Maratona x falta de ritmo: São Paulo e River em situações distintas

A Copa Libertadores voltará a ser disputada nesta semana, depois de seis meses de paralisação. São Paulo e River Plate fazem seus retornos nesta quinta-feira, às 19h, quando duelam no Morumbi em situações distintas. Enquanto a equipe brasileira vive uma maratona de jogos, os argentinos terão que superar a falta de ritmo.

Com as competições liberadas para retorno há quase dois meses no Brasil, o São Paulo já acumula 13 partidas após a paralisação. O Tricolor encerrou a participação no Campeonato Paulista ainda em julho e já no mês seguinte iniciou os compromissos pelo Campeonato Brasileiro.

Desde então, os comandados de Fernando Diniz vivem uma maratona com dois jogos por semana e com pouco tempo de treinamento. O maior período de descanso que a equipe são-paulina teve entre uma partida e outra foi de quatro dias.

Se, por um lado, a sequência de jogos faz com que o time chegue desgastado fisicamente para o confronto, por outro, Fernando Diniz pôde fazer testes e ainda dar rodagem para atletas jovens, como a dupla de zaga Diego e Léo, o meia-atacante Gabriel Sara, além de Brenner, que deve substituir Pablo – dúvida com lesão na lombar – e Luciano – suspenso – no ataque.

Do lado contrário do confronto, o River Plate não entra em campo para uma partida desde a goleada sobre o Binacional, ainda em março, também pela Libertadores. Desde então, o futebol foi paralisado e as competições no território argentino ainda não foram liberadas.

Enquanto os estaduais e até as competições nacionais já estavam em marcha no Brasil, o país vizinho manteve-se com medidas rígidas de distanciamento social. Dessa forma, os treinos presenciais para os clubes argentinos só foram permitidos a partir da segunda semana de agosto.

Não bastasse a falta de ritmo de jogo, a equipe de Marcelo Gallardo terá diversos desfalques em relação ao time de antes da paralisação. A começar pelas saídas de estrelas como Juan Quintero e Ignacio Scocco. Outros que se despediram foram os zagueiros Kevin Sibille e Franco Paredes, além do meia Enzo Fernández. Os argentinos ainda têm as baixas de Lucas Pratto, ex-São Paulo, lesionado, e Milton Casco, lateral-esquerdo titular, que foi diagnosticado com covid-19.

Apesar das diferenças de momento, na tabela os dois times estão empatados com três pontos, juntos com LDU e Binacional no Grupo D. Todos conquistaram uma vitória em duas rodadas disputadas. Com o melhor saldo de gols, o River lidera a chave, enquanto o São Paulo é o segundo, seguido pelos equatorianos, na terceira posição, e os peruanos na lanterna.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Um comentário em “Maratona x falta de ritmo: São Paulo e River em situações distintas

  1. Um jogo para redimir, ganhar bem do River, ou afundar de vez, ja que temos experiencia da tristeza de perder para um catado como esse do River, aquele jogo contra Mirassol nos deixa com um pé atras.
    Mas vamos que vamos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.