernando Diniz disse que não foi o responsável pela saída de Alexandre Pato do São Paulo, concretizada na última quarta-feira. Segundo o técnico, o jogador procurou a diretoria e pediu para rescindir o contrato após ser sacado do time.

– Eu não pedi o afastamento do Pato, simplesmente achei que tinham melhores jogadores para iniciar o campeonato, fiz uma mudança. Não ia mudar todo mundo, o time estava sendo elogiado antes da pandemia, então não ia tirar todos os jogadores por conta da maneira como a gente voltou. A gente foi trabalhando e achei adequado colocar um outro jogador. Acho que o Pato ficou insatisfeito e foi iniciativa dele pedir a rescisão contratual – disse o treinador, após o empate por 1 a 1 com o Bahia.

Pato foi o único titular a perder a vaga após a eliminação do São Paulo para o Mirassol no Campeonato Paulista. Diniz iniciou o Campeonato Brasileiro com Liziero em seu lugar e não voltou acioná-lo. Nos jogos contra Fortaleza e Vasco, o camisa 7 ficou no banco e não entrou. Nem a lesão de Vitor Bueno, vetado desses confrontos, mudou o cenário – o treinador escolheu o garoto Paulinho Boia para atuar.

Além de dizer que não causou a saída de Pato, Diniz emendou:

– Ao contrário, acho que fui bastante responsável pela melhora que o Pato teve no primeiro semestre. Desde quando ele chegou no São Paulo nessa volta, provavelmente foi o melhor momento dele, ajustou bastante.

O técnico do São Paulo disse que Everton e Anderson Martins, outros atletas que deixaram o clube nos últimos dias, também quiseram sair:

– A troca (de Everton por Luciano) aconteceu por iniciativa do próprio Everton, que quis sair, assim como o Pato, assim como o Anderson Martins. Os jogadores que estão no São Paulo, um time desse tamanho, e estão insatisfeitos, querem sair, eu acho que têm que sair mesmo. A gente tem que trabalhar com quem quer ficar, com quem quer melhorar, com quem quer trabalhar para fazer o time vencer nesse momento.

 

Fonte: Lance

2 comentários em “Diniz, sobre saída de Pato: ‘Temos que trabalhar com quem quer ficar’

  1. O plano pueril dessa fraude de treinador de futebol é “limar” as eventuais sombras. A próxima tentativa, já em fase de start, é se livrar do Hernanes, um ícone dos bons tempos do time. Na tentativa de impor suas teses rasas e jejunas sobre o futebol, ele vai precisar contar somente com os novilhos de Cotia. Garotos imaturos como Igor Gomes, Helinho, Paulinho Boia, Liziero, Gabriel Sara, Luan – já queimado por ele – são “presas” mais fáceis na justificativa do processo de fracasso. Afundaram as finanças da Instituição e agora, como desculpa, vão queimar uma geração inteira de boas “promessas”, geração ganhadora na base, agora jogada aos leões nesse plano sórdido e cruel desenvolvido por um certo “Pássaro”, que seria mais adequado ser chamado de “Porco” estúpido e infiltrado. Mas e o capo da máfia? Ah… esse está se fazendo de morto, pois no final do mês, o santo $$$ continua caindo na sua conta…

    • Olá Waldir,

      Compartilho de toda a sua indignação.

      O Periquito da Barra Funda deve ter um padrinho muito forte. Seria uma excelente cabeça para ser oferecida para acalmar um pouco a torcida, ganhando uns dias de tranquilidade.

      Mas nem isso..,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.