Ex-volante do SP troca futebol por jiu-jitsu, mas esposa veta MMA

Nos tempos de jogador do São Paulo e Atlético-MG, Zé Luis gostava de desarmar os adversários como manda um bom primeiro volante. Aposentado dos gramados há cerca de um ano, ele agora pega ainda mais pesado com seus oponentes. Zé se apaixonou pelos tatames e se dedica ao jiu-jitsu.

Ex-atleta não é uma denominação que se encaixa bem para Zé Luis, campeão brasileiro em 2007 e 2008 pelo São Paulo. Aos 35 anos recém-completados, sua rotina de treinos é intensa. Há um ano, ele treina três vezes por semana cerca de 3 horas por dia.

Entre raspagens, trocas de guarda e finalizações bem sucedidas, já trocou a faixa branca pela azul e traça o novo objetivo. “Estou querendo pegar a roxa. Acho que em mais um ano eu consigo. Sou muito dedicado. Estou muito feliz com a minha evolução”.

Zé Luis se aventurou no esporte a convite do amigo Rodrigo Lemos, que é faixa preta de jiu-jitsu. “Meu amigo não acreditou que eu tinha tanta disposição, achou que eu fosse largar no meio do caminho porque o treino é muito duro. Em cinco minutos de luta, você não imagina que vai cansar. Mas é muito diferente, você tem que estar muito bem. Depois tomei gosto e também quero me manter bem para não engordar e também pela saúde”.

O gosto pelas artes marciais vem desde pequeno. Aos dez anos, já praticava karatê e judô, mas optou pelo futebol que dava mais futuro. A escolha foi certeira, mas hoje em dia ele diz que poderia ter sido diferente.

“Karatê e judô não davam futuro para ninguém, e não existia essa onda de MMA na época. Hoje, se eu fosse solteiro e tivesse uns 13 anos ou 14 anos, acho que seria uma boa ideia. Se eu não estivesse velho, eu ia para o UFC (risos). Eu adoro, acompanho tudo e não perco uma luta. Sou fã do Anderson, do Jon Jones e do Cain Velasquez”.

Mas em casa a paixão pelo MMA tem que ser controlada. A rédea da esposa Rosana é curta, e a preocupação com as filhas Valentina (nove meses) e Maria Luiza, de onze anos, também frearam planos mais audaciosos de Zé Luis.

“Minha família não me deixaria fazer MMA, com futebol minha esposa já sofria muito. Minha mulher já ia para o campo e xingava todo mundo, imagina fazendo luta. Ia piorar, não teria a menor chance. Minha mulher já está brava, diz que eu estou inventando arte depois de velho”.

Os compromissos profissionais também impedem Zé Luis de se dedicar integralmente ao jiu-jitsu. Hoje, ele administra uma construtora da família que investe em casas de luxo em condomínios de Guarajuba, uma praia badalada a cerca de 50 km de Salvador.

 

Fote: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*