Temos que comemorar muito a Copinha, mas continuo esperando algo dos profissionais

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, temos que comemorar, e muito, o título conquistado nesta sexta-feira da Copinha. Pela quarta vez o São Paulo levanta essa taça, que é o maior campeonato sub 20 do futebol brasileiro. Mas isso não pode maquiar as obrigações que temos este ano. O que quero dizer é que a conquista da Copinha não desobriga o clube a ganhar títulos do profissional, como Paulista, Brasileiro, Libertadores e Copa do Brasil.

Estou alertando isso pelas imagens que vi. No momento da entrega da taça, as figuras que mais chamaram a atenção nas imagens foram o presidente Leco e o presidente do Conselho Deliberativo, Marcelo Pupo. Acho até justo que eles extravasem a alegria como maiores mandatários do clube. Talvez para eles essa título surja como um alívio e eles pensem que entrará no currículo de ambos para ficar para a história. Sim, ficará, no Sub-20. Mas eu quero título no profissional. Quero ganhar o Paulista, a Libertadores, o Brasileiro, a Copa do Brasil. Se eu for me contentar com o título da Copinha, como sendo a grande conquista do ano, então tenho que reverenciar o Corinthians, que muitas vezes usa a vitória da Gaviões no Carnaval para mostrar que ganharam algo importante.

Eu sei que muitos de vocês que estão lendo meu comentário vão falar que estou de mau humor, que briguei com minha mulher ou que não sei ver as coisas do lado bom, só sei criticar a diretoria. Não estou fazendo críticas e, repito, temos que comemorar muito essa conquista. Meu alerta é para que não usem esse título politicamente para encobrir eventuais fracassos futuros.

Falando do título em si, desde o início da Copinha disse que, ao contrário do que todos falavam, não tinha o São Paulo como favorito. Sem seis jogadores titulares do time – Igor Gomes, Toró, Luan e Walce na Seleção Sub-20, Helinho e Rodrigo no time principal -, já era de se esperar que o time fracassasse. Para piorar perdeu Gabriel Sara, o grande nome, o meia, o responsável por assistências e “fazedor” de gols. Não era para ser favorito.

Mas o time foi crescendo. O padrão tático adotado por Jardine, pouco alterado por Orlando Ribeiro, foi bem interpretado pelos jogadores. Por mais que substituições fossem feitas, por contusões ou suspensões, ou mesmo cansaço, pouca coisa se alterava. Muito domínio da bola, marcação no campo adversário, nada de chutões. É o São Paulo da base que nos acostumamos a ver ganhar títulos e mais títulos. Mas faltava a Copinha para essa geração.

No entanto, Orlando Ribeiro que trouxe o time até a final, e tinha tudo para ser consagrado com mais uma grande vitória, fez bobagem e quase colocou tudo a perder. Ganhando por 2 a 0, ainda que no segundo tempo, fez seis substituições, descaracterizou o time, tirou os principais jogadores – Rodrigo Nestor, Antony e Gabriel Novaes – e trouxe o Vasco para cima. Tomou o empate e quase toma a virada. Foi salvo por Thiago Couto, gigante defendendo pênaltis. Que ele aprenda a lição.

Parabéns garotada de Cotia. Cada vez mais prova que é vencedora. Me orgulho muito de um dia, na era Juvenal Juvêncio, ter denunciado o esquema de empresários que ali existia, estragando um trabalho que tinha tudo para dar certo. Na época fui processado pelo Geraldo (já falecido) e Silva, o empresário. Ambos tiveram o corpo jurídico financiado pelo São Paulo (foi o escritório de Itagiba Francês, conselheiro do SP). Ganhei a ação. Ali mostrei que Cotia deveria servir, pelo investimento que se faz, para formar jogadores para o São Paulo e gerar lucros para o clube, não para empresários.

Hoje, com pessoas certas nos lugares certos, Cotia está rendendo bons frutos. Se não revelou grandes talentos, ao menos ganhou tudo o que disputou. Só peço que os torcedores tomem um pouco de cuidado com algumas ilusões. Antony é craque, mas não tem físico para jogar no profissional. Idem para Rodrigo Nestor, que não aguenta um tranco de um cara mais velho. Portanto, que se dotem de potencial físico esses garotos, ou vamos continuar ganhando títulos no Sub-20 e não revelando ninguém em condição de nos dar alegrias no time de cima.

Parabéns, São Paulo FC, pelo seu aniversário. Parabéns São Paulo FC, pelo brilhante título conquistado na Copinha!

 

 

7 comentários em “Temos que comemorar muito a Copinha, mas continuo esperando algo dos profissionais

  1. Se a Barra Funda fosse montada com a competência de Cotia certamente estaríamos em outro patamar

    Na Barra Funda vendo de longe aparenta que está melhorando mas anos luz de distância de Cotia e dos rivais.

  2. Todos esperamos do profissional, mas infelizmente nao temos um técnico profissional no comando do time. Podemos eventualmente vencer algo, mas temos que saber que sera sorte de amador.
    #JardineAindaNao

  3. A base do São Paulo é um orgulho pra nós torcedores, campeão de tudo praticamente não passa uma temporada sem ganhar nada,ao contrário dos profissionais que não ganhão nada a seis anos. Os profissionais do São Paulo tinha que pegar o exemplo da base e se espelhar nesses garotos pra ver se conseguem trazer alguma alegria pra nós torcedores de novo.

  4. Boa noite tricolores,
    Não consegui acompanhar toda a partida apenas a parte final, ou seja só vi o Vasco jogando e o São Paulo dando chutões pra se livrar da bola, pra quem só viu isso foi triste mas vencemos nos pênaltis, ufa, quanto a Cotia creio que vem cumprindo seu objetivo, temos ótimos talentos que precisam ser bem trabalhados e preparados para a transição para o profissional, eu destaco o Gabriel Sara que, enquanto participou, foi um grande armador com uma movimentação bastante interessante e acho que já deve iniciar a participação com o elenco principal, de Cotia saíram bons nomes creio que o principal hoje seja o ingrato Militão mas vejo boas possibilidades nessa safra.

  5. Olá Paulo Pontes e leitores,

    Antony foi o destaque do time no torneio, mas esse talento tem que ser trabalhado para ser bem aproveitado no time principal, e não vendido antes de se firmar na equipe de cima. O título é bem vindo, mas o principal objetivo da base tem que ser formar atletas que possam atuar no time principal.

    O Presidente da Diretoria (desta vez sem a tradicional camisa cor de rosa) e o Presidente do CD poderiam ter sido mais discretos para não dar margem a comentários de que só aparecem nos bons momentos.

  6. Sim, feliz pelo título!!

    Mas no profissional nada mudou, 10 anos sem ganhar nada no cenário nacional e apenas 1 título de segundo escalão sulamericano!!

    Em outras palavras, NADA MUDOU!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.