São Paulo dobra aposta em mudanças e repensa filosofia de novo com Diniz

O São Paulo viveu mudanças na comissão técnica 14 vezes desde que o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, assumiu a presidência. Foram onze técnicos, entre efetivos e interinos, em um período de turbulência cujo sintoma mais recente foi a contratação de Fernando Diniz, anunciado ontem à noite e apresentado oficialmente nesta tarde.

Leco herdou o cargo de Carlos Miguel Aidar em outubro de 2015, na mesma semana em que estreou o treinador Doriva. De lá para cá passaram pela comissão técnica Milton Cruz, Edgardo Bauza, André Jardine (três vezes), Ricardo Gomes, Pintado (duas vezes), Rogério Ceni, Dorival Júnior, Diego Aguirre, Vagner Mancini e Cuca. Agora é a vez de Fernando Diniz, que estreia no jogo com o Flamengo, às 19 horas (de Brasília) de amanhã (28).

Incluindo interinos, a média é de duas trocas por temporada. Foram quatro treinadores em 2016, três nos anos seguintes e mais quatro nesta temporada (veja a lista mais abaixo). Com todas estas mudanças, o São Paulo vive sequência de cinco anos trocando treinador durante uma campanha: o último a durar de janeiro a dezembro foi Muricy Ramalho, em 2014.

No início deste ano o plano era dar confiança a André Jardine, que internamente era visto com potencial e em conformidade com a filosofia buscada por Raí e Leco. Não durou nem 20 jogos, e o São Paulo adiantou uma recuperação pós-cirurgia de Cuca para mudar de rumo. Neste ínterim foram nove jogos com Vagner Mancini.

O time também muda de estilo, e com grande frequência. Na sequência de treinadores de 2019, há um vai e vem na maneira mais básica de pensar o jogo. Jardine tinha estilo cadenciado, amante da posse de bola e do jogo por posição; Cuca é adepto de um futebol mais ágil, de reação, que pegue o adversário de surpresa; agora Fernando Diniz pretende retomar a valorização da posse de bola e do volume de ataque.

O São Paulo vive jejum de títulos há sete anos, período que inclui as quatro temporadas sob presidência de Leco. O mais próximo que o Tricolor chegou de um título foi no último Campeonato Paulista, no qual perdeu a final.

As trocas de treinador da ‘era Leco’

Novembro/2015: Doriva sai, Milton Cruz assume (interinamente)

Janeiro/2016: Edgardo Bauza é contratado

Agosto/2016: Bauza sai para a seleção argentina, André Jardine assume (interinamente)

Agosto/2016: Ricardo Gomes é contratado

Novembro/2016: Ricardo Gomes sai, Pintado assume (interinamente)

Dezembro/2016: Rogério Ceni é contratado

Julho/2017: Rogério Ceni sai, Pintado assume (interinamente)

Julho/2017: Dorival Júnior é contratado

Março/2018: Dorival Júnior sai, André Jardine assume (interinamente)

Março/2018: Diego Aguirre é contratado

Novembro/2018: Diego Aguirre sai, André Jardine assume é efetivado

Novembro/2018: André Jardine sai, Vagner Mancini assume (interinamente)

Abril/2019: Cuca é contratado

Setembro/2019: Cuca sai, e Fernando Diniz é contratado.

 

Fonte: Uol

Um comentário em “São Paulo dobra aposta em mudanças e repensa filosofia de novo com Diniz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.