São Paulo começa 2014 em ritmo de 2013; veja 5 pontos que assustam

O São Paulo viveu a maior crise de sua história recente em 2013, lutou por dois meses contra o rebaixamento no Brasileirão, e falou durante mais de dois meses em identificar os erros cometidos para não repetir as falhas em 2014. Pois a nova temporada começou e muito daquele São Paulo que sofreu péssimos momentos pode ser visto na estreia no Paulistão, no último domingo, que acabou em derrota por 2 a 0 para o Bragantino, em Bragança Paulista.

A exibição do São Paulo na estreia reflete muito do que aconteceu nos últimos meses, período no qual o clube não conseguiu colocar em prática soluções ou medidas que amenizariam problemas existentes. Abaixo, cinco pontos que assustam o São Paulo e o torcedor são-paulino neste início de temporada.

Reformulação prometida não aconteceu

Durante a crise vivida pelo São Paulo, o planejamento da diretoria era reformular a equipe para 2014, para que não sofresse igualmente na nova temporada. Até o fim de outubro o presidente Juvenal Juvêncio falou em alterações drásticas no plantel, com grande número de dispensas em contratações. Ao passo que o clube não conseguiu entrar no mercado de transferências – problema antecipado publicamente por Muricy Ramalho – a diretoria mudou o discurso. Falou na contratação de até quatro jogadores. Entre o fim da temporada de 2013 e o começo de 2014, apenas o lateral direito Luis Ricardo foi contratado. Para piorar, o clube perdeu Aloísio, o Boi Bandido, um dos destaques do segundo semestre e que terminou o ano colocando Luis Fabiano no banco de reservas. O uruguaio Álvaro Pereira foi contratado na última semana. Ele poderá atuar tanto na lateral como na ponta esquerda.

Diretoria falhou nas negociações da maioria das tentativas

Até agora foram mais fracassos do que sucessos no mercado de transferências para o São Paulo. A diretoria tentou contratar o volante Jucilei, o meia Marlone, os atacantes Eduardo Vargas, Marcelo Cirino e Marquinhos Gabriel, e não conseguiu nenhum deles. Outros objetivos, Rafael Sóbis e Souza também têm negociações complicadas. Fluminense e Grêmio querem o zagueiro Rhodolfo para selar uma troca. Por isso, apenas um dos dois deve se transferir para o São Paulo.

Eleição será em abril e atrasa o planejamento

A eleição presidencial do São Paulo será no fim de abril, daqui a pouco mais de três meses, e naturalmente toma parte da atenção da diretoria desde o fim do ano passado. Juvenal Juvêncio demorou para indicar quem gostaria de ter como sucessor, contrariou expectativas e interrompeu um processo interno pela escolha de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, vice-presidente, para nomear Carlos Miguel Aidar, ex-presidente, como candidato da situação. De lá até a data da eleição, parte da diretoria estará dividida entre as tarefas comuns e a corrida eleitoral. Caso a oposição, de Kalil Rocha Abdalla e Marco Aurélio Cunha, vencer o pleito, um novo trabalho começará do zero.

Não há reserva para Luis Fabiano, que mantém nível

Desde o retorno de Luis Fabiano, em março de 2011, o reserva que mais atua no São Paulo é a sombra do camisa. Em 2012, Willian José fez esse papel, ocupado até o fim do ano passado por Aloísio, o Boi Bandido, que deixou o clube para se transferir ao Shandong Luneng, da China. O clube dessa vez começa a temporada sem uma alternativa para o centroavante, que na estreia da temporada, contra o Bragantino, teve má atuação e demonstrou nível semelhante ao que apresentou no segundo semestre de 2013. A diretoria procura opções no mercado, mas admite que pode não conseguir contratar.

Dupla que estava em baixa começa mal

Jadson e Osvaldo foram os dois melhores jogadores no primeiro semestre de 2013, sob o comando de Ney Franco. Ambos chegaram à seleção brasileira no período. O meia, camisa 10, participou da campanha do título da Copa das Confederações, ao lado de Neymar e Luiz Felipe Scolari. O atacante recebeu propostas milionárias da Europa no período, todas recusadas pela diretoria. Durante a crise no segundo semestre a dupla decaiu. Não só parou de jogar bem como virou reserva da equipe principal. Com Muricy Ramalho a situação para os dois piorou ainda mais. Jadson e Osvaldo passaram a ser pouco utilizados. Agora, em 2014, não há sinais de que haverá mudança: o meia não foi nem relacionado para a estreia no Paulistão, enquanto o atacante ganhou chance como titular nos treinos de pré-temporada, perdeu vaga para Ademilson no primeiro coletivo e iniciou a temporada no banco, novamente.

 

Fonte: Uol

Um comentário em “São Paulo começa 2014 em ritmo de 2013; veja 5 pontos que assustam

  1. Aconteceram os mesmos fatos em 1988 e início de 1989. Caímos para a 2a. divisão do Paulistinha (lembram?) e tudo sob o comando dessa anta J. Juvêncio. Ele é ruim mesmo! É bom de conversa, é politizado e gosta, ou gostava, de um whisky como poucos. Gostaria que este Senhor voltasse para o seu sítio e de lá não saísse mais. Os torcedores do nosso querido SPFC não o merecem!!!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*