Goleadores de Santos, São Paulo e Palmeiras disputam a artilharia

Com o Campeonato Paulista chegando cada vez mais perto de sua fase decisiva, Luis Fabiano (São Paulo), Alan Kardec (Palmeiras), Geuvânio, Cícero e Gabriel (Santos) brigam pela artilharia da competição. Juntos, os goleadores são responsáveis por 34 gols no Estadual e por 38% dos tentos de Palmeiras, Santos e São Paulo somados.

Os três clubes destes jogadores chegam na última rodada já classificados como líderes de seus respectivos grupos e sabendo quem enfrentarão nas quartas de final. Artilheiro máximo da competição com nove gols, Luis Fabiano é perseguido de perto por Kardec, que tem sete, e pelo trio santista, Geuvânio, Gabriel e Cícero, com seis gols cada. Léo Costa, do Rio Claro, também tem nove; David, do Paulista, e Henrique, da Portuguesa, têm sete. Com seis, aparecem ainda Anderson Salles, do Ituano, e Alemão, da Ponte Preta.

Apesar dos três artilheiros do Peixe anotarem “apenas” meia dúzia de gols, juntos eles são responsáveis por 48% dos 37 gols alvinegros no Estadual. O trio ainda se destaca pelo número de finalizações. São 91 no total, sendo 51 no gol e outras 40 para fora. Cícero é quem mais chutou dos três, com 38 tentativas. Gabriel, por sua vez, se destaca pelos desarmes. O meia-atacante está 100% na hora de roubar a bola; foram 12 tentativas, todas acertadas. Geuvânio, por sua vez, é o garçom do time – e do campeonato. Com participação direta em 37% dos gols, ele já deu oito assistências, além dos seis gols que fez. Ao todo, 14 gols do Peixe saíram de seus pés.

Alan Kardec, do Palmeiras, é responsável por 26% dos gols do time. Dentre o quinteto, o camisa 14 do Verdão é o mais faltoso. Porém, apesar de já ter cometido 24 infrações no Paulistão, o artilheiro palmeirense é o único dos cinco que ainda não tomou nenhum cartão amarelo. O centroavante também é o único que não ficou nem uma vez sequer em posição de impedimento no torneio.

Por último, mas não menos importante, Luis Fabiano, artilheiro da competição com nove gols, é quem mais sofre com a marcação pesada dos zagueiros. São 28 faltas sofridas em 13 jogos, média superior a duas por exibição. Ele também é quem menos fica com a posse de bola entre os cinco destacados, com pouco mais de 10 minutos no total e média de apenas 47 segundos de posse por partida.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*