Montanha-russa de Pato: atacante volta a ser questionado e cobrado

A temporada de Alexandre Pato no São Paulo é uma verdadeira montanha-russa, com altos e baixos durante os meses que contaram com bola rolando. Depois de se recuperar antes da paralisação, o atacante voltou a cair de rendimento em campo e já é cobrado por melhores performances novamente.

O ano de Pato começou por baixo. O jogador iniciou a temporada como reserva, já que Diniz optou por Helinho nas primeiras partidas, enquanto Antony estava na Seleção Olímpica. Após duas rodadas, no entanto, o camisa 7 ganhou nova chance e passou a ser um dos 11 do treinador do Tricolor.

Apesar das oportunidades recebidas, Pato não convenceu nas primeiras partidas como titular, principalmente por não ter marcado nenhum gol nos quatro jogos do Paulistão que começou jogando. A fase do atacante se transformou a partir do confronto contra o Oeste, quando balançou as redes duas vezes.

A partir de então, Pato marcou gols nas duas partidas seguintes e, mesmo tendo passado em branco contra a LDU e o Santos, estava em alta no momento da paralisação. Com o retorno do futebol, o camisa 7 permaneceu como titular, porém deve atuações apagadas contra o Red Bull Bragantino e o Mirassol, voltando a ser cobrado.

Preso entre os zagueiros, Pato não demonstrou a confiança para jogar que havia apresentado no momento que se destacou antes da paralisação. Além disso, o jogador parece não ter encontrado a melhor química com o parceiro Pablo, substituto de Antony, e vê sua vaga na equipe ser ameaçada.

Como os treinamentos do São Paulo são fechados para a imprensa desde o retorno do futebol, ainda não é possível projetar a escalação do Tricolor para a partida contra o Goiás, no próximo domingo, às 16h, em Goiânia, pela estreia do Campeonato Brasileiro.

 

Fonte: GAzeta esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.