Diário inglês relembra carreira de Pato e o classifica como ‘playboy’

No último domingo, o diário inglês Daily Mail publicou uma longa reportagem sobre a carreira de Alexandre Pato, atualmente no São Paulo. No texto, é relembrado a meteórica ascensão do jogador e as projeções megalomaníacas que foram feitas no início de sua trajetória. Além disso, cita o fracasso dessas previsões e como, segundo o jornal, ele se transformou em um “playboy”.

O título da matéria começa ironizando o que aconteceu com a carreira do jogador. Traduzido para o português, a manchete diz: “O curioso caso de Alexandre Pato: prodígio brasileiro cotado para se equiparar a Pelé, que se tornou um playboy exilado na China, depois de fracasso no Milan, empréstimo bizarro ao Chelsea e muitas festas”.

Vale lembrar que em 2016, quando o atacante ainda pertencia ao Corinthians, depois de boa passagem cedido ao São Paulo, o Chelsea assinou com ele por um empréstimo de seis meses, naquele que poderia ser seu retorno triunfal para a Europa, mas com o clube inglês ele fez apenas duas partidas, uma como titular, e marcou dois gols em 131 minutos em campo pela Premier League.

No subtítulo da reportagem foi colocado um pequeno resumo em tópicos, com as seguintes frases já traduzidas e contextualizadas para o português:

– Alexandre Pato provocou comparações com as lendas Pelé e Ronaldo após surgir no futebol brasileiro;

– Ele era apenas um adolescente quando o Milan o contratou como um dos jogadores mais promissores do futebol mundial;

​- Pato badalou com Ronaldinho e se relacionou com uma lista de belas mulheres durante sua passagem por Milão;

​- No entanto, lesões o afetaram após um brilhante começo e ele perdeu destaque antes de voltar para casa;

​- Após uma desastrosa passagem pelo Corinthians, Pato surpreendentemente assinou por empréstimo com o Chelsea, mas ele não foi jogar;

– Por fim, o jogador que um dia foi cotado a conquistar o mundo acabou no Tianjin Quanjian, na Super Liga Chinesa.

Apesar de na maior parte do tempo comentar os fracassos de Pato, a matéria também elogia o potencial do jogador e cita o bom início no Milan, a excelente passagem pelo São Paulo em 2014 e 2015, além de analisar que ele era bom demais para o futebol chinês. Por fim, o repórter Adam Shergold inclui mais uma ironia ao comentar o retorno do jogador ao Tricolor: “Uma coisa é certa: Pato sendo Pato, sua estadia não será monótona”.

Alexandre Pato voltou a vestir a camisa são-paulina em abril deste ano, após o clube ganhar a disputa por sua contratação com o Palmeiras. Aos 30 anos, sua identificação com o Tricolor falou mais alto. De lá para cá ele atuou em 22 jogos oficiais e marcou cinco gols. Prejudicado por lesões e com dificuldade para manter uma boa sequência de atuações, tanto com Cuca quanto com Diniz, o atacante entrou em campo em 55% das 40 partidas do time desde que chegou.

 

Fonte: Lance

5 comentários em “Diário inglês relembra carreira de Pato e o classifica como ‘playboy’

  1. Pato tem em 2020 a última chance de ser lembrado por algo além disso…

    Torço para que aproveite bem essa chance. E principalmente que Diniz pare de escalar ele como centroavante… sempre jogou aberto ou o como segundo atacante. Cara fez dupla de ataque com Ibra, LF9 e outros, mas nunca foi o 9.

  2. Os ingleses mostraram que, realmente, conhecem bem o Alexandre “Duck”. Play-boy é um rótulo bastante apropriado para ele… O certo é que fez, e continua fazendo, muito mais sucesso na cama das alcovas, que no relvado, como falam os portugueses. Agora, bem aportado no solar milionário dos Abravanel, restará a ele curtir a boa vida que Deus, com a aquiescência de dirigentes jejunos e incautos, lhe proporcionaram.

  3. Aí vc vai e diz que seria um erro o clube contratar esse traste por uma fortuna, e só falta o povo bater na sua mãe por causa dessa opinião.
    Grande jogador, sqn.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.