Quanto custa o time do São Paulo que vai dar boas vindas a Pato?

É comum jornalistas e torcedores, a cada início de Copa do Brasil, discutirem o abismo financeiro entre o clube grande e o clube pequeno que se enfrentam na primeira rodada, em que o de cima sobe e o de baixo desce, e desenhar possibilidades de quantas vezes todos os jogadores do time pequeno poderiam ser pagos apenas com o que a principal ou mais nova estrela do time grande ganha em uma semana. Mas, neste caso, esqueça o CSA, o pequeno do duelo, embora tradicionalíssimo no Nordeste. A questão é o São Paulo em si, que entra no estádio Rei Pelé às 22h (horário de Brasília) desta quarta-feira com o estreante Alexandre Pato em sua escalação titular mais cara dos últimos anos. Inclusive sobre o Tricolor de 2013.

A formação titular desta quarta-feira tem Rogério Ceni, Douglas, Rodrigo Caio, Antonio Carlos, Alvaro Pereira, Wellington, Maicon, Dorlan Pabon, Paulo Henrique Ganso, Alexandre Pato e Luis Fabiano: essa escalação custa mais de R$ 2,5 milhões mensais – suficiente para comprar 100 carros populares e equivalente ao PIB de Antígua e Barbuda em 2013, segundo o FMI. Equivalente, também, a mais de um ano do custo de todo o elenco do CSA.

As maiores contribuições para os mais de R$ 2,5 milhões são os salários de Rogério Ceni, Luis Fabiano, Pato e Ganso, nessa ordem.

A diferença do valor entre este time e o que terminou o ano de 2013 é grande. Desconsiderando a reserva de Luis Fabiano nas últimas rodadas – o que tornaria a diferença ainda maior – o gasto mensal com os titulares subiu em cerca de R$ 700 mil. Paulo Miranda, Reinaldo e Ademilson deram lugar a Dorlan Pabon, Alvaro Pereira e Pato.

O salário de Ceni é assunto proibido nos bastidores do São Paulo. É o segundo andar da folha salarial do departamento de futebol. Ultrapassa o teto bradado há anos pela diretoria. Está no mesmo patamar de Luis Fabiano: este recebe R$ 500 mil, sendo que uma pequena parcela deste valor sai dos patrocinadores do clube, e não do cofre são-paulino.

Pato bate a cabeça no teto. Isso porque o São Paulo só paga metade do salário: R$ 400 mil. O Corinthians paga a outra metade e assim será até o fim do empréstimo, acordado até o fim de 2015. Paulo Henrique Ganso, na mesma casa, recebe cerca de R$ 350 mil mensais.

O uruguaio Alvaro Pereira estaria no segundo andar, com Ceni e Luis Fabiano, não fosse a composição firmada com a Inter de Milão (ITA) em seu empréstimo. Assim como no acordo de Pato com o Corinthians, Alvaro tem parte dos vencimentos paga pelo clube que detém seus direitos econômicos. O que o uruguaio recebe só do São Paulo faz com que ele entre em nível entre Ganso e os demais jogadores do time titular – Pabon está imediatamente abaixo.

Apesar do time titular do São Paulo ter encarecido de 2013 para 2014, a folha salarial total teve ligeira redução.  As saídas de Lúcio, Jadson, Welliton, Rafael Toloi, Aloísio, Carleto e Silvinho liberaram gasto de pelo menos R$ 1,5 milhão por mês. Os cinco reforços contratados para 2014 acrescentaram cerca de 1,2 milhão. Economia de cerca de R$ 300 mil, no total, mas que proporcionou um rearranjo interno: o time titular mais caro em um elenco mais barato demonstra melhor uso do orçamento, com menos reservas recebendo em demasia.

 

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*