Por Lucas, 80 milhões. Mas o dinheiro, ó…..

Amigo são-paulino, leitor do Tricolor na Web, parece irreversível a venda do jogador Lucas. O Paris Saint-Germaine teria superado os britânicos e oferecido 45 milhões de euros, ou 112 milhões de reais. Ao São Paulo caberia algo próximo a 79 milhões de reais, já quer 30% do valor do passe pertencem ao atleta. É muito dinheiro.

Por princípio sou contra a venda de jogadores. O São Paulo, pela sua grandeza, não deve ser time formador e vendedor, mas formador e comprador. Levando-se em conta que o mercado europeu não tem mais aquele poder que tinha outrora, em função da forte crise econômica pela qual atravessa, seria a hora de bancarmos nossos atletas de ponta, com inteligência na busca de parceiros que possibilitassem uma boa remuneração a ele.

Temos um exemplo muito próximo: o Santos conseguiu viabilizar a permanência de Neymar, convenhamos, jogador muito mais visado e caro do que Lucas.

Mas o que podemos esperar desta diretoria, em termos de criatividade? Conseguiu perder o Oscar, hoje um dos mais importantes jogadores da Seleção Brasileira Olímpica, com presença quase garantida na principal, vendeu Lucas Piazon, com 17 anos, para o Arsenal, e não seria ela que conseguiria parceiros para bancar Lucas. Até porque estamos em agosto e não temos ainda um patrocinador master.

Vocês pensam que este dinheiro será revertido em reforços para o time? Esperem sentados. Já li por aí que a venda de Lucas servirá para repor ao clube o que não entrou pela falta de patrocínio. Então vão aparecer os direitos de imagem que estão atrasados e o rombo nos cofres. Sem contar o tradicional “ralo” que existe para fluir o dinheiro nessas transações.

Isso vem reforçar minha tese de ser contra a venda de jogadores, ainda que seja por uma soma tão elevada quanto esta para Lucas. Confio nos nossos dirigentes o tanto quanto eu confio nos políticos. Achar que vendendo Lucas poderemos trazer Kaká e Lugano, por exemplo, é um engano do tamanho do mundo. Vamos, sim, perder o único jogador do elenco capaz de, num lance mágico, decidir uma partida.

Mas não tem problema. Temos Rafinha, Willian José, Cícero, Maicon… Para que ficar com Lucas?

5 comentários em “Por Lucas, 80 milhões. Mas o dinheiro, ó…..

  1. Paulo…democraticamente, discordo da sua opinião. Qualquer empregado de qualquer ramo de atividade, quando seduzido por uma oferta impossível de ser coberta, se não liberado tende a produzir menos. No futebol, assim como em qualquer outra atividade econômica, o dinheiro pesa mais que qualquer outro sentimento. É a lei maior do capitalismo…respeitemos!

  2. Discordo. Que diferença fez o Lucas nos mata/mata da copa do brasil e do paulistinha? Será que teríamos vencido as três ultimas partidas e jogado melhor com o Lucas em campo? Duvido que faria diferença. O tricolor é um clube; muito maior que um jogador, por mais craque que esse fosse. Ademais, depois de tantos sifrões e tantas possibilidades, jamais o jogador voltaria muito focado no antigo emprego/salário. E se, por desventura, tivesse uma torção forte de joelho, precisasse se operar e ficar fora de jogo por longo tempo: será que voltaria jogando a mesma coisa, já que é um jogador de força? Veja o exemplo do Ganso. O SP fez muito bem em vender o Lucas, mesmo porque, com certeza, já temos outros a caminho…
    abraços sampaulinos

  3. É por isso que eu também sou contra a venda do Lucas.

    É muito dinheiro? Sim, é muito dinheiro… mas no meu ponto de vista vale muito mais a pena ter um jogador diferenciado em campo do que grana no bolso. Não acho correto ter que sacrificar a qualidade do time para arrumar erro da diretoria que não consegue um patrocínio. Pelo contrário, o correto seria conseguir um belo patrocínio para trazer melhores jogadores.

    Mas ok, continuo torcendo para o Marcelo Portugal Gouveia virar zumbi e voltar a presidência do São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.