Diretoria e oposição se esquecem do todo e brigam pelo pequeno

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, a cada dia que passa perco mais a esperança de ver um São Paulo melhor, vencedor, com um estatuto que encha de orgulho o sócio e o torcedor. Nesta quarta-feira o Conselho Deliberativo vai se reunir para votar o texto do novo Estatuto preparado, com muito afinco, diga-se de passagem, pela Comissão Estatutária. Mas é deprimente quando você vê que diretoria e oposição desencadearam uma grande batalha por causa de um único item do texto: o voto aberto ou secreto dentro do Conselho.

É fato, e serei repetitivo aqui, que o texto do novo estatuto representa um avanço considerável para o São Paulo. Ao definir critérios mais justos para eleição de conselheiros, de indicação para vitalícios, para o Conselho Fiscal e mandato de três anos para presidente, sem direito à reeleição, o passo dado à frente é muito grande. Mas não podemos perder a oportunidade – que é única – de aprovar já, no pacote todo, o voto direto do sócio.

A grande batalha que surgiu nos últimos dias, capitaneada pela oposição, é o voto secreto. O presidente Carlos Augusto de Barros e Silva fez uma reunião com os líderes dos principais partidos de sua base, para garantir maioria nesta quarta-feira a aprovar o texto da maneira que está, ou seja, que os conselheiros sempre votarão de forma aberta, nominal. A oposição chegou a colher assinaturas para aprovar o voto secreto. Isso é absolutamente claro em minha visão, pois nós, sócios e torcedores, queremos saber como cada um vota. Quem se esconde sob o voto secreto para qualquer coisa não tem condição de nos representar, pois não tem coragem de mostrar a cara e assumir uma posição. Na realidade essa briga visa a eleição de abril de 2017 e não o futuro do clube.

A oposição vai tentar uma manobra para destacar esse ponto e votar em separado. Mas o edital de convocação, lá atrás, não prevê isso. O que consta é que a votação será num todo, pois já foram feitos destaques. Ou os conselheiros aprovam ou rejeitam.

É muito triste que um assunto tão pequeno esteja causando esse barulho. O grande tema a ser debatido é o voto direto. Sem isso não há avanço. Mas tenho a razão disso estar acontecendo. Fiquei sabendo, através de contato com algumas pessoas ligadas aos membros da Comissão – que tem se mantido distantes de tudo – que os conselheiros, em sua maioria, jogam para a torcida. Dizem defender o voto direto, mas lá dentro, nos bastidores, não querem nem ouvir falar nisso. E trabalharam para que o assunto ficasse nas “disposições transitórias” e ali jogarão para baixo do tapete, pois o assunto voltaria à tona para ser votado e seria derrotado dentro do Conselho.

Sei perfeitamente que o novo estatuto vai ser aprovado no Conselho Deliberativo nesta quarta-feira. Mas vou continuar defendendo junto aos sócios a sua rejeição. Não me importa se ficaremos no limbo, se voltará a valer o estatuto atual, se o STF determinará a intervenção no clube. Nada disso vai mudar minha opinião. Nós temos que impor nossa vontade, pois somos uma coletividade, enquanto os que não querem são um mínimo irrisório, que se julgam donos do São Paulo. Alguns poderiam até estar num museu, pois primam pelo folclore.

Por isso podem olhar de lado para mim, senhores conselheiros. A guerra está começando. E eu estou entrando nela!

14 comentários em “Diretoria e oposição se esquecem do todo e brigam pelo pequeno

  1. Gostaria de ver se toda a torcida cobrasse este direito nos estádios, nos treinos, publicamente, na internet, se fizéssemos de fato uma pressão no sentido dessa democracia tricolor, se transformássemos esse pleito em uma panela de pressão, o que aconteceria.
    Força torcida, não desista!

    DIRETAS JÀ!!!!

  2. ST
    é parte ativa do PATRIMONIO
    sao realmente os q fazem a diferenca
    tomando chuva ou sol
    gastando do bolso
    indo e vindo
    apoiando e xorando
    devem sim participar com voto
    nao somente esses maurichinhos q se acham donos
    sao mediocres porque so governamm
    para beneficio proprio
    ou acabamos com isso
    ou acabamos com o q resta ado
    glorioso SAOPAULO FC
    dos antigamente, dos homems de peso
    como seus fundadores e duas geracoes adiante
    nao essas de aagora.

  3. E como comentário, assim como todos e me parece um bocado óbvio, futebol e social devem ser separados SIM e os conselheiros podem escolher o tão desejado presidente – DA PARTE SOCIAL – do futebol os ST, com uma categoria que possibilite isto e que tenha uma carência – 4,5 ou 6 anos, algo do tipo.

  4. Voto direto do sócio para presidente agora. Não existe justificativa para não incluir essa mudança.
    Voto do ST realmente é discutível. Devido a diferença do nro. de ST e dos sócios patrimoniais, não vejo como justa uma eleição com os votos dos STs. Seria preciso encontrar outra forma de incluir os STs na vida política do clube.
    Quem sabe elegendo uma parte do conselho. 20, 30 conselheiros. Elegendo, mas não sendo eleitos.

  5. Eleição direta pra presidente é primordial. Sem isso não dá nem pra começar a conversar.
    Defender modernização do estatuto sem começar por essa medida, é coisa de malandros cara-de-pau, usurpadores do poder e do patrimônio alheio.
    Legalmente os donos do clube são os sócios e ponto final.

  6. Senhor Newton Luiz Ferreira,que o senhor não cometa a sandice de concorrer a presidência do clube,a torcida não merece o senhor com todo o respeito de minha pessoa,mas a mim o senhor não engana.

  7. A diretoria que é mediocre se apoia numa maioria que se vende por qualquer coisa.
    Essa diretoria é medíocre!
    Os conselheiros, uma parte, são formados por vendedores de carro, vendedores de espelhos e vidros, vendedores de porquinhas e parafusos, velhos sedentários que se reunem na sauna do clube, que após tomar umas e outras, saem convictos que estão fazendo o bem.
    Portanto: são mediocres. Enganam-se. Só pensam nos seus umbigos. São pessoas, na maioria, sem cultura. Os sócios do SPFC devem avaliar bem quem os representam. Esse negócio de pedir voto assobiando e imitando passarinho ou achando que imitando o cantor Sidnei Magal não dará mais certo. Os sócios são culpados por terem dado um voto à esses conselheiros medíocres e semianalfabetos, mas serão burros se errarem na próxima eleição à conselheiros. Imbecis à rodo na diretoria e no Conselho Deliberativo.

  8. Acho que o mais justo e razoável seria o voto direto para presidente pelo ST mesmo. E concordo com você Paulo, um conselheiro que quer o voto secreto é porque não tem coragem de sustentar sua opinião e assim não tem condições de nos representar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.