Roberto Dias, o marcador que encantou Pelé

Melhor quarto-zagueiro do Brasil, segundo Pelé, Roberto Dias completaria 71 anos de idade nesta terça-feira (7). Um dos melhores jogadores na história do São Paulo Futebol Clube, o marcador faleceu em 2007, aos 64 anos, e deixou saudades na torcida são-paulina. Dono de uma habilidade fora do comum para defensores, Dias escreveu o seu nome no clube e participou das conquistas dos Campeonatos Paulistas de 1970 e 1971.

Versátil e polivalente, jogou na Seleção Olímpica do Brasil em 1960, em Roma, formando o meio de campo com Gérson. Além disso, o marcador integrou diversas vezes a Seleção Brasileira. Assim, experiente, Roberto Dias foi conquistando o seu espaço no time são-paulino e encantando os torcedores. Estreou em maio de 1960 e defendeu o São Paulo até julho de 1973.

No período em que esteve no clube, o zagueiro disputou 527 partidas e balançou as redes 78 vezes. Foi o grande craque do São Paulo dos anos 60, década em que o time não conquistou nenhum campeonato paulista, porque concentrava seus esforços na construção do Morumbi. Mas os torcedores iam a campo só para vê-lo, tamanha a intimidade que tinha com a bola. Colocava-a onde queria nas faltas perto da área e dava chapéus inclusive em Pelé.

“Eu dizia que o Dias era um grande jogador, que costumava fazer mais o papel do Clodoaldo. Mas em jogos contra o Santos, ele me marcava. E era chato pra caramba na marcação (risos). Mas era um jogador muito bom e que jogava na bola. Eu tive grandes jogadores me marcando, entre eles o Beckenbauer, da Alemanha. Mas o Dias foi realmente um dos melhores”, recorda o Rei do Futebol, que nunca escondeu a sua admiração pelo atleta tricolor.

Além do maior jogador de futebol de todos os tempos, Muricy Ramalho também elogiou o marcador. “Era o maior ídolo do São Paulo na época da construção do Morumbi”, afirma o técnico são-paulino.

Um infarto, porém, aos 28 anos de idade, atrapalhou muito a sua carreira. Depois do São Paulo, Dias jogou no CEUB-DF, em 1973, Dom Bosco-MT, em 1973, no Jalisco, do México, de 1974 a 1977, e no Nacional-SP, em 1978. No dia 26 de setembro de 2007, em São Paulo-SP, Roberto Dias Foi vítima de parada cardio-respiratória e faleceu aos 64 anos de idade.

 

Fonte: Site Oficial

2 comentários em “Roberto Dias, o marcador que encantou Pelé

  1. Foi o melhor jogador do São Paulo que eu vi jogar sendo que o jogo mais antigo de que me lembro é São Paulo 3 x Corinthians 1 na decisão do Campeonato Paulista de 1957.
    A minha seleção do São Paulo de todos os tempos é Roberto Dias e mais 10 e eu tive o imenso prazer de lhe dizer isso, pessoalmente, nas alamedas do Morumbi.

  2. Foi e sempre será meu maior ídolo do São Paulo, a despeito de Raí e Rogério Ceni, para citar os mais presentes na memória dos sãopaulinos. Quem viu Dias jogar nunca esquecerá a sua habilidade dentro e fora da área. Foi nosso referencial nos anos 60 e qualquer time formado pelos melhores do São Paulo de todos os tempos deve ter seu nome incluído (mesmo considerando a mais perfeita zaga que já vi: Oscar e Dario Pereira). Será sempre lembrado e reverenciado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*