Rogério Ceni como técnico: um bem ou um mal?

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, demorei um certo tempo para me posicionar sobre a contratação de Rogerio Ceni como novo técnico do São Paulo, apesar de, para nossa felicidade, este site ter sido o primeiro a dar a informação de forma concreta, sem o “pode” ser.

Conversei com alguns integrantes da alta cúpula do Tricolor antes de bancar a informação. Ponderei que achava uma aposta muito arriscada. Rogerio não tem a mínima experiência em qualquer clube e seria prematuro entregá-lo um tricampeão mundial, que tem muita história que ele, diga-se de passagem, tem grande participação.

Defendi o nove de Ruedas, mas o vice-presidente de Futebol, Alexandre Medicis, disse que alguns contatos lá atrás foram feitos e que seria impossível sua contratação. Motivos financeiros e contratuais impediriam qualquer negociação.

Citei  o nome de Wanderley Luxemburgo. Muitos entendem que ele está no fundo do poço e o São Paulo poderia ser sua redenção. Em assim sendo, também o seria do próprio clube. Mas há uma grande barreira contrária dentro do Conselho Deliberativo e tão cedo Luxemburgo não aportará no Morumbi.

Marco Aurelio Cunha me disse as seguintes palavras: “o novo é uma aposta. O velho, retrógrado”. Fico com o novo.

No Tricolornaweb, num primeiro momento, senti a oposição junto à torcida. Após o anúncio, os ânimos foram mudando, as posições se alternando e houve um equilíbrio. Passados alguns dias, já sinto que o torcedor vai apoiar Rogerio Ceni. E não poderia ser diferente.

Desde que foi anunciado já acompanhou treino, jogos do Sub-20, Sub-17, está se inteirando do que temos na base, deu palpites para a formação do novo elenco, teve participação com opinião da busca por Wellington Nem, Sidão e também aprovou a busca por Felipe Mello.

Não tenho condição – e ninguém tem – de avaliar hoje se será ou não um bom técnico. Só o tempo dirá. Mas se ele mantiver a obsessão pelo trabalho, a determinação, o afinco, unidos ao seu amor pelo Tricolor, então podemos esperar uma parceria vitoriosa.

Que assim seja!

5 comentários em “Rogério Ceni como técnico: um bem ou um mal?

  1. Se o Mito nao tiver experiencia
    ????? qm vai ter ??????
    quantos anos de carreira
    com tecnicos renomados
    tipo o Mestre,
    alem disso e’estudioso e nao e’ paneleiro
    na selemerda colokara um tal de Coutinho
    um tal de Lazaroni,
    e outros merdas ate piores todos alavankados e apadrinhados
    Ceni, nao e’ apadrinhado apenas e’ o q ‘e.
    Bem se vai dar certo sao outros quinhentos
    precisa escolher com qm vai tra balhar a comecar de um bom goleiro
    sederem a ele o q pedirem,
    sou CENI e mais onze,
    agora mude por favor essa comissao tecnica a
    comecar da velharada do DM
    precisamos um limpa em todos os setores
    no principal ninguem mexe saao imexiveis esses kartolas imundos
    CENI para mim estaria de bom tamanha como PRESIDENTE
    AI SIM,
    mas ai so os de dentro
    e se entrar sera boicotado como dinamite.

  2. Entre as opções Rueda, Luxemburgo ( sai assombração , rs ),
    Roger, Eduardo Batista
    sou muito mais o
    M1TO .

    Obs: só um Osório, Sampaoli ou Bielsa me fariam mudar de idéia !

  3. Rogério Ceni nunca mais foi convocado para a seleção da cbf porque bateu de frente com Romário (o peixe), primeiro e, depois, com o técnico o gagá Zagalo. Tudo em um mesmo episódio.

    Rogério e Marcos (o santo) foram perguntando sobre a maior falha de suas carreiras. Rogério disse que foi o gol que tomou na final de Libertadores contra a lavanderia do sul (o inter), Marcos (o padroeiro de Manchester) disse que não teve nenhum erro grave.

  4. Fui crítico da contratação do Ceni para comandar o São Paulo já na largada. Também não sei o que nos aguarda de sua postura como técnico. Ele conhece futebol? Acredito que muito; muito mais que a grande maioria dos treinadores em atividade no Brasil. Então por que a crítica? Por que, no meu conceito, há um risco muito grande dele se queimar nessa “queima de etapas”. Se os bons resultados aparecerem de imediato, creio que ele próprio ficará mais à vontade na carreira e, de fato, ela pode deslanchar. Entretanto, caso os bons resultados demorarem, ele próprio começará a se questionar e uma avalanche de críticas estourarão na mídia, tornando as coisas mais difíceis. Lembremos que todos: torcedores, imprensa, dirigentes, jogadores, estaremos esperando muito de seu desempenho, tendo em vista sua carreira vitoriosa de jogador e sua obstinação por resultados. Um trabalho que poderia ser considerado bom para outro, para ele, pode não ser suficiente e ser criticado por ele. Além de nós, torcedores de outros clubes estarão, diariamente, de olho em seu trabalho, esperando algum detalhe negativo, por menor que seja, para sentar-lhe a pua.
    Acredito que o Rogério Ceni tenha considerado tudo isto e que, mesmo assim, teve a segurança de assumir o posto com os riscos inerentes.
    Além destas considerações, existe ainda o fato da personalidade do agora treinador. O RC sempre foi muito senhor de si e parecia ter dificuldade de reconhecer seus erros. Enquanto jogador, embora liderasse os atletas em campo e fora dele, não era de “bater de frente” com os colegas – tipo Romário, Gerson, Capita e tantos outros -, motivo pelo qual, estava sempre contemporizando com os erros dos colegas.
    Agora, como treinador, será ele capaz de sacar do time um parceiro de longa data? Será ele capaz de correr riscos por resultados (ver o time jogando bem, por exemplo) e uma forma de jogar que agrade os torcedores do clube, ou vai usar do pragmatismo de conquistar pontos a qualquer custo, na velha segurança do “não perder ao invés de tentar vencer”? Outra coisa importante: terá ele a humildade de ouvir? Ouvir os auxiliares; os jogadores e demais interessados no bom rendimento do time?
    Espero que a resposta seja sim a todos os meus questionamentos. Ele agora é nosso treinador e é com ele que vamos; e vamos, espero, em busca de esquecimento desses últimos anos em que foi muito difícil e até vergonhoso ser são-paulino. É com ele que vamos tentar reviver épocas do São Paulo vencedor…

  5. Aposto e muito que vai dar certo:
    1. Tem muita visão do que se passa no jogo, nas 4 linhas. A leitura pós jogos, em entrevistas, fazem às dos comentaristas e palpiteiros parecerem coisa de amador.
    2. Não tem compromisso com chinelinhos.
    3. Não gosta de perder nem palitinho. Portanto, esqueçam essa de bancar jogadores sem condições, ainda mais um goleiro frangueiro.
    4. É trabalhador.
    5. Vem se preparando desde quando era jogador.
    6. Fez cursos e estágios com os melhores técnicos do mundo. Quantos no Brasil tem isso? Dois? Três? Nenhum?
    7. Perfeito, mais uma vez, o Marco Aurélio Cunha: “o novo é uma aposta. O velho, retrógrado”.
    8. Luxemburgo NÃO é uma opção melhor que ele.

    As chances de dar certo com ele são maiores do que esses enganadores que vagam de clube em clube.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.