Juvenal diz que Aidar quer demitir Muricy: “Ele é um traidor. Está maluco”

A guerra política no São Paulo foi definitivamente aberta na tarde desta segunda-feira: após bombardeio de críticas e revide, o presidente Carlos Miguel Aidar convocou o ex-presidente e padrinho político Juvenal Juvêncio para uma reunião no Morumbi e o destituiu do cargo de diretor de futebol de base – a informação foi dada em absoluta primeira mão pelo Tricolornaweb . Agora, Juvenal Juvêncio deixa para trás as palavras que media até a semana passada “pelo bem da instituição” e dispara intensamente contra aquele que indicou à presidência, com uma ressalva: “Eu me equivoquei”.

“É um traídor. Aliás, eu falei isso para ele. Um traídor vil”, contou Juvenal Juvêncio, ao UOL Esporte, depois da reunião com o presidente. “Quando cheguei, ele disse que eu não poderia mais ficar pois estou querendo mandar. Hoje foi só a quarta vez que fui ao Morumbi desde que deixei a presidência. Na terceira vez, fui com minha mulher para entregar uma gravata de presente a ele pelo aniversário”. Hoje foi a quarta vez. Falei para ele: “Você está querendo demitir o Muricy no fim do ano, o Gustavo [Vieira de Oliveira, gerente de futebol], o Milton Cruz…”, diz o ex-presidente.

Questionado na última quinta-feira se estaria arrependido da decisão de indicar Carlos Miguel Aidar à própria sucessão, Juvenal Juvêncio não quis responder. Agora, fora do clube, ele admite:

“Cometi um grande equívoco, um grande engano. Carlos Miguel ficou 24 anos longe do clube, depois me procurou porque queria ser presidente. Ele não ia em reunião do conselho, não dava a menor bola. Mas agora piorou demais da conta. Está maluco. Cheguei a dizer para ele: “você fez tratamento de beleza e tomou algum remédio que machucou seus neurônios”. O Carlos Miguel vai muito mal no negócio do São Paulo, claro que não posso falar, mas tenho que falar. Ele se ocupa muito de coisas pequenas”.

Segundo o ex-presidente, uma das declarações de Carlos Miguel Aidar à “Folha de S. Paulo” na semana passada, na qual afirma que o clube poderia ser gerido por 95 funcionários, e não por 950, como acontece hoje, causou revolta interna.

“Como que ficam esses funcionários? Tem que ver a revolta que está lá dentro. Quando ele deixou o clube há 24 anos ele já tinha 470 funcionários. Isso são dados estatísticos”.

O ex-presidente reforçou que Aidar tem mantido contato com a ala oposicionista do clube, com Marco Aurélio Cunha, e acusou um acordo entre as partes para tentar aprovar a reforma de modernização do Morumbi.

“Ele está fazendo um acordo com o oposição que é um acordo vil, para aprovar a cobertura. Está dando cargo”, falou.

A saída de Juvenal Juvêncio da diretoria do São Paulo deve desencadear mudanças na cúpula do São Paulo. É possível que vice-presidentes e diretores aliados ao ex-presidente entreguem seus cargos nos próximos dias, e que outros sejam destituídos por Aidar.

 

Fonte: Uol

19 comentários em “Juvenal diz que Aidar quer demitir Muricy: “Ele é um traidor. Está maluco”

  1. Hoje Juvenal deve ter sentido na pele o que sentiram os jogadores que foram mandados embora do clube ano passado após a eliminação na Libertadores para o Atlético MG ,jogadores que sequer haviam participado do fiasco do clube na Libertadores.

    Hoje deve ter sentido o que sentiu Rosan que por pura politicagem ,foi demitido já que ele era declaradamente contra o estilo centralizador de Juvenal.

  2. Quem nos últimos anos contratou baciadas e mais baciadas de jogadores de qualidade duvidosa ,e um monte de técnicos meia boca , e demitiu profissionais altamente qualificados como o renomado fisioterapeuta Luis Rosan , que não concordava com seu estilo ditador de comandar o clube? Quem será que foi esta pessoa?

  3. A notícia parece boa (saída do JJ), já era tempo!!! Mas o que tem por trás disso? Quais são os interesses? Esse é um digamos golpe da oposição? Tratado antes mesmo da eleição???

    Sem frequentar os corredores do Morumbi não dá para saber!! Até que ponto isso será benéfico para o clube também não sabemos, muito embora na parte financeira parece que estamos no fundo do poço!!!

    PP, por favor escreva um editorial sobre o assunto e vá lá atualizando a situação, porque tudo parece nebuloso e nos assusta muito vendo tudo de fora!!!

    Aidar parece também querer se beneficiar em certos aspectos e digo na parte financeira mesmo!!! Cuidemos de nosso clube, mas não coloquemos interesses pessoais a frente!!!

    No mais, mente nova fará bem ao clube, mais jovens aliados aos experientes farão um bem enorme ao clube.

    Mas nós torcedores acompanharemos de perto e zelaremos pelo nosso clube! Pois para ir do paraíso ao inferno no futebol é um pequeno passo!!!

  4. A diretoria telefonou agora a noite para o Muricy Ramalho , para tranquilizá -lo ,e garantir que o clube não tem nenhuma intenção de demiti-lo como insinuou Juvenal Juvêncio.

  5. Não é nem questão de comemorar.

    Não a santo nesta briga Aidar x JJ .

    Fato que o São Paulo precisava se livrar do fantasma JJ ,que a tempos faz mal ao clube. JJ se sentia dono do clube fazia o que bem mandava sem consultar ninguém , que não concordava com jeito centralizador do JJ era demitido do clube.O clube precisa se modernizar dar uma oxigenada , se será para melhor só o tempo dirá , mais era necessário se livrar do “ambiente Juvenal”

  6. Parabéns ao Carlos Miguel Aidar, independente dos meios, o resultado será positivo para o São Paulo.

    Meu único medo é o clube ser prejudicado nos bastidores, entenda-se CBF e Globo, por interferência do JJ.

    Paulo, quem é mais próximo da CBF, JJ ou Aidar?

  7. Clerison e por vaidade ou politicagem , Juvenal não demitiu o fisioterapeuta Luis Rosan , e o fisiologista Dr Turíbio Leite de Barros do clube ? JJ não pode reclamar de nada , o problema é que o JJ não consegue aceitar que ele não manda mais no clube como ele fez durante 8 anos , e a era da ditadura chegou ao fim no clube.

    • Luiz Guilherme, estamos dando atenção a saída do Juvenal Juvêncio (até aí normal esse já vai tarde!!!!!).

      O problema é a que preço???? Qual a real motivação do Aidar nessa demissão????

      Minha preocupação é depois, o quê querem os visionários, os partidários dessa “Traição politica”??????

      Acho cedo pra comemorar….

  8. É para o bem do São Paulo , precisamos nos livrar de Juvenal Juvêncio , alguém tem dúvidas que o Juvenal queria ficar interferindo e continuar mandando no São Paulo e Aidar não deixou.

    Temos que trazer Marco Aurélio Cunha , e o Fisioterapeuta Luiz Rosan de volta.

    Juvenal não pode reclamar nem espernear , ele demitiu profissionais exemplares como Luiz Rosan , Dr Turibio , por pura politicagem. Chega de ditadura no SPFC ,Adeus Juvenal.

  9. Paulo Pontes, você teria informações sobre o projeto de modernização do Morumbi Qual a construtora, se já tem projeto aprovado, qual valor do Projeto e quanto tempo para essa modernização??

    Informações úteis até para termos uma dimensão dessa briga politica no Club.

    • Clerison, não existe nada nesse momento. Existe um projeto do próprio presidente, desenhado e robustecido por engenheiros, que será colocado em votação na próxima reunião do Conselho Deliberativo, em outubro. Claro que há empresas interessadas. Mas somente depois de aprovado o modelo é que as empresas enviarão as propostas para nova votação do Conselho, mas só no ano que vem, possivelmente em fevereiro.

      • Pelo visto essa guerra de interesses vai longe, e sem Duvidas isso vai chegar ao time mais cedo ou mais tarde!!!!!!

        Hoje não temos nem dinheiro e nem credito, espero que o Aidar não entregue o Morumbi de bandeja para uma construtora, para não virar inquilinos em nossa própria casa…

  10. Aidar,

    Só uma coisa:
    Parabéns. O SPFC precisava disto.
    Extermine esta raça de puxadores de saco e bajuladores e faça do SPFC um clube de adm moderna como sempre foi.

    Parabéns novamente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.