Muricy espera reforços, mas descarta jogadores ‘mais ou menos’

Muricy Ramalho

faz um teste de paciência neste início de temporada. Vê buracos aos montes no elenco que sofreu para tirar o São Paulo do rebaixamento no Campeonato Brasileiro e, por enquanto, não sabe (e não tem) a quem recorrer. Resta esperar pelos reforços prometidos pela diretoria. Reforços com “R” maiúsculo.

– Não vai chegar por chegar. Aconteceu em outras situações de contratarem muitos jogadores, e agora não é o caso. Por isso, essa demora. Se chegar, são jogadores de qualidade, porque estamos com um elenco pequeno e precisamos qualificar um pouco para o ano todo. Oferecem muitos jogadores, mas não do nível que queremos. Deve chegar a qualquer momento – afirmou.

Muricy Ramalho treino São Paulo (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Muricy Ramalho está à espera de reforços para o São Paulo (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

O time titular está longe de ser aquele dos sonhos do treinador, mas a grande preocupação é o conjunto. Muricy tem nada menos que sete zagueiros à disposição para, se quiser, implantar o 3-5-2 que o consagrou. Mas, no ataque, o único centroavante é Luis Fabiano, em guerra para voltar à boa fase. Para jogar ao lado dele, mais problemas. Só Osvaldo ou Ademilson.

– Não pode ser só um time, precisa ser um plantel. Temos posições com dificuldades de reposição. Não temos na posição do Luis Fabiano. Estamos desequilibrados desde o ano passado. Precisamos caprichar para não ser como no ano passado – disse.

Na sexta-feira, o São Paulo fechou a contratação de um reforço para um setor congestionado. Álvaro Pereira, lateral-esquerdo do Inter de Milão, chegará na próxima semana para brigar pela posição com Reinaldo, Carleto e Clemente Rodríguez. O clube ainda tem Henrique Miranda e Cortez, que não serão utilizados.

A busca do São Paulo por jogadores entupiu de ligações e mensagens o celular que Muricy carrega no bolso até durante as entrevistas coletivas. A maioria não agrada. Os alvos estão determinados: o volante Souza, do Grêmio, e o atacante Rafael Sobis, do Fluminense. O último, um sonho quase impossível pelos salários elevados.

– Estou tendo paciência com a diretoria porque quero jogadores de nível. Para trazer mais ou menos, é melhor não (trazer). Se eu peço algo difícil, sei que não vai ser fácil. Hoje não existe dinheiro, o futebol brasileiro está complicado.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*