Oposição nega culpa por construtora deixar obra de cobertura do Morumbi

A oposição do São Paulo se defendeu da acusação que ela teria sido a responsável pela construtora Andrade Gutierrez ter desistido de tocar a obra de cobertura do estádio do Morumbi. Na terça-feira, a diretoria do Tricolor emitiu uma nota informando que divergências políticas motivaram a empresa a deixar o projeto, mas garantiu não vai desistir de executar a obra. Em comunicado nesta quarta-feira, o movimento de oposição SPFC Forte se exime de culpa e diz  “repudiar veementemente a posição divulgada pela atual direção do clube.”

A oposição, que vai ter Kalil Rocha Abdalla como candidato à presidência do São Paulo no pleito de abril – contra Carlos Miguel Aidar, apoiado pelo atual presidente Juvenal Juvêncio –, assegura que a Andrade Gutierrez ainda não comunicou a desistência do projeto para a comissão formada por conselheiros oposicionistas e situacionistas para discutir o acordo. E

Entretanto, a Andrade Gutierrez cedeu o projeto de sua autoria ao clube para que o São Paulo possa procurar outra empreiteira interessada. Orçada em R$ 460 milhões, a reforma inclui a cobertura, uma arena multiuso para 28 mil pessoas e dois prédios de estacionamento.

Confira a íntegra do comunicado da oposição do São Paulo:

O Movimento #SPFCforte, grupo de associados e conselheiros tricolores que defende a transparência e o profissionalismo na gestão do SPFC, vem por meio desta nota oficial repudiar veementemente a posição divulgada pela atual direção do clube, culpando nosso movimento pela desistência da construtora Andrade Gutierrez em participar do convênio que realizaria as obras de modernização do Estádio do Morumbi. 

Conforme combinado e amplamente divulgado, desde o dia 13 de janeiro, uma comissão foi formada por conselheiros oposicionistas e situacionistas para análise do contrato. Essa comissão foi dividida em três frentes: engenharia, financeira/comercial e jurídica, composta por celebres conselheiros do São Paulo Futebol Clube e renomados profissionais em suas áreas. 

Representando o #SPFCforte, estavam: José Eduardo Mesquita Pimenta, Eduardo Alfano Vieira, Milton José Neves, Eduardo Rebouças Monteiro, Luiz Cholfe, Paulo Azevedo Marques de Saes Filho,Rubens Amaral, Aurisol Sabino de Souza, Jaime Franco e Sylvio Alves de Barros Filho.  Todo o trabalho resultaria em um relatório que seria posteriormente disponibilizado para os sócios do clube, imprensa e torcedores, já que nem todos puderam ter acesso ao contrato na íntegra.  

O trabalho seguia normalmente e de acordo com o cronograma. No dia 30, inclusive, deveria ocorrer uma nova reunião com a presença da Andrade Gutierrez, nas dependências do escritório de advocacia Pinheiro Neto. Portanto, a saída da construtora Andrade Gutierrez foi para nós absolutamente inesperada. De acordo com a atual gestão, a construtora já teria emitido desejo de desistir da parceria no dia 20 de janeiro, mas isso nunca nos foi comunicado. Aliás, no último sábado, como é de conhecimento de todos, o grupo situacionista fez uma longa explanação a respeito do projeto da cobertura e arena. Não teria sido aquele o melhor momento para comunicar o fato aos associados? Fica claro e notório a tentativa da atual direção em manipular a verdade e, numa estratégia desesperada, creditar ao nosso movimento a culpa por este fracasso.

Entendemos que o fato da comissão ter se aprofundado e se envolvido ativamente na análise do contrato pode ter levado a esta decisão. Mas o que não aceitamos é a tentativa da direção do clube em distorcer esse fato e rotular o #SPFCforte como inimigos da instituição São Paulo Futebol Clube, pois é justamente para defender seus interesses que estamos participando de todo esse processo. 

Os fatos não mentem: diante da mobilização dos associados, um contrato na ordem de 500 milhões de reais não foi aprovado no apagar das luzes, sem garantias completas de que os reais interesses do clube seriam respeitados. 

Transparência é um direito dos associados e torcedores.  Reiteramos que jamais seremos contra as obras de cobertura e modernização do estádio, mas precisamos e queremos ter clareza das obrigações e responsabilidades futuras. Tenham certeza de que não abriremos mão do debate. 

O São Paulo Futebol Clube pertence aos torcedores e associados, e, unidos, voltaremos a fazer do clube um São Paulo Forte!

Sem mais e convictos de nossos princípios, 

Grupo #SPFCforte 

Transparência e profissionalismo

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*