Entenda o déficit do São Paulo e veja como impacta na montagem do time

O São Paulo fechará o ano com déficit de R$ 180 milhões se não vender um ou mais jogadores ainda neste mês. A informação, passada aos conselheiros na reunião da última quinta-feira à noite, deixou o torcedor assustado e se perguntando sobre os impactos que isso terá na montagem do elenco para 2020. O cenário é preocupante e a venda de Antony já nesta janela é considerada inevitável, mas não deve inviabilizar, por exemplo, a compra de Tiago Volpi.

O registro do déficit de R$ 180 milhões não significa que todo este dinheiro já saiu ou sairá em curto prazo do caixa do São Paulo.

Um exemplo disso é a dívida referente à contratação de Ricardinho, em 2002. Em novembro, o clube chegou a acordo com as empresas que auxiliaram na chegada do atleta naquela época, RES Empreendimentos e Participações e Time Traveller Turismo, se comprometendo a pagar R$ 30 milhões para encerrar a briga judicial. O valor será parcelado até 2023, mas já entrou no passivo do balanço de 2019, o que colaborou muito para o aumento no valor do déficit – em agosto, era de R$ 76,5 milhões.

O clube também fez acordos recentes para dar fim a processos antigos movidos por ex-jogadores e pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). Esses pagamentos serão parcelados, como no caso Ricardinho, mas os valores totais já constam no passivo, aumentando o déficit, que já era alto devido às eliminações precoces, altos investimentos no futebol e receitas que ficaram aquém do esperado.

Em suma, o clube não precisa desesperadamente de R$ 180 milhões, que fariam o ano fechar “no azul”. A necessidade não é acabar com o déficit, mas melhorar o fluxo de caixa para não ter problemas ao longo do primeiro semestre de 2020. Calcula-se que R$ 80 milhões já ajudariam.

É por isso que a venda imediata de ao menos um jogador é considerada fundamental pelo clube. A saída de Antony já nesta janela, provavelmente para o Borussia Dortmund, já é dada como inevitável nos bastidores tanto pelo São Paulo quanto pelo jogador e sua equipe de trabalho. No meio do ano, o Tricolor recusou 20 milhões de euros (R$ 90 milhões na cotação atual) do Manchester City pelo jovem. Agora, negocia para receber algo próximo disso e ainda garantir ganhos futuros, seja nas próximas vendas dele ou com bônus por metas alcançadas.

Esse aperto financeiro do São Paulo fez com que o clube elaborasse um orçamento voltado para a contenção de despesas e aumento de receitas para 2020. A busca por redução de gastos inclui a diminuição da folha salarial do futebol profissional (o clube iniciou uma reformulação em sua área de saúde com quatro demissões e apenas uma chegada e vai tentar negociar atletas que têm salários robustos e jogam pouco) e também uma previsão de poucos gastos em compras de jogadores: o documento prevê apenas R$ 21,5 milhões em aquisição de direitos econômicos.

Como Igor Vinícius já foi comprado por R$ 2 milhões, que serão pagos ao longo de 2020, sobram R$ 19,5 milhões para contratações. Esse valor é menor do que a cláusula de compra de Tiago Volpi (cerca de R$ 20 milhões), mas isso não impede a renovação dele.

O motivo: em caso de contratação, duas parcelas da compra de Volpi (total de 1,25 milhão de dólares ou R$ 5 milhões) serão pagas em 2021. Dessa forma, esse valor não é abatido da verba de contratações de 2020.

A expectativa pela permanência do goleiro, uma prioridade do clube, segue alta, mas, de qualquer maneira, haverá pouco dinheiro para investir em atletas para a próxima temporada. Até por isso, o objetivo do clube é fazer os reforços contratados em 2019 renderem melhor (casos de Hernanes, Pato e Pablo, por exemplo) e fazer apenas contratações pontuais, se possível com gasto bem baixo e trocas.

 

Fonte: Lance

3 comentários em “Entenda o déficit do São Paulo e veja como impacta na montagem do time

  1. O resultado reflete a má gestão desse malfado, incompetente e senil Leco. Sem nenhuma dúvida, um dos dois piores Presidentes do SPFC…O outro é o que o antecedeu: CM Aidar!

  2. Promessa de boca de canalha fracassado ninguém deveria acreditar.
    Esse verme lazarento está acabando com o clube e os arrombados conselheiros vendidos o apoiam, ninguém ama esse clube, soh nós os trouxas que ainda acreditamos e pagamos as contas pra safado se dar bem.

    Vejam o exemplo do Guarani, Portuguesa e recentemente o Cruzeiro, clubes afundados por canalhas que estão ricos, mas largaram os clubes na miséria.
    Se não tirar esses ratos canalhas do clube, o SPFC pode ser o próximo.
    Tem pilantra que está lá que nem saopaulino eh.
    Descurtir · Responder · Excluir ·

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.