São Paulo negocia renovações com Liziero e Militão e mantém otimismo

Diante dos pontos positivos que tem enxergado dentro de campo, a diretoria do São Paulo vem trabalhando com uma missão: renovar o quanto antes com seus dois titulares vindos das categorias de base. O foco está em Militão, que vem atuando como lateral-direito desde o ano passado, e o meio-campista Liziero, recém-promovido ao time principal e destaque nos últimos jogos, e há otimismo por parte dos dirigentes.

Os dois completaram 20 anos de idade já em 2018 e assinaram os contratos atuais no começo de 2016. Mas o vínculo de Liziero acaba em 7 de fevereiro de 2020, mais de um ano antes do que ocorre com Militão. Por isso, a situação do camisa 13 é considerada mais urgente.

O contrato do lateral-direito, assinado em 12 de janeiro de 2016, se encerra em 11 de janeiro de 2019. Desta forma, ele fica livre para assinar pré-contrato já em julho, saindo de graça do clube. Por conta disso, o seu caso chegou a ser dado como uma das prioridades de Raí quando o ex-meia foi apresentado como diretor executivo de futebol, em dezembro.

As conversas para renovar com Militão iniciaram ainda com Vinicius Pinotti, antecessor de Raí no comando do departamento de futebol, já que o garoto mostrou qualidade pouco depois de estrear no time principal, em maio do ano passado. Mas todos os dirigentes estão encontrando dificuldades.

Clubes italianos mostraram interesse em Militão, em 2017, e, recentemente, o Porto, de Portugal, apareceu como possibilidade. Mas nada oficial chegou às mãos da diretoria. E, nas conversas com dirigentes, os responsáveis pela carreira do jogador não indicaram vontade de levá-lo imediatamente ao exterior, o que dá esperança.

Já Liziero começou a treinar frequentemente com os profissionais em 9 de março e atuou em somente seis partidas. Mas o Bordeaux, da França, já indicou que tem o garoto na mira e conselheiros têm manifestado o temor de perdê-lo. A diretoria, contudo, se mostra tranquila.

O contrato de Liziero, assinado em 8 de fevereiro de 2016, acaba em 7 de fevereiro de 2020, exatamente o dia em que ele completará 22 anos de idade. E já há movimentações dos dirigentes para que esse vínculo seja ampliado. Diante do que tem sentido por parte do próprio jogador, a diretoria chega a dar a renovação como questão de tempo.

 

Fonte: Lance

3 comentários em “São Paulo negocia renovações com Liziero e Militão e mantém otimismo

  1. O Liziero, tudo bem, tem um bom tempo de contrato, mas, ainda assim, precisa saber de quanto é sua multa rescisória; caso contrário, se for baixa demais, algum time pode chegar e pagá-la, caso se acerte com o jogador. Agora o Militão, se renovar, vai ser a maior surpresa pra mim. Pelo pouco tempo que falta para ele poder assinar um contrato pra futuro, ele e seu pai não vão querer assinar com o S.Paulo; a menos que, seja por uma “carrada” de grana!!!

  2. Pensando profissionalmente os jogadores estão certos!!!!

    Quem está errado na história é a DIRETORIA!!!!!

    Se tem tanta confiança assim nas revelações por quê não se renovou o contrato no Primeiro jogo como profissional????

    Só vejo isso acontecer no São Paulo!!!!!

    As Serias vivem revelando jogadores e não vejo nenhum sair de graça como o Cipriano!!!!

    ESSA DIRETORIA É AMADORA!!!!!!!

  3. Para Militão deem uma semana pra se resolver… passado esse tempo se não aceitar a renovação claro com um valor bom para ambos os lados, encoste ele lá em cotia até vencer o prazo, ou seja janeiro/2019…

    O São Paulo da toda as condições para os jogadores da base serem alguém na vida, se eles acham que em outro clube se sairão melhor que assim seja, mas arquem com as consequenciais e não venham, com aquele MIMIMI que o Tricolor esta cerceando eles de exercer suas funções…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.