Recuperação do São Paulo passa por melhora no ambiente do CT

Um eventual tropeço nesta quarta-feira, contra a Ponte Preta, pela semifinal da Sul-Americana, pode até abalar o São Paulo, mas não deixará o clima no CT da Barra Funda ruim como era meses atrás. A reconstrução do bom ambiente no local de trabalho diário é muito exaltada por Muricy Ramalho. Os resultados obtidos por ele foram fundamentais para isso, mas a mudança começou antes da chegada do atual treinador ao clube.

Quando Muricy, em suas entrevistas coletivas, questiona o planejamento do clube, a crítica é muito mais direcionada a Adalberto Baptista, atual diretor-secretário geral e ex-diretor de futebol, do que a seus antecessores Paulo Autuori e Ney Franco. Autuori, por sinal, é sempre inocentado pelo atual comandante. No último domingo, no Maracanã, o técnico foi firme novamente nas declarações:

– O futebol é para poucos, o São Paulo é um boeing, e um mais ou menos não pode dirigir isso aqui. A situação estava muito ruim em todos os sentidos. Não pode o São Paulo estar nessa situação, é um trabalho duro demais. É brincadeira o que aconteceu aqui.

A saída de Ney Franco, que tinha relação desgastada com o capitão Rogério Ceni, e a chegada de Autuori melhoraram o dia a dia do CT. Na sequência, a queda de Adalberto Baptista, que não agradava à grande maioria das pessoas da Barra Funda, deu novo fôlego.

Antes ignorado, o coordenador-técnico Milton Cruz voltou a atuar nas contratações e ajudou na chegada de Antônio Carlos. Para fortalecer ainda mais o CT, Muricy pediu que Juvenal passasse a ser mais presente. O presidente atendeu, parou de priorizar a política e focou no time. Nesta segunda-feira, marcou presença novamente na Barra Funda.

O São Paulo se reconstruiu ao longo do ano e ainda pode ganhar a Sul-Americana como prêmio.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*