Ataque do SP deixa a desejar sem Luciano; substitutos vivem má fase

O São Paulo vive uma ‘crise’ no seu setor ofensivo com a ausência de Luciano, fora por lesão desde a vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense, no Maracanã. De lá para cá, em três jogos, o Tricolor marcou apenas dois gols e não venceu mais: empatou com o Grêmio (0x0) e perdeu para Bragantino (4×2) e Santos (1×0).

Saiba qual era a distância no Brasileirão do primeiro para o segundo colocado desde 2006. Confira!

Luciano disputou 30 jogos pela equipe e somente quatro com ele em campo saíram sem gols do Tricolor. Os maus resultados vêm muito por conta do baixo aproveitamento ofensivo e da má fase de Pablo, Vitor Bueno e Tchê Tchê, jogadores que foram testados na vaga do camisa onze.

Pablo, contratado com grandes expectativas do Athletico, não correspondeu até o momento com a camisa do São Paulo. O camisa nove marcou 11 gols em 46 partidas na temporada, mas acertou apenas uma finalização nos últimos dez jogos. Seu último gol aconteceu em novembro, na vitória por 4 a 0 sobre o Flamengo, pela Copa do Brasil. Desde então, já são dez partidas sem marcar.

Meia de origem, Vitor Bueno também foi testado por Fernando Diniz no comando de ataque juntamente com Brenner, na derrota por 4 a 2 para o Bragantino. Porém, o camisa doze são-paulino não marca desde o dia 20 de outubro, na vitória por 5 a 1 sobre o Binacional, ainda pela Libertadores. Neste ano, ele marcou apenas quatro gols em 50 jogos.

Para fechar a lista dos substitutos de Luciano, aparece Tchê Tchê, que surpreendeu ao ser escalado por Diniz nessa posição na vitória por 3 a 0 sobre o Atlético-MG. Apesar de ter marcado gol contra o Bragantino, ele foi expulso e protagonizou uma discussão calorosa com Fernando Diniz, que foi assunto nos últimos dias do São Paulo. Em 49 partidas, ele marcou dois tentos.

Carneiro e Tréllez, que poderiam beliscar uma vaga na equipe titular, andam em baixa com a torcida. Apesar do uruguaio ter marcado há dois jogos atrás, ele não passa confiança aos torcedores e entra na equipe raramente. Foram apenas três jogos e nenhum gol marcado. Já o colombiano realizou onze partidas e marcou um gol, contra a LDU, pela Libertadores.

 

Fonte: Lance

4 comentários em “Ataque do SP deixa a desejar sem Luciano; substitutos vivem má fase

  1. Luciano é 90% do time assim como Pele´foi 95% do time santista !!!!!!
    Se ele jogar, ainda temos chance de ganhar do Ath.Pr.
    Se não jogar, eles vão fazer
    marcação adiantada e o S.PaULO
    vai abrir as pernas como uma puta de 40,00 da zona !!!!!

  2. Também detesto, como jogadores, o Pablo e o Vitor Bueno (o Pablo, pelo menos, se esforça mais), mas a verdade é que o banco tricolor é muito pobre. O coitado do treinador olha pra lá e só vê esses dois mais o Tche Tche e o Hernanes, este um ex jogador.
    O tal do Paulinho, em quem vez ou outra o Diniz arrisca, também não está com nada!
    Quando lhe chamavam “Paulino Bóia”, o rapaz parecia ir melhor. Jogou alguns jogos de maneira razoável e, pronto, já não podiam mais chamá-lo Bóia.
    Perdeu o apelido e o futebol esvaiu-se. . .

  3. Não sei se o Luciano resolveria nessas 2 derrotas, até pq o time estava jogando errado, parecia um amontado, perdidos em campo.
    Seu Diniz que tem arrumar um jeito de jogar de outra maneira , pq esse joguinho manjado dele é triste.

  4. O elenco não é ruim, embora muito curto.
    Acho que o Diniz deveria usar outros reservas, ele sempre usa o Tche Tche, Vitor Bueno e Pablo, e esses 3 nitidamente estão em uma má fase sem fim (exceto o Pablo que nunca fez um bom jogo, não é um jogador profissional, esquece esse cara).
    Poderia usar mais o Hernanes e o Carneiro, que nos 2 jogos que entrou (duas ultimas derrotas) mostrou muita raça e vontade de ganhar, acho que faria uma dupla interessante com o Brenner, pelo menos deixaria os zagueiros adversários incomodados, coisa que o Pablo não consegue fazer.
    Acho que com os 11 titulares que todos já sabem, mais o Hernanes, Carneiro, Rodrigo Nestor, Léo e Diego (quando precisarem de zagueiros), dá para continuar firme na luta pelo título sim.
    Doeu muito a derrota para o Santos reserva, mas agora bola pra frente.
    Eu acho que o DIniz deve fazer mudanças pontuais no esquema, ser um pouco mais pragmático, não vejo a necessidade de tentar impor o jogo toda hora, as vezes recuar o time, dar a bola para o adversário, ajuda. Se tivessemos empatados com o Bragantino e Santos, esses 2 pontos nos dariam muita tranquilidade.
    Por exemplo no fim de semana contra o Atlético PR fora, um empate não será tão ruim. E as vezes pode sobrar uma chance e ganharmos o jogo. Não precisa sair pra frente, tentando impor o jogo e tentar ganhar de qualquer jeito.
    Porém falta também atitude dos atletas, ganhar todas as divididas, picar o jogo quando precisa, fazer faltas para parar o jogo, etc, o tricolor deixa muito a vontade seus adversários.
    Imaginei que o Muricy possa conversar com o DIniz isso.
    Agora, embora pontos corridos, nessa reta final tem que jogar como se fosse mata mata.
    Ainda acredito, embora menos iludido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.