Ney Franco diz que queda na Libertadores não justificaria sua demissão

Há uma pressão muito grande externa e internamente no São Paulo para que Ney Franco seja demitido em caso de eliminação da Libertadores. Pelo menos publicamente, a diretoria diz não concordar com isso e assegurou que o comandante continua independentemente do resultado desta quarta-feira, contra o Atlético-MG. Na véspera da decisão, o treinador usou números de sua passagem pelo time do Morumbi para mostrar que os tropeços na principal competição do continente  foram fatos isolados.

Com um bom segundo turno de Brasileirão e o título da Copa Sul-Americana no ano passado e a liderança no Campeonato Paulista nesta temporada, o comandante disse que sua demissão não seria justa.

“Essa pergunta não deve ser para mim, mas eu creio que não (seria justo). Se a gente continuar, o trabalho e o projeto também vão continuar. A pergunta virou para o lado pessoal, então eu uso meus números no Brasileiro, o título da Sul-Americana e o atual Paulista como defesa. Fomos bem nos três. Estamos mal em uma só. Se avaliarem que a Libertadores é tudo isso e que tem de por fim ao projeto, aí acho que pode acontecer”, avaliou ele.

“De qualquer jeito, a nossa fala é de fechar a temporada. Nós já nos planejamos para viajar ao Japão (Copa Suruga, no segundo semestre), sobre a nossa viagem, a nossa parada. Eu não estou trabalhando na derrota, por isso, não me preocupa muito o que vai acontecer, porque acho que vamos vencer”, completou.

Vale lembrar que uma vitória em cima do Atlético-MG não garante a classificação. Isso porque um triunfo em cima do único invicto da Libertadores poderia não ter função caso o The Strongest vença o Arsenal de Sarandí. Os bolivianos também só podem empatar com os argentinos caso o São Paulo vença os mineiros por dois gols de diferença. Há a hipótese da vaga ser conquistada no sorteio.

Para isso, o São Paulo precisa vencer exatamente por 2 a 1 e que o The Strongest ficasse no 1 a 1 com o Arsenal de Sarandí. Neste caso, todos os critérios seriam igualados. O que faz toda essa confusão é o número de gol feito fora de casa. O time do Morumbi empataria com o de La Paz em todos os critérios que normalmente são usados em competições brasileiras em qualquer vitória são-paulina por um gol de diferença e empate na partida da Argentina. Com os gols marcados fora de seus domínios, no entanto, os times precisam fazer as contas.

Para a partida desta quarta, Ney Franco tem feito todo o mistério que lhe cabe. O treinador fechou o acesso para a imprensa aos dois treinos que antecederam o jogo, não divulgou a escalação e, nem sequer, a convocação para a partida. “Vale tudo nessa hora”, resumiu o comandante.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*