Lúcio admite que “piti” o atrapalhou no São Paulo, mas não entende banco

Cerca de um mês depois do episódio, Lúcio admitiu que o “piti” público que deu por ter sido substituído no empate por 1 a 1 com o Arsenal de Sarandí o atrapalhou no São Paulo. O zagueiro entende que suas atitudes e suas declarações o afastaram da condição de líder de grupo. Apesar disso, ele diz não entender o motivo de estar na reserva.

Na ocasião, Lúcio saiu no meio do jogo, sentou no banco apenas para retirar caneleiras e outros utensílios e foi direto para o vestiário. O zagueiro ainda nem ficou no local para recepcionar comissão técnica e atletas após o término da partida. Ele se direcionou para o ônibus, onde ficou com os pés para cima, as mãos para trás e o encosto da cadeira reclinado.

Na chegada ao Brasil, ele ainda disse não entender a substitução e chegou a dizer que “quando deixou o gramado o jogo estava 0 a 0”.

“Quem pode te responder (o motivo de ficar na reserva) é ele (Ney Franco). Depois daquilo que aconteceu eu fiquei triste, fiquei envergonhado pela entrevista que eu dei. Isso nunca tinha acontecido na minha carreira. Fiquei triste comigo e fui o primeiro a me dirigir a ele, pedir desculpas a ele (Ney Franco), aos meus companheiros, à diretoria e reconheci que era uma coisa que eu não deveria ter feito. Depois, continuei trabalhando e fazendo o meu melhor. A decisão de estar na reserva é do meu treinador”, disse ele.

“Depois da declaração, causou uma dificuldade para eu poder ser líder. É até normal o ambiente ter ficado não muito agradável, mas acho que a liderança acontece naturalmente. Mesmo neste momento me apoiaram e conversaram comigo. Sempre que dá, eu converso com todos, passo alguma experiência. A liderança virá com o tempo”, analisou.

Depois de dar explicações sobre seu problema disciplinar com jogadores, comissão e diretoria, foi a vez de Lúcio explicar que, tecnicamente, não se vê abaixo de seus companheiros. Até por isso, ele diz aceitar a escolha pelo banco de reservas, mas não consegue entender o motivo.

Atualmente, ele tem ficado na reserva de Edson Silva e de Rafael Tolói. No domingo, ele fez seu primeiro gol com a camisa do São Paulo na vitória por 3 a 1 em cima do Botafogo, em Ribeirão Preto.

“Não fico preocupado, mas fico triste, porque eu trabalho todo o dia, treino todo o dia e me dedico ao máximo para fazer como sempre fiz na carreira. Nenhum jogador pode ficar satisfeito no banco e continuou fazendo o que posso, mas a decisão final não é minha”, começou. “Não acho que eu estou devendo, porque nas partidas que eu joguei eu consegui fazer o meu melhor. Pelo que escuto, meu desempenho não é ruim”.

Apesar do momento ruim, Lúcio afirmou que ainda não pensou em deixar o São Paulo, mesmo ficando no banco de reservas. Segundo ele, tudo o que passa na sua cabeça é melhorar e mostrar um bom futebol.

Fonte: Uol

Um comentário em “Lúcio admite que “piti” o atrapalhou no São Paulo, mas não entende banco

  1. “Pelo que escuto, meu desempenho não é RUIM”.
    “Apesar do momento RUIM…”

    Lúcio. Se o repórter chegou ali com um objetivo, não adiante dizer o contrário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*