Grandes de São Paulo estudam trocas e “draft”

Juntos na mesma edição da Copa Libertadores pela primeira vez na história, os quatro grandes clubes de São Paulo se reaproximaram nesta semana, durante a viagem ao Paraguai para o sorteio da competição.

Dirigentes de Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo viajaram juntos ao Paraguai num avião fretado pela Federação Paulista de Futebol — e ao longo do voo conversaram sobre mais assuntos em comum do que a Libertadores de 2020.

Os quatro clubes paulistas lidam com algumas situações em comum para a próxima temporada: nenhum deles tem dinheiro sobrando para reformular o time à base de contratações bombásticas e todos têm elencos em que sobram jogadores que não serão utilizados em 2020.

A partir desse cenário, os cartolas entendem que faz mais sentido promover trocas de jogadores do que negociações que envolvam desembolso de dinheiro. A ideia agrada a dirigentes ouvidos pelo GloboEsporte.com.

Um deles citou até a possibilidade de realização de um “draft” — processo de alocação de atletas em times muito comum em ligas profissionais americanas. Os clubes fariam uma lista comum dos atletas com quem não pretendem contar, e eles ficariam disponíveis para serem escolhidos pelos demais.

A efetivação de qualquer negócio obviamente depende de aval das comissões técnicas, e cada clube está em situação muito diferente.

O Santos ainda não definiu o sucessor de Jorge Sampaoli; o Palmeiras apenas começou a conversar sobre o planejamento com Vanderlei Luxemburgo; o Corinthians ainda nem apresentou Thiago Nunes. No São Paulo, que tem o trabalho mais “consolidado”, Fernando Diniz chegou há menos de três meses.

Corinthians, Palmeiras e Santos enviaram seus respectivos presidentes ao sorteio da Libertadores — Andres Sanchez, Mauricio Galiotte e José Carlos Peres. O São Paulo mandou o gerente-executivo de futebol, Alexandre Pássaro.

Os dirigentes chegaram juntos à sede da Conmebol, estiveram juntos no sorteio e depois foram jantar na mesma churrascaria. O evento também marcou a reaproximação definitiva entre os presidentes do Palmeiras e da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro Bastos.

Galiotte rompeu com a FPF depois da polêmica final de 2018, quando o Palmeiras levou à justiça uma reclamação de interferência externa na arbitragem. Depois de um ano e meio de afastamento, o Palmeiras voltou a manter relações com a federação.

Fonte: Globo Esporte

Um comentário em “Grandes de São Paulo estudam trocas e “draft”

  1. Na década de 1970 o então presidente do Fluminense, Francisco Horta, liderou o mesmo movimento entre os grandes do RJ e a iniciativa foi um sucesso.
    Em tempos de menos malícia a imprensa noticiava os “troca trocas” e a torcida comprou a ideia.

    É uma forma de valorizar o evento – no caso o Campeonato Estadual – sem necessidade de desembolsar recursos. A curiosidade da torcida com os novos contratados gera mais audiência para a mídia especializada e maior público nos estádios.

    Nossos dirigentes tem que entender que não são inimigos dos demais clubes, mas sim que são todos sócios em um negócio chamado “futebol brasileiro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.