Agentes cobram R$ 14 milhões do São Paulo por vendas de promessas

Atravessando dificuldades financeiras durante a pandemia do novo coronavírus, o São Paulo tem na valorização de suas promessas formadas na base a maior aposta para o futuro. Em 2020, o clube realizou duas grandes vendas, de Antony, para o Ajax, e de Gustavo Maia, para o Barcelona. Meses depois das negociações, agentes com contratos antigos cobram do clube mais de R$ 15 milhões pelas transferências.

Gustavo Maia foi negociado com o Barcelona em julho por 4,5 milhões de euros —na cotação atual, mais de R$ 28 milhões. Na última semana, o empresário Écio Morgado acionou o São Paulo afirmando ter direito a 5% da transação —em torno de R$ 1,4 milhão— com base em um contrato de 11 anos atrás. O agente é representado pela advogada Gislaine Nunes.

Écio apresenta um contrato de 2009 com o São Paulo, assinado pelo então presidente Juvenal Juvêncio, por meio do qual o clube promete lhe dar 5% sobre todos os atletas por ele encaminhados ao Morumbi. Ele afirma ter indicado Gustavo Maia ao São Paulo em 2014 —há no processo um e-mail do próprio clube que sinaliza reconhecer a indicação.

Quando Gustavo foi negociado em julho, o empresário notificou o São Paulo extrajudicialmente cobrando R$ 1,4 milhão, mas o clube não repassou o valor. A direção são-paulina ainda não foi notificada sobre a ação judicial.

No caso de Antony, a cobrança é de Paulo Nani da Silva, que jogou pelo São Paulo na década de 70. Nani diz trabalhar com Antony desde 2010, e firmou um acordo com o São Paulo em 2014, pelo qual o clube se compromete a repassar 5% de uma negociação futura envolvendo o atacante.

O empresário cobra do São Paulo R$ 9,8 milhões pela transação, e ainda pede mais R$ 4 milhões em danos morais por não ter sido notificado da venda e ressarcimento de valores que diz ter investido no jogador. O valor total das duas ações, somadas, é próximo de R$ 14 milhões. O São Paulo também ainda não foi citado no caso de Antony.

Há ainda um terceiro processo, da empresa Cruz & Hertal Atividades Esportivas Ltda. O objeto é a negociação do lateral-direito Auro com o Toronto, da Major League Soccer, em 2018. Esta cobrança pede que os valores ainda sejam apurados pela Justiça —a negociação ocorreu por empréstimo.

O São Paulo briga atualmente pela liderança do Campeonato Brasileiro, e derrotou o Goiás por 2 a 1 no sábado. Na quarta-feira enfrenta o Flamengo, no Maracanã, pelas quartas de final da Copa do Brasil.

 

Fonte: Uol

Um comentário em “Agentes cobram R$ 14 milhões do São Paulo por vendas de promessas

  1. Atenção proxima diretoria do São Paulo revisem todos contratos de empresario com o clube, e parem de dar porcentagem para esses caras, eles são pagos pelo jogador, não investem nada no atleta o clube arca com tudo e ainda querem porcentagem, invistam em ex jogadores como olheiros.
    Jogador inteligente não tem empresario usa membros da família formado em direito para cuidar dos seus negócios vai gastar muito menos e tem menoas possibilidade de levar um cahpéu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.