Wellington ironiza a postura de juízes autoritários: ‘Seria melhor tirá-los’

O elenco são-paulino se reapresentou no CT da Barra Funda, nesta sexta-feira, após o empate diante do Arsenal, pela terceira rodada do Grupo 3 da Copa Libertadores. Após o jogo, os jogadores reclamaram da atuação do árbitro colombiano Wilmár Roldan. No dia pós-jogo, o assunto também foi bastante comentado.

Suspenso pelo terceiro amarelo, o volante Wellington reclamou da advertência sofrida diante da equipe argentina. Na ocasião, ainda no primeiro tempo, o camisa 5 recebe um “tranco” do adversário e, na sequência, rebate na mesma medida. Contudo, só o são-paulino levou cartão.

– Eu não preciso nem rever, estava presente, tomei um empurrão, poderia até machucar o meu joelho e eu quase realmente machuquei o joelho. O juiz viu, fingiu que eu não viu, eu empurrei (o adversário) para me levantar e levei amarelo. Se você falar alguma coisa do juiz, é perigoso até pegar um gancho – declarou o jogador, durante entrevista coletiva.

Com perfil irônico e bastante brincalhão, o jogador até pensou em alguma alternativa para evitar que árbitros ‘autoritários’ pudessem interferir na partida.

– Seria melhor tirar o juiz (risos). Não podemos esquentar a cabeça, como até teve o caso do Luis. Eu tenho certeza, ele não falou nada, nada que pudesse falar do juiz e o juiz, em vez de falar, o expulsou – declarou o volante.

O camisa 5 são-paulino ainda endossou a defesa para com o atacante Luis Fabiano e resumiu qual foi a conversa com atacante com o árbitro colombiano. Segundo o volante, o juiz tem de saber escutar mais os jogadores em campo.

– Falou que o certo, com muita educação, que o certo seria no mínimo cinco minutos. Falou com educação, ele é o árbitro, mas ele também tem de ter humildade para escutar os jogadores, não é agir da forma como ele agiu – completou.

 

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*