Torcedor Lucas aposta em elenco e tradição do São Paulo: ‘Eu acredito!’

O São Paulo ainda sente muita saudade de Lucas. Sem o atacante, vendido por 117 milhões de reais ao PSG, o time não se encontrou. Ney Franco procura – e não encontra – um substituto para o jogador, que também deixou lacuna enorme no coração dos torcedores. Mas a saudade é recíproca. Em Paris, e muito bem tratado pelos franceses, o jogador disse que acredita na classificação do Tricolor para as oitavas de final da Taça Libertadores.

O time precisa vencer o Atlético-MG, melhor da competição até agora com nove pontos a mais em apenas cinco rodadas, e ainda torcer para que o Strongest não derrote o Arsenal. Se o jogo da Argentina terminar empatado, o São Paulo ainda poderá ter de construir uma diferença de pelo menos dois gols. Para piorar, o artilheiro Luis Fabiano e o melhor jogador da equipe, Jadson, suspensos, não poderão jogar.

Mesmo com tantos fatores contrários, Lucas acredita. Segundo ele, apesar do ótimo momento do Atlético-MG, e dos desfalques, o São Paulo tem elenco e, principalmente, tradição suficientes no torneio para avançar.

– É uma situação muito complicada, mas dá pra ganhar. Eu acredito! Sem o Luis Fabiano e o Jadson, que vive um grande momento, a parte mais difícil vai ser vencer o Atlético, essa tem de ser a preocupação. O São Paulo tem que deixar o jogo da Argentina para depois. Acho que lá vai dar tudo certo, o Arsenal vai segurar o Strongest. Não é possível vencer no Morumbi e não dar certo. O São Paulo tem elenco e tradição, e isso conta – afirmou.

Lucas acompanha tudo que se passa com o Tricolor. Durante os dias de crise mais intensa neste ano, perguntava ao seu estafe sobre as divergências entre o técnico Ney Franco e os jogadores, os problemas a que Luis Fabiano se referia nas entrevistas. Também há pessoas do clube com quem ele mantém contato.

O volante Wellington era seu grande amigo no Morumbi. Já Rogério Ceni era ídolo, e depois virou fã. Desde que Lucas foi vendido, no início do segundo semestre do ano passado, o goleiro manifestou sua preocupação com o futuro da equipe sem ele. O carinho era tanto que no pódio da Copa Sul-Americana, após o título, Ceni colocou a faixa de capitão no braço do atacante, que fazia sua despedida, e deixou que ele levantasse a taça.

– Sempre falo com eles. O Rogério, o Wellington, o Milton Cruz. Quero dizer que estou torcendo muito, acompanhando tudo de longe. Sempre falei que eles sabem como foi difícil se classificar para a Libertadores. Agora que eles estão disputando, têm de lembrar disso e darem o melhor em campo – receitou.

Além do título da Sul-Americana, a quarta colocação no Campeonato Brasileiro deu ao São Paulo o direito de disputar a primeira fase da Libertadores, em que passou pelo Bolívar. No fim do ano passado, o diretor de futebol Adalberto Baptista disse que a “cereja do bolo” das contratações para 2013 seria o substituto de Lucas. O alvo era o chileno Eduardo Vargas, mas o Grêmio levou a melhor. Nesta quarta-feira, Douglas, mais uma vez, deverá fazer o papel que era do atacante pela direita, já que Jadson está suspenso.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*