Por que São Paulo e Volpi melhoraram a defesa, mas não estão satisfeitos

Contra a Ponte Preta no Morumbi, o São Paulo completa hoje (1º) seu oitavo jogo na temporada com uma marca importante: já conseguiu melhorar um dos índices do sistema defensivo em relação ao ano passado. A porcentagem de partidas sem sofrer gols cresceu, o time encontrou a segurança que precisava em Tiago Volpi, mas ninguém no clube está satisfeito com isso.

Nesta temporada, o Tricolor não foi vazado em quatro dos sete jogos disputados, o que gera percentual de 57% de “clean sheets”, denominação britânica para partidas em que o time não sofre gols. Em 2019, quando a defesa já havia funcionado bem e foi até a melhor do Campeonato Brasileiro, esse índice foi de 38%. Em média de gols sofridos, os são-paulinos saíram de 0,85 por jogo para 0,57 de um ano para o outro.

Só que o técnico Fernando Diniz e os jogadores acreditam que esses números ainda podem ser turbinados. Em partes porque há ajustes a serem feitos na recomposição da equipe. No primeiro tempo dos jogos contra Santo André e Oeste, o São Paulo concedeu alguns contragolpes com campo aberto para os rivais. Contra o Santo André, isso culminou em derrota.

Contra o Oeste, Diniz chegou a elogiar a capacidade de retomar a concentração e os movimentos que haviam sido treinados para o time voltar mais organizado no segundo tempo: “Começamos de forma intensa, mas tivemos ansiedade demais para matar o jogo e acabamos deixando que eles levassem perigo e acertassem a trave até. A ansiedade provocou esse desencaixe. A insatisfação é permanente enquanto continuarmos a dar chance ao adversário”.

Outro ponto que faz técnico e elenco mostrarem preocupação é a dificuldade para definir as partidas. Exceção à goleada sobre o Oeste, o São Paulo patinou na hora de matar o resultado, perdeu muitos gols e, na visão dos próprios atletas, isso acaba sobrecarregando Volpi e os zagueiros de responsabilidade.

Nesta edição do Campeonato Paulista, o São Paulo tem a segunda melhor defesa do torneio, atrás apenas dos líderes Palmeiras e Novorizontino. Já a Ponte Preta, rival de hoje às 16h no Morumbi, pela oitava rodada, tem média de um gol por partida na competição.

Ficha técnica:

São Paulo x Ponte Preta

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)

Data/Hora: 1º de março de 2020, às 16h

Árbitro: Vinícius Furlan

Assistentes: Daniel Luis Marques e Alberto Poletto Masseira

São Paulo: Tiago Volpi, Igor Vinícius (Juanfran), Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves e Igor Gomes; Pablo, Vitor Bueno e Alexandre Pato. Técnico: Fernando Diniz.

Ponte Preta: Ivan, Matheus Alexandre, Wellington Carvalho, Henrique Trevisasn e Guilherme Lazaroni; Dawhan, Bruno Reis e João Paulo; Bruno Rodrigues, Felipe e Roger. Técnico: João Brigatti.

 

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.