Pela 1ª vez São Paulo usará cafeína na altitude

O São Paulo enfrenta o The Strongest nesta quinta-feira, às 21h30, na altitude de La Paz e para amenizar os problemas dos mais de 3.600m, o elenco chegará ao palco da partida horas antes do confronto decisivo da Libertadores. Outro fator que será usado pelo departamento físico do Tricolor para ajudar no desempenho é o uso da cafeína, um composto químico que serve como estimulante. Será a primeira vez que a atual comissão física vai utilizar o suplemento desde que chegou ao clube.

– Lá na altitude a gente utiliza a cafeína porque é um benefício que traz. A gente utiliza isso. É um dos suplementos que a gente utiliza na chegada em La Paz. Antes do jogo, a ingestão vai ser feita por volta de 45, 50 minutos antes da partida, através de cápsulas. Aqui, é a primeira vez comigo e o departamento de fisiologia que vamos usar. – explicou Alexandre Lopes, preparador físico do São Paulo.

O São Paulo já esteve na capital boliviana durante a primeira fase da competição e naquela ocaisão preferiu não fazer uso da cafeína antes da partida contra o Bolívar. Na oportunidade, o departamento físico optou pela estratégia de usar suplementação liquída que tinha um pouco da substância.

Um estudo de mestrado feito por Bruno de Paula Caraça Smirnaul, de 24 anos formado em Educação Física, mostra que a performance pode melhorar em até 12% caso a cafeína seja ingerida momentos antes da prática esportiva. A ideia começou na Unicamp e depois foi colocada em prática no laboratório da Universidade Kent, na Inglaterra. A pesquisa usou como base voluntários que simulavam estar pedalando com uma altitude de 2.500m através de um equipamento que reduz o fragmento de oxigênio e por isso ele pode ser feito mesmo ao nível do mar. A medida a ser ingerida pela pessoa é entre 4mg e 6mg para cada quilo do indivíduo.

– Resumidamente, o melhor desempenho físico após ingestão da cafeína no nosso estudo ocorreu concomitantemente a uma menor sensação de cansaço e maior sensação de vigor uma hora após a ingestão (imediatamente antes de começar o exercício). Durante o exercício observamos uma menor percepção de esforço e maior eficiência neuromuscular com a cafeína. Além disso, como eles conseguiram ficar mais tempo se exercitando após ingerir cafeína, eles tiveram maiores níveis de fadiga periférica (fadiga do músculo), ou seja, conseguiram explorar mais seu potencial muscular – disse Bruno, que teve como supervisão do projeto Antonio Carlos de Moraes e Samuele Marcora.

O uso da cafeína está liberado pela Wada (Agência Mundial Antidoping) desde 2004. Apesar da substância não ser mais doping, existe um monitoramento constante para observar o uso feito pelos atletas.

Com a palavra:
Alexandre Lopes, preparador físico do São Paulo

Tem clubes no Brasil que fazem a utilização da cafeína em praticamente todo o jogo. A cafeína tem duas situações principais que eu considero. A primeira é deixar em estado de prontidão que todos sabem disso. E a segunda e mais importante que eu considero para o futebl é a preservação do glicogênio muscular. Com relação a altitude, se você consegue a manutenção do glicogênio muscular, que é um gasto excessivo na altitude que você demanda mais energia, obviamente você consegue ter uma melhora em sua performance. A ideia principal é essa e cada atleta reage de uma forma a isso que podemos chamar de suplemento alimentar. Eu já fiz em outros clubes (Botafogo e Coritiba) uso continuo de cafeína a gente teve bons resultados com isso, não só para jogar na altitude, mas estar jogando durante o Campeonato Brasileiro e as competições que acontecem.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*