Por cotovelada em Valdivia, Lúcio é punido em uma partida

Lúcio chegou com status de pentacampeão mundial pela Seleção Brasileira e símbolo de liderança, porém, passado uns meses, o jogador começa a ser questionado por grande parte da torcida do São Paulo. Ainda abaixo do esperado em campo, o jogador foi sacado do time durante a derrota por 2 a 1 para o Arsenal de Sarandí, pela Copa Libertadores da América, mas não aceitou, causando atrito com o treinador Ney Franco, que já colocou em cheque futuras participações do zagueiro. Sob risco de ser vetado também pelo Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD/SP), o camisa três foi julgado pela Terceira Comissão Disciplinar, na tarde desta segunda-feira, dia 18 de março, e punido com uma partida de suspensão, já cumprida de forma automática.
Em clássico bem abaixo da expectativa dos torcedores, São Paulo e Palmeiras empataram em 0 a 0, no Morumbi, no dia 10 de março. Além de não somar três pontos em casa, o Tricolor ainda viu Lúcio ser expulso no segundo tempo de jogo. Aos 5 minutos do segundo tempo, no lance que causou a exclusão do defensor são-paulino, Lúcio desferiu uma cotovelada no meia chileno Valdivia. O golpe não acertou o adversário em cheio, mas o Mago deitou no gramado acusando dores e pedindo pela expulsão do zagueiro. O árbitro Leandro Bizzio Marinho aplicou o cartão vermelho, mandando Lúcio mais cedo para o chuveiro.

“Expulsei aos 50 minutos de jogo o jogador número 3 Lucimar Da Silva Ferreira da Equipe do São Paulo por haver desferido e atingido uma cotovelada no peito do seu adversário número 10, Jorge Luis Valdivia Toro, quando o jogo estava paralisado para a cobrança de uma falta a favor da equipe do São Paulo”, explanou em súmula.

Pelo ato, o camisa 3 foi incurso no artigo 254-A,§ 1º,I do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) – “Praticar agressão física durante a partida, prova ou equivalente: desferir dolosamente soco, cotovelada, cabeçada ou golpes similares em outrem, de forma contundente ou assumindo o risco de causar dano ou lesão ao atingido”, que prevê suspensão de quatro a 12 partidas, sendo descontada a automática.

Após defesa do advogado Roberto Armelim, os auditores desclassificaram o artigo para o 250, também do CBJD, “praticar ato desleal ou hostil”, que prevê suspensão de uma a três partidas, levando a pena mínima, já cumprida de forma automática diante do Oeste.

O São Paulo é o atual líder do Campeonato Paulista. O Tricolor encarou o Oeste, no último domingo, dia 17, no Morumbi, vencendo por 3 a 2. Apesar da vitória, os poucos torcedores que estiveram no estádio protestaram contra o técnico Ney Franco e pediram raça para os jogadores, que estão em situação complicada na Libertadores da América.

O time volta em campo na próxima quarta-feira, dia 20, diante do São Bernardo. Já para a Copa Libertadores da América, o São Paulo terá um pouco mais de tempo de preparação.

Fonte: Site Justiça Desportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*