Pato alienado e Jadson queimado: os bastidores da troca entre Timão e SP

De jogadores valorizados, com projeção internacional, a moedas de troca no mercado interno. Depois de meses em baixa, Jadson e Alexandre Pato terão de recorrer a um rival para tentar resgatar o futebol que fez com que São Paulo e Corinthians gastassem milhões de reais em suas contratações.

Festa Campeonato Paulista Paulistão 2013 Jadson Pato (Foto: Marcos Ribolli)Jadson e Pato, na festa do Campeonato Paulista de 2013: ex-colegas de Seleção trocam de times (Foto: Marcos Ribolli)

A ideia de negociar Pato surgiu antes da invasão de mais de 100 torcedores ao CT, sábado passado. O incidente apenas acelerou o acerto, já que o empresário do atacante, Gilmar Veloz, mostrou-se preocupado com a segurança de seu cliente – um dos mais ameaçados em protestos desde o ano passado. O agente tinha em mãos uma proposta do Zenit, da Rússia, mas o Timão não queria negociá-lo de forma definitiva por acreditar que pode recuperar o investimento, de R$ 40 milhões, feito no início de 2013.

Mano Menezes perdeu o encanto com o atacante logo nos primeiros treinos pela falta de sintonia com o restante do elenco e a dificuldade em entender o espírito de jogar no Corinthians. A irritação chegou ao limite após a derrota por 1 a 0 para o São Bernardo, no Pacaembu, quando o atacante disse que não jogava sozinho e estava fora de sua posição original. O técnico comunicou à diretoria que dificilmente Pato seria utilizado com frequência durante a temporada.

Pato, dentro e fora de campo, nunca conseguiu suprir os desejos da direção, sobretudo para fortalecer a marca alvinegra no exterior. Pior, evidenciou uma postura que o clube não esperava. Integrantes da comissão técnica e da diretoria classificaram o atacante como “mimado” e “alienado” por seu comportamento.

pato mano menezes corinthians treino (Foto: Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians)Mano perdeu a paciência com Pato nos treinos
(Foto: Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians)

A postura de pouco se importar com o que acontecia ao redor rendeu até piadas do elenco. Pato era um dos alvos favoritos das brincadeiras dos companheiros, principalmente por gafes cometidas em momentos inapropriados. Em uma reunião do grupo antes de uma partida, usou o termo “maltratar o adversário” para pedir que o Timão fosse agressivo em campo, arrancando gargalhadas dos companheiros.

Outros relatos mostram que Pato tinha dificuldades intelectuais para compreender as orientações táticas e não conseguia cumpri-las com exatidão. Tite, um dos que mais pediu a contratação dele, perdeu a paciência. O problema rendeu inúmeras broncas do treinador e acabou desagradando ainda mais a diretoria.

Os dirigentes cansaram em virtude do excesso de reclamações. Com medo de lesões mais graves, como aconteceu no Milan, Pato recorria quase que diariamente ao departamento médico, alegando dores. Para membros da comissão técnica, o excesso de problemas físicos na Itália traumatizou o atacante.

No São Paulo, Alexandre Pato terá de batalhar para conseguir um lugar entre os titulares. A avaliação da comissão técnica tricolor é de que o time tem pouca pegada no setor ofensivo devido aos estilos de jogo de Luis Fabiano e Ganso, que pouco ajudam na marcação. Porém, a chegada do corintiano é vista com bons olhos num momento em que se deseja “mudar a cara” de um grupo apático.

Jadson: guerra silenciosa com Muricy

Jadson São Paulo (Foto: Marcos Ribolli)Jadson, com Muricy, ao fundo: distância gigantesca
entre jogador e técnico (Foto: Marcos Ribolli)

O descontentamento com Jadson também era público. Muricy Ramalho chegou a criticar sua má forma física no retorno das férias. Além disso, a maneira como o meia encarou sua ida para o time reserva, ao ser preterido por Ganso, desagradou a todos. Em vez de lutar para recuperar a posição, ele, na visão da comissão técnica, se acomodou.

As críticas se estendiam à forma como Jadson reagia aos resultados. Reclamavam que, para ele, não havia diferença entre vitórias e derrotas.

O “bico” do jogador também incomodou. Uma das primeiras tarefas da comissão será tentar fazer com que Pato seja mais combativo para poder atuar ao lado ou até mesmo no lugar de Luis Fabiano.

Convocado para a Copa das Confederações, Jadson sentiu que perdeu espaço desde a contratação de Muricy, em setembro de 2013. O meio-campista chegou a ser titular nos primeiros jogos, mas rapidamente foi deixado de lado e acusou o golpe.

Jadson reconhece que caiu de rendimento durante a má fase do time, mas esperava mais apoio do comandante para superar o momento ruim e reagir.

Muricy se irritou com o comportamento do jogador. Antes da viagem para enfrentar o Universidad de Chile, em Santiago, Jadson reclamou de uma lesão muscular, mas, como os exames não detectaram o problema, ele acabou obrigado a viajar. No fim do ano, retirou um dente sem comunicar o clube e acabou fora da rodada final do Brasileirão, contra o Coritiba.

Com a saída de Douglas para o Vasco, Jadson se tornou ótima opção no Corinthians. Mano, que o convocou para a seleção brasileira, e a diretoria aprovaram o nome. Por isso, o Corinthians fez grande esforço para sacramentar o negócio rapidamente. Jadson, agora, deve herdar a camisa 10 do Timão.

Os detalhes da transação

Alexandre Pato ficará emprestado por dois anos ao São Paulo. O Corinthians, que investiu mais de R$ 40 milhões para tirá-lo do Milan no início do ano passado, pagará metade dos salários, cerca de R$ 350 mil – a outra parte ficará sob a responsabilidade do clube do Morumbi. Pato tem contrato com o Corinthians até o fim de 2016. Ou seja, quando voltar de empréstimo, terá só mais seis meses antes de poder assinar um pré-contrato com qualquer outro clube.

Por outro lado, Jadson, contratado em 2012 por cerca de R$ 12 milhões, não tem mais vínculo com o Tricolor. O jogador tinha contrato até o fim de 2014 e assinará com o Timão até o encerramento da temporada 2015. Os vencimentos dele também serão custeados pelo clube alvinegro.

Pato, porém, só poderá atuar pelo São Paulo na Copa do Brasil. O jogador atuou em cinco partidas do Campeonato Paulista, superando o limite de três previsto em regulamento. Assim, só estreará pelo Tricolor no dia 12 de março, contra o CSA-AL, em Maceió.

A situação de Jadson é diferente. O meio-campista participou apenas de uma partida do estadual e, assim, está livre para defender o Timão. Ele seria titular contra o Paulista, nesta quinta-feira, no Morumbi, mas como a negociação avançou dificilmente será utilizado por Muricy Ramalho.

Os jogadores devem ser apresentados em seus novos clubes até sexta-feira.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*