Ainda há paciência: entenda o que o São Paulo quer de Diego Souza

O corte de Diego Souza da viagem para a Argentina, para a estreia do São Paulo na Copa Sul-Americana, contra o Rosario Central, tem uma explicação simples: o fraco desempenho do camisa 9 nas partidas do Tricolor. Contratado por R$ 10 milhões do Sport, o experiente jogador, de 32 anos, ainda não conseguiu demonstrar um bom futebol no clube do Morumbi, mas a comissão técnica chefiada por Diego Aguirre não desistiu do meia-atacante.

Diretoria, torcida e funcionários do clube esperam que jogador demonstre mais intensidade e poder de reação em campo. O duelo contra o Corinthians, em Itaquera, pela semifinal do Paulistão, pode ser usado como exemplo para ilustrar a fase de Diego Souza.

Naquela ocasião, o jogador entrou no segundo tempo da partida e teve pelo menos uma boa chance de fazer o gol que colocaria o Tricolor na decisão, mas não teve a postura esperada e tomou decisões erradas. Nas penalidades, Diego parou nas mãos de Cássio e o São Paulo foi eliminado do estadual.

Em sua chegada ao clube, no dia 11 de janeiro, o camisa 9 brigava por uma das 23 vagas na lista de Tite para a Copa do Mundo da Rússia. As seguidas más atuações no Tricolor praticamente liquidaram suas chances de irem para o Mundial. Ao todo, o meia-atacante soma 16 jogos, 989 minutos em campo e apenas três gols pela equipe do Morumbi.

Apesar do momento de Diego Souza não ser dos melhores, a comissão técnica acredita que o corte, justamente em um jogo tão importante, possa surtir algum efeito no atleta. Atualmente, seja entre os meio-campistas ou entre os atacantes, o camisa 9 está atrás de todos os seus concorrentes e precisa demonstrar serviço para retomar o prestígio de outrora.

O meio-campista Nenê, um dos jogadores do elenco que Diego mais tem afinidade, tem avaliação oposta. O ex-vascaíno colocou o peruano Cueva no banco de reservas e foi bem aceito pelos torcedores. O centroavante Tréllez, apesar de ainda estar devendo tecnicamente, é outro que está com o moral alto no clube por conta de sua entrega dentro de campo – justamente o que falta em Diego.

Embora a postura do camisa 9 dentro de campo não seja a ideal, fora das quatro linhas o comportamento de Diego é elogiável. O jogador tem uma boa relação com as pessoas do clube e não há nem um caso sequer de indisciplina ou atraso registrado desde a sua chegada no São Paulo. Por isso, há esperança. O problema de Diego Souza não é comprometimento, é técnico.

 

Fonte: Lance

2 comentários em “Ainda há paciência: entenda o que o São Paulo quer de Diego Souza

  1. Amigo, ganhando o que o cara ganha só se for uma toupeira maior do mundo para provocar problema. Vai bater o ponto diariamente no horário, fazer o treinamentos segundo sua capacidade física, brincar de bola todo dia, coisa que muitos de nós pagamos pra fazer em campinhos alugados, enfim: cumprir honrosamente seu contrato até o fim.
    Lógico que isso tenho pensado desde sua contratação. Mas o que eu realmente gostaria é que ele, Diego Souza, tomasse um choque de realidade e visse que, com 32 anos ainda não é para estar acabado e desinteressado. Futebol ele sabe jogar e não isso não se esquece. O que ele precisa é tomar vergonha e entrar em forma física para ter a intensidade que o esporte exige dos atletas. Em forma, com certeza, a cabeça e as pernas agirão em conjunto e ele vai jogar o que se espera – não como craque, que ele não é; pelo menos como um bom jogador experiente. A título de sugestão, o Diego poderia fazer uma visita ao Zé Roberto pra tomar uns conselhos do que fazer para continuar.
    Quem sabe???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.