Gols perdidos já foram fantasmas para Diniz no Fluminense e Athletico

A maior frustração do São Paulo na derrota para o Binacional foram os gols perdidos pela equipe no primeiro tempo. Pablo, duas vezes, e Antony tiveram oportunidades claras para ampliar o placar, porém não estavam com a pontaria afiada em Juliaca.

Não foi a primeira vez que o Tricolor sofreu com os gols perdidos em 2020. Nos empates com Novorizontino e Corinthians e na derrota para o Santo André, a equipe do Morumbi criou diversas oportunidades, mas não teve um bom aproveitamento nas finalizações.

Esse incômodo não é novidade para Fernando Diniz. Quando esteve à frente do Athletico Paranaense e Fluminense, o treinador, que não abre mão de seu modelo de jogo ofensivo, viu seus times empilharem gols perdidos e saindo de campo com resultados amargos.

Após uma derrota para o Cruzeiro na Copa do Brasil de 2018, Diniz não escondeu a frustração com as chances desperdiçadas pelo Athletico. A palavra de ordem na ocasião era “objetividade”.

“O que é objetividade? Criar chances de gol e finalizar com chance real. Não fomos eficazes contra o Atlético-MG, quando tivemos uma troca de passes interessante e envolvemos o adversário. Quero que a equipe jogue o tempo todo como foi contra o Atlético-MG, o Newell’s, quando criou muito e sofreu poucas chances”, afirmou Diniz.

“Incomoda muito. É ficar noites sem dormir, uma dor que machuca muito, ainda mais da maneira que temos perdido. Temos que unir mais a equipe, saber sofrer juntos, lamber as feridas e tentar melhorar”, completou.

Já no ano passado, quando o Fluminense empatou em 1 a 1 com o Ceará, Diniz também revelou estar chateado com os gols perdidos por sua equipe. O treinador ressaltou que era o grande empecilho para que Tricolor das Laranjeiras tivesse uma pontuação mais alta.

“O que mais incomoda no nosso time é a gente criar e não concluir em gol. Está sendo o diferencial de deixar pontos no caminho. A gente tem treinado. Além disso, temos atletas que finalizam bem. Tem o Pedro, João Pedro, Ganso… são atletas que rotineiramente fazem gols. Espero que a bola entre para a gente ganhar os jogos”, pontuou o técnico.

Depois de estrear com derrota na Libertadores, o São Paulo volta a entrar em campo pela competição na próxima quarta-feira, contra a LDU, no Morumbi. No entanto, no domingo, o Tricolor tem um compromisso pelo Campeonato Paulista, contra o Botafogo-SP, no domingo, às 16h.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

12 comentários em “Gols perdidos já foram fantasmas para Diniz no Fluminense e Athletico

  1. Pior de tudo que nao tem muito o que fazer ou diniz acerta esse time, os pé torto, arruma esse meio e defesa para não tomar gols tipo binacional ou vai confirmar que ele Diniz nao presta como treinador, e que tem que rever seus métodos.

  2. Curioso, né?
    E tem gente que diz jogador perder gol não é culpa do técnico…
    Mais curioso ainda, é que o mesmo time do Atlético do Diniz, que ele deixou na Zona de Rebaixamento, ganhou quase tudo na mão do seu substituto Tiago Nunes…
    Acho que Telê Santana que era maluco quando obrigava jogadores do São Paulo nos anos 90 com o pior desempenho nos treinos a ficarem treinando cruzamentos e chutes ao gol por uma hora depois dos treinos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.