São Paulo vê dificuldade em conter brigas de boleiros nas redes sociais

A discussão de Denílson com um torcedor no Twitter nesta segunda-feira não é o primeiro caso de atleta do São Paulo que se envolve em polêmicas na rede social. Alex Silva e Lucas, quando estavam no elenco, também passaram por isso. O clube costuma lidar com frequência com esse tipo de situação, e admite que, mesmo com todos os aconselhamentos, não existe como exercer algum controle.

Apesar de sofrer com polêmicas em redes sociais, o São Paulo descarta montar uma cartilha ou uma espécie de guia demonstrando aos jogadores como eles devem proceder em suas contas na internet. Internamente, a opinião da diretoria é de que os atletas precisam ter responsabilidade suficiente para não cair em provocação de torcedores e saber que assuntos entre colegas devem ser debatidos de maneira privada.

“Nós não temos como ter um controle absoluto sobre esse tipo de coisa. Procuramos, em linhas gerais, dar um padrão de conduta, de como se comportar com esses problemas. Não tem muito como ir além disso”, disse ao UOL Esporte Carlos Augusto de Barros e Silva, vice-presidente do clube. Ele confirmou que nesses casos não cabe uma punição ao jogador, apenas uma simples advertência para ter mais cuidado.

Nesta segunda-feira, Denílson ofendeu um torcedor em seu Twitter por não ter gostado de um comentário sobre ele. O fã respondeu ameaçando o jogador, que apagou a troca de insultos de sua página e postou nova mensagem colocando panos quentes.

Ainda no primeiro semestre de 2011, no dia da eleição para presidente do São Paulo, o zagueiro Alex Silva criou uma crise com declarações feitas em sua página no Twitter. O defensor criticou o presidente são-paulino, Juvenal Juvêncio, que disse em entrevista ao jornal “Lance!” que ele teria inventado uma proposta do Sporting de Portugal. “Procura se informar Juvenal, para depois falar”, postou o atleta. Horas depois, novamente no microblog, tentou desfazer a confusão, que chamou de “infelicidade”.

Mais recentemente, o meia Lucas, hoje no PSG, também usou a internet para desabafar sua insatisfação com o então técnico Leão. No ano passado, após uma vitória por 1 a 0 sobre o Independente, pela Copa do Brasil, o treinador reclamou da individualidade do atleta, que revidou via Twitter.

“Às vezes não entendo. Se parto para cima, eu estou errado, se toco de lado também estou errado. Não sei mais o que faço. O que me deixa mais feliz é entrar aqui e ver o carinho que minhas fãs têm comigo. Isso me dá muita força e não deixa eu ficar triste”, escreveu.

Todos os casos repercutiram negativamente, mas o São Paulo adotou a mesma postura em cada um deles. O jogador é chamado para uma conversa, orientado pelo departamento de comunicação do clube e seu exemplo é usado para alertar os companheiros sobre como proceder nas redes sociais.

Além disso, os assessores de imprensa ficam de olho no dia a dia para tentar evitar esse tipo de polêmica. Como exemplo, eles costumam usar o caso do goleiro Felipe, que, quando estava no Santos, humilhou um torcedor via webcam, dizendo que ele gastava mais com a ração de seus cachorros do que os torcedores recebiam de salário.

Denilson apaga a mensagem

O volante Denílson discutiu com torcedores em seu Twitter e foi ameaçado. Questionado sobre seu desempenho, ele xingou um fã, que respondeu com ameça. Depois disso, o volante apagou os comentários e tentou se justificar. Após o atleta jurar amor ao clube, um internauta retrucou. “Só falar não resolve. Tem que demonstrar. Está na hora de parar com marketing e próprio e jogar bola”, escreveu. Denilson respondeu com palavrão. “Vai tomar no c…”. Logo em seguida, indignado, o mesmo torcedor ameaçou o atleta.

 

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*