São Paulo pede alto para alugar CTs para Colômbia e Estados Unidos

A Copa do Mundo de 2014 vai gerar um enorme faturamento para vários setores da economia brasileira. Porém, especificamente os clubes de futebol não têm tanto o que comemorar nesta temporada. De acordo com o diretor financeiro do São Paulo, Oswaldo Vieira de Abreu, as empresas concentram os seus investimentos na Copa, deixando pouco de seus orçamentos para os clubes. Entretanto, para tentar lucrar com a disputa do Mundial no Brasil, o Tricolor tenta faturar o máximo que puder com a cessão dos seus dois centros de treinamento: Barra Funda e Cotia.

O primeiro, usado pelo time profissional, foi escolhido pelos Estados Unidos. Já o segundo, das categorias de base, tinha tudo para ser da Colômbia. Estava tudo praticamente fechado, porém, os altos valores pedidos pelo São Paulo estão arrastando a definição de acordos com os países. E os negócios podem até melar.

– Nós só vamos aceitar ceder os nossos dois centros de treinamentos se recebermos um valor significativo. Isso vai ser definido nos próximos dias com Colômbia e Estados Unidos. Mas não posso dizer os valores até que sejam definidos – afirmou ao GloboEsporte.com o assessor da presidência tricolor, José Francisco Manssur.

Curiosamente, a delegação americana já tinha até escolhido um período de aclimatação para este mês, no CT da Barra Funda. Mas, por enquanto, até que os valores sejam acertados, não há uma definição. Outro ponto que está emperrando os acordos é o fato de que os contratos de utilização de centros de treinamentos para a Copa do Mundo, redigidos pelo Comitê Organizador Local (COL), permitem que a seleção que escolher o local possa fazer reformas para modificar a estrutura encontrada. O São Paulo não aceita que sejam feitas mudanças nas suas propriedades e está negociando isso diretamente com Colômbia e Estados Unidos. Representantes das duas federações estão em contato direto com a diretoria são-paulina.

– Se for para ceder Cotia e Barra Funda quase de graça, vamos preferir conservar os centros de treinamentos. Sem uso, não há prejuízo algum. Em um primeiro momento, o valor não faria muita diferença no nosso orçamento. Mas como 2014 vai ser um ano difícil, por conta da Copa, essa receita pode ser interessante – argumentou o diretor financeiro Oswaldo Vieira de Abreu.

De acordo com Abreu, o orçamento para 2014 prevê um superávit de apenas R$ 500 mil, com R$ 311 milhões de receita e quase o mesmo de despesas. Sendo assim, apesar de fechar bons acordos com Colômbia e Estados Unidos, o balanço não vai ser tão afetado.

– A previsão orçamentária para este ano é muito parecida com a de 2013. As despesas do futebol são altas. E 2013 não foi um ano bom para o São Paulo. Na verdade, foi um ano muito difícil de receita para todos os clubes 2013. Em termos de bilheteria foi muito ruim, porque saímos fora da Libertadores e da Sul-Americana antes das finais. No Brasileiro, tivemos que fazer um valor de ingresso mais baixo, mesmo faturando mais do que em outros anos. Isso, no final tem um efeito ruim – explicou ele.

Resta esperar os próximos dias para ver se a Copa do Mundo de 2014 vai ser financeiramente boa para o São Paulo, clube que não deverá ceder nenhum jogador para a seleção brasileira comandada por Luiz Felipe Scolari.

Fonte: Globo Esporte

Um comentário em “São Paulo pede alto para alugar CTs para Colômbia e Estados Unidos

  1. Já viram que esta administração não consegue absolutamente nada?

    Nem alugar o próprio patrimônio.

    E tem conselheiro que vai votar nisto aí de novo….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*